Republicanos da Comissão de Inteligência apontam para Laboratório de Wuhan como fonte do vírus do PCC

Por Frank Fang

Legisladores republicanos do Comitê de Inteligência da Câmara disseram que é mais provável que o vírus do PCC tenha se originado em um laboratório chinês do que de um animal, de acordo com o relatório provisório divulgado na quarta-feira.

“Há evidências circunstanciais esmagadoras (…) para apoiar um vazamento de laboratório como a origem do COVID-19 ” , afirmou o relatório , que foi liderado pelo Rep. Devin Nunes (R-Calif.), membro de mais alto escalão na comissão.

“Em contraste, poucas evidências circunstanciais surgiram para apoiar a alegação da RPC [da República Popular da China] de que o COVID-19 foi um incidente natural, tendo saltado de algumas outras espécies para os humanos”, acrescentou o relatório.

COVID-19, uma doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), apareceu pela primeira vez na cidade de Wuhan, no centro da China, no final de 2019, quando um grupo de casos foi relacionado a um úmido mercado local. Mais de um ano depois, as origens do vírus permanecem desconhecidas; no entanto, os holofotes agora se voltaram para a teoria de que o vírus escapou de um laboratório do Wuhan Institute of Virology (WIV) da China.

O WIV abriga o único laboratório P4 da China, o mais alto nível de biossegurança, e está localizado não muito longe do mercado. Um Boletim informativo do  Departamento de Estado publicado em Janeiro afirmou que o WIV tinha vindo a realizar experimentos coronavírus de morcego desde pelo menos 2016. O instituto também realizou “experimentos com animais de laboratório” para os militares chineses, pelo menos desde 2017.

Mais importante, o departamento disse ter motivos para acreditar que “vários pesquisadores dentro de WIV ficaram doentes no outono de 2019, antes do primeiro caso identificado do surto, com sintomas consistentes com COVID-19 e doenças sazonais comuns.”.

O regime chinês negou categoricamente que a origem do vírus esteja relacionada ao WIV e endossou fortemente uma hipótese de zoonose natural – que o vírus foi transmitido aos humanos por um hospedeiro animal. No entanto, Pequim ainda não identificou a espécie animal original que supostamente transmitiu o vírus às pessoas.

Um funcionário usando uma máscara passa por uma estação de ônibus em Wuhan, província de Hubei, no centro da China, em 30 de abril de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

De acordo com o relatório, Pequim analisou mais de 80 mil animais e ainda não conseguiu identificar a espécie de origem.

O relatório citou várias descobertas do folheto informativo do Departamento de Estado como evidência circunstancial, incluindo a pesquisa existente do WIV sobre coronavírus e como os pesquisadores adoeceram com sintomas semelhantes aos do COVID-19 no outono de 2019.

Além disso, o relatório também apontou para vazamentos de laboratório anteriores na China, incluindo um na capital Pequim em 2004.

O vazamento de 2004 afetou o Instituto Nacional de Virologia da China, onde pesquisadores estavam conduzindo experimentos com o coronavírus SARS . O incidente ocorreu após a epidemia de SARS em 2002, que infectou 2.769 pessoas e matou 425 fora da China continental, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os especialistas dizem que os números na China provavelmente serão muito maiores do que os relatados oficialmente.

Também havia dúvidas sobre a segurança da WIV. De acordo com o relatório, especialistas em saúde e ciência da Embaixada dos Estados Unidos em Pequim alertaram Washington sobre uma possível “nova pandemia semelhante à SARS”, após várias visitas ao WIV entre o final de 2017 e março de 2018. Os especialistas identificaram “sérios problemas de segurança” associados com práticas WIV que podem levar a vazamentos acidentais.

As decisões de Pequim de encobrir o surto também serviram como evidência circunstancial para a teoria do vazamento no laboratório. De acordo com o relatório, essas medidas incluem a falha em reconhecer que o vírus do PCC era contagioso até 20 de janeiro de 2020 e a decisão de fechar um banco de dados de vírus do WIV .

Pequim também silenciou os médicos reclamantes no final de dezembro do ano passado, quando eles tentaram alertar o público sobre um surto de “pneumonia desconhecida” em Wuhan.

Os membros da equipe da OMS, Peter Daszak (à direita) e Marion Koopmans (à esquerda) estão acompanhados por Peter Ben Embarek (ao centro) ao deixarem seu hotel em Wuhan, uma cidade na província de Hubei, no centro da China, em 10 de fevereiro de 2021 (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

“O WIV e o governo chinês atrapalharam e manipularam a revisão de 28 dias da Organização Mundial da Saúde sobre as origens do COVID-19”, apontou o relatório como outro exemplo do encobrimento da China.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) liderou uma missão a Wuhan no início deste ano em um esforço para rastrear as origens do vírus. Seus resultados, apresentados em relatório publicado no final de março, concluíram que a teoria do vazamento de laboratório era “extremamente improvável”, enquanto a hipótese zoonótica era um “caminho entre o possível e o provável”.

Os críticos acusaram a investigação da OMS de falta de independência . No início deste mês, 18 médicos especialistas em virologia, biologia, imunologia e epidemiologia assinaram uma carta conjunta pedindo “pesquisas adequadas” sobre as origens do vírus, incluindo uma análise da teoria de vazamento do laboratório.

“Para proteger os cidadãos dos EUA de futuras pandemias, o governo dos EUA deve exercer mais pressão sobre a China para permitir uma investigação completa e confiável sobre a origem da pandemia COVID-19 e para investigar a probabilidade de que tenha sido o resultado de um vazamento de laboratório”, conclui o relatório.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas