Representante do Comércio dos EUA adverte contra remoção de tarifas da era Trump sobre importações chinesas

Por Kelly Song

A Representante do Comércio dos EUA, Katherine Tai, disse ao Senado dos EUA na quarta-feira que “as tarifas da China são uma influência significativa”, enquanto o presidente Joe Biden está considerando suspender algumas tarifas sobre produtos chineses para combater a inflação.

O governo Trump impôs tarifas de até 25% sobre as importações chinesas em 2018 e 2019, desde que uma investigação concluiu que o regime chinês estava envolvido em subsídios governamentais excessivos, roubo de propriedade intelectual e outras práticas comerciais desleais.

A inflação medida pelo índice de preços ao consumidor atingiu uma alta de 41 anos, com 8,6% em maio, segundo os resultados da pesquisa do Federal Reserve de Nova Iorque, em 13 de junho.

Epoch Times Photo
O presidente Joe Biden deixa a Casa Branca em Washington em 8 de junho de 2022 (Win McNamee/Getty Images)

Biden disse em 18 de junho que falaria com o líder chinês Xi Jinping “em breve” e que seu governo está considerando suspender algumas tarifas sobre produtos chineses para conter a inflação.

Em 19 de junho, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse à ABC News que reduzir a inflação é a principal prioridade de Biden e que “as tarifas que herdamos, algumas não têm propósito estratégico e aumentam os custos para os consumidores”.

No entanto, em um depoimento perante um subcomitê de Apropriações do Senado dos EUA, Tai disse que a remoção de tarifas provavelmente teria um efeito limitado no controle da inflação de curto prazo e que “precisamos estar atentos a esse cenário maior”, que é proteger os interesses comerciais americanos contra os planos da China de dominar indústrias importantes, como a de semicondutores.

Tai acrescentou que o governo Biden deve se concentrar em “converter essa influência em um programa estratégico que fortalecerá a competitividade americana e defenderá nossos interesses em uma economia global na qual a China continuará atuando”.

“Um negociador comercial nunca foge da poder da alavancagem”, disse Tai.

Muito provavelmente, o governo Biden não chegará a uma decisão antes da cúpula do G-7 da próxima semana.

Em retaliação às tarifas de 2018, o regime chinês também impôs tarifas sobre dezenas de bilhões de dólares em importações dos EUA.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas