Repressão e restrições fazem parte da preparação do Centenário do PCC

Até os pássaros foram proibidos de voar

Por Rita Li

Nas vésperas do 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC), em 1º de julho, Pequim impõe medidas abrangentes de “manutenção da estabilidade”, incluindo proibições de voos, controles de tráfego e repressão aos peticionários .

“Manter a estabilidade” é uma frase chinesa freqüentemente usada para se referir aos esforços das autoridades para censurar a opinião pública e reprimir dissidentes, incluindo peticionários e ativistas de direitos humanos.

Desde 22 de maio, as autoridades expulsam a população estrangeira de cidades pequenas. De acordo com Weiquan Wang, um site chinês dedicado a notícias sobre ativistas de direitos humanos, Pequim começou uma limpeza massiva a partir de 12 de junho, exigindo a eliminação total da dissidência política até 20 de junho.

Em 11 de junho, as autoridades municipais de Pequim anunciaram que classificariam nove distritos administrativos como áreas restritas de 13 de junho a 1º de julho, incluindo Dongcheng, Xicheng, Chaoyang, Haidian, Fengtai, Shijingshan, Fangshan, Tongzhou e Daxing, onde agora drones , aviões de controle remoto, pipas, balões e lanternas de papel voadoras como pequenos balões de ar quente seriam proibidos.

As restrições se aplicam ao voo de pássaros também, dependendo do tempo e da área. No distrito de Tongzhou, pássaros como os pombos devem ser mantidos em cativeiro o tempo todo. As proibições de voos nos outros oito distritos entraram em vigor das 6h00 às 15h00, todos os dias.

O primeiro ensaio do aniversário antes de 1º de julho foi realizado na Praça Tiananmen, em Pequim, no dia 12 de junho, das 21h00 à madrugada, durante o qual foi realizada uma verificação de tráfego, de acordo com as autoridades chinesas.

Peticionário

Wu Shiming, um peticionário baseado em Wuxi, disse ao Epoch Times em língua chinesa em 13 de junho que ele “não tinha permissão para ir [a Bejing] de forma alguma”.

“Agora, assim que você comprar uma passagem [para Pequim], eles vão pedir para você voltar. Se o tempo permitir, eles irão à estação de trem para trazê-lo de volta. Do contrário, eles vão esperar para detê-lo em Pequim ”, disse ele.

“[Eles vão me mandar] para a cadeia se me pegarem (…) A brutalidade deles não tem limites.”

Wu se tornou peticionário depois que a casa que herdou da família foi demolida pelas autoridades locais em 2014. Ele foi violentamente agredido e em uma ocasião sofreu um desmaio que deixou seu olho direito inutilizável.

“Supostamente, estão ‘mantendo a estabilidade’, mas na verdade é roubar e matar”, disse Wu.

O pai de Wu ficou arrasado tanto física quanto mentalmente e morreu alguns dias depois que a casa foi demolida. A mãe de Wu, que sofria de doenças graves, tentou suicídio após testemunhar a demolição, mas acabou sobrevivendo.

De acordo com uma reportagem da Radio Free Asia, na véspera de 1º de julho alguns peticionários residentes em Pequim serão forçados a “viajar”, um eufemismo para os expulsos da cidade.

Intenções de Pequim

Um analista disse que a comemoração de alto nível de Pequim tem como objetivo reforçar a legitimidade do governo do PCC, que tem sido questionado desde sua fundação em 1º de julho de 1921, por subverter o então governo legítimo da China, o ROC.

Tang Jingyuan, um especialista em assuntos chineses baseado nos EUA, disse ao Epoch Times que isso marca a primeira das metas de “200 anos” do partido, que agora significa oficialmente construir uma sociedade moderadamente próspera.

A meta de “duzentos anos”, proposta pela primeira vez pelo ex-líder do Partido Comunista Chinês, Jiang Zemin, em 1997, refere-se tanto ao centenário da fundação do Partido quanto à fundação da República Popular da China. Mais tarde, o atual líder, Xi Jinping, mudou para “construir uma sociedade moderadamente próspera” e “construir um poder socialista modernizado”.

Não é importante se a meta foi realmente alcançada, disse Tang. Ao destacar o chamado “grande rejuvenescimento nacional”, o regime vai consolidar e reforçar a legitimidade de seu governo, incluindo a busca de Xi pela reeleição ou mesmo um governo vitalício.

Xi emendou anteriormente a constituição chinesa para remover o limite de dois mandatos consecutivos para o presidente do partido.

No 20º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, a ser realizado no próximo ano. Xi poderia ser reeleito pelos membros do partido para um terceiro mandato.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas