Republicanos apresentam projeto de lei para sancionar a China por falta de transparência com COVID-19

Por Tom Ozimek

Os legisladores republicanos apresentaram um projeto de lei que autorizaria sanções e outras restrições a cientistas afiliados ao Partido Comunista Chinês (PCC), a menos que Pequim permita uma investigação transparente e internacional sobre as origens do COVID-19 em laboratórios suspeitos na China.

O deputado Mike Gallagher (R-Wis.) apresentou uma versão na Câmara dos Representantes da Lei COVID-19 de 2021 ( pdf ) na terça-feira , enquanto o senador Marco Rubio (R-Fla.) Apresentou uma versão na segunda-feira no Senado ( pdf ) do projeto de lei, que dá aos líderes comunistas da China 90 dias a partir da promulgação para permitir uma investigação confiável e abrangente sobre as origens do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) ou enfrentar uma série de medidas punitivas.

“O PCC mentiu repetidamente sobre as origens desta pandemia, bloqueou o acesso a registros importantes do Instituto de Virologia de Wuhan e corrompeu a Organização Mundial da Saúde. Isso é inaceitável ”, disse Gallagher em um comunicado.

Como foram levantadas questões sobre as origens do vírus do PCC, o Instituto de Virologia de Wuhan, que estudou coronavírus e onde os cientistas realizaram pesquisas que envolviam o aumento da virulência de alguns vírus, se recusou a compartilhar seus dados brutos, registros de segurança e logs de laboratório sobre seu trabalho com coronavírus em morcegos.

O laboratório P4 no campus do Instituto de Virologia de Wuhan em Wuhan, China, em 13 de maio de 2020 (HECTOR RETAMAL / AFP via Getty Images)

Enquanto um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado em março concluiu que o vírus PCC provavelmente se espalhou para as pessoas através de um animal desconhecido, o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse então que a missão de estudar a origem do vírus não analisou adequadamente outras teorias.

Mais de uma dúzia de países, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia, expressaram preocupação com a primeira fase do estudo da OMS sobre a origem do vírus, observando o atraso significativo no relatório e a recusa da China em compartilhar dados brutos cruciais. Em maio, os Estados Unidos instaram a OMS a lançar uma nova investigação sobre as origens do vírus, ressaltando a necessidade de transparência.

Ao mesmo tempo, um par de cientistas afirmou em um artigo de opinião publicado em 6 de junho no The Wall Street Journal que há evidências científicas “irrefutáveis” que sustentam a teoria de que o vírus do PCC não deu um salto natural dos animais para a vida, mas foi criado em um laboratório chinês.

Trabalhadores próximos a uma gaiola de ratos dentro do laboratório P4 em Wuhan, província de Hubei, China, em 23 de fevereiro de 2017 (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

O PCC negou qualquer conexão entre a origem do vírus e o laboratório de Wuhan, e avançou a hipótese – de “zoonose natural”, o que significa que o vírus foi transmitido aos humanos a partir de um hospedeiro animal. O regime chinês também afirmou que o vírus se originou fora da China. Em uma entrevista coletiva em 24 de maio, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, acusou os Estados Unidos de liberar o vírus da base militar de Fort Detrick em Maryland.

Rubio disse em um comunicado: “O Partido Comunista Chinês não quer uma investigação completa e forense sobre as origens do COVID-19. Nesse caso, isso teria sido feito em algum momento durante os últimos 18 meses. Em vez de esperar que as autoridades chinesas cooperem repentinamente, os Estados Unidos têm de forçá-las a cooperar. ”

O projeto de lei Rubio e Gallagher exige acesso de investigação forense internacional transparente ao Instituto de Virologia de Wuhan dentro de 90 dias da promulgação do projeto. Se tal pesquisa não for permitida, sanções serão permitidas para os líderes da Academia Chinesa de Ciências (CAS), incluindo seus mais de 100 institutos e laboratórios afiliados, 13 filiais locais e duas universidades.

O projeto de lei também proíbe que dólares de pesquisa federais dos EUA financiem instituições afiliadas ao CAS e mais de 430 empresas de ciência e tecnologia criadas ou financiadas pelo CAS.

Também proíbe qualquer pessoa ou instituição americana que receba financiamento federal de cooperar com qualquer pessoa ou instituição chinesa em pesquisa de ganho de função, que envolva a manipulação do genoma de um vírus para aumentar sua virulência ou transmissibilidade.

As penalidades listadas no projeto de lei incluem congelamento de ativos e recusa de visto.

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM 

ntre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Twitter.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas