Relembrando as vítimas do comunismo – por eles e por nós

Millennials e a Geração Z são mais propensos a subestimar o número de mortes do comunismo

Por Stephen Gregory

WASHINGTON – O poder da memória—para honrar, consolar, ensinar e advertir—foi evocado na manhã de 9 de junho de 2017 nas cerimônias de entrega de prêmios e entrega de coroas no Memorial das Vítimas do Comunismo.

O evento começou com a apresentação acalorada do violino de Wuilly Moisés Arteaga, um jovem de 23 anos do estado socialista da Venezuela. Arteaga tinha vindo de Caracas prontamente equipado com um novo violino. A polícia de Caracas, onde Arteaga havia participado regularmente de protestos contra o regime repressivo de Maduro, quebrou seu instrumento anterior.

Talvez a energia bruta da apresentação de Arteaga tenha se derivado em parte da dor pela morte recente de seu amigo e colega violinista Armando Cañizales, morto nos protestos de Caracas.

Arteaga tocou em um palco de frente para a estátua do memorial, uma réplica de bronze da figura da Deusa da Democracia montada em papel machê pelos estudantes na Praça Tiananmen em 1989. A estátua domina uma pequena praça em uma esquina movimentada de Washington que é uma caminhada fácil do Capitol.

Este foi um dia para lembrar as vítimas do comunismo, o que é mais fácil de fazer para um indivíduo de cada vez, do que para um grupo cujo tamanho dificulta nossa compreensão.

O ex-chefe de estado da Lituânia, Vytautas Landsbergis, faz um discurso na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C (Kitty Wang/NTDTV)
O ex-chefe de estado da Lituânia, Vytautas Landsbergis, faz um discurso na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C (Kitty Wang/NTDTV)

O orador principal, Vytautas Landsbergis, disse que a enormidade dos crimes do comunismo é “surpreendente”, o que significa difícil de compreender. Landsbergis observou que a escala dos crimes pode suscitar a observação, atribuída a Josef Stalin, de que, embora uma morte seja uma tragédia, um milhão de mortes é uma estatística.

Em seu site, The Victims of Communism Memorial Foundation, ele refere-se à existência de “mais de 100 milhões” de mortes e afirma que seu memorial é o único no mundo dedicado a cada vítima do comunismo..

José Gutiérrez-Solana participou da primeira cerimônia em memória da fundação há 10 anos e tem comparecido todos os anos desde então. Ele passou 10 anos nas prisões de Fidel Castro.

Gutiérrez-Solana era um estudante de direito que se juntou a Castro para se opor ao ditador Fulgencio Batista. Então, Castro disse que não haveria “nenhuma lei e nenhuma constituição”. “Não é por isso que estávamos lutando”, disse Gutiérrez-Solana, e então começou a usar suas palavras para se opor ao futuro tirano comunista.

Depois que Castro tomou o poder, Gutiérrez-Solana foi preso. Ele disse que vem a este evento todos os anos “para homenagear nossos amigos e irmãos que perderam suas vidas pela liberdade em Cuba”.

Gutiérrez-Solana escapou de Cuba há décadas. Chi Lihua e sua filha, Xu Xinyang, fugiram da China em fevereiro de 2017.

Xu Xinyang (esquerda), Alan Adler e Chi Lihua apresentam uma coroa de flores em memória das vítimas do comunismo na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C. Adler é o diretor executivo do Friends of Falun Gong, Xu e Li são praticantes do Falun Gong que sofreram perseguição na China por suas crenças (Kitty Wang/NTDTV)
Xu Xinyang (esquerda), Alan Adler e Chi Lihua apresentam uma coroa de flores em memória das vítimas do comunismo na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C. Adler é o diretor executivo do Friends of Falun Gong, Xu e Li são praticantes do Falun Gong que sofreram perseguição na China por suas crenças (Kitty Wang/NTDTV)

Chi e Xu praticam a disciplina espiritual Falun Gong, que o Partido Comunista Chinês decidiu erradicar em 1999. O marido de Chi morreu em 2009 depois de ser torturado durante uma sentença de prisão de 8 anos por praticar o Falun Gong. Chi disse que também perdeu seu irmão, pai e mãe devido à perseguição na China.

Após a morte de seu pai, Xu foi forçada a deixar a escola, e vários de seus colegas, que também praticavam o Falun Gong, foram presos. Chi e Xu compareceram à cerimônia da fundação para pedir ajuda aos praticantes do Falun Gong e, em particular, aos colegas de classe de Xu. Eles não falam inglês, mas trouxeram com eles um pôster laminado em chinês que fala sobre a perseguição ao Falun Gong. Quando solicitados a posar para uma foto, eles desdobraram o pôster e o seguraram entre eles.

Evitando falsas esperanças

A fundação realiza várias atividades destinadas a promover sua visão de “um mundo livre da falsa esperança do comunismo”. Proeminente entre eles está a concessão da Medalha da Liberdade Truman-Reagan, concedida “aos indivíduos e instituições que demonstraram um compromisso vitalício com a liberdade e democracia e oposição ao comunismo e todas as outras formas de tirania”, diz o site.

Nessa cerimônia, a fundação entregou a medalha a Mart Laar, o primeiro primeiro-ministro da Estônia após a independência do país da União Soviética. O prêmio foi aceito pelo vice-chefe da missão da Estônia, Marki Tihhonova-Kreek, porque a saúde precária impediu Laar de fazer a viagem a Washington.

Em seus comentários de aceitação, Laar escreveu que os estonianos “sabem exatamente o que é o comunismo. É por isso que nossa tarefa é não deixar isso acontecer novamente. Isso exige que todos nós mantenhamos a memória viva”.

O discurso principal de Landsbergis atingiu um tom diferente. Ele começou, “Senhoras e senhores, queridos amigos, combatentes”. Landsbergis, o primeiro chefe de estado de uma Lituânia libertada do domínio soviético, falou como um guerreiro para outros guerreiros.

 O ex-chefe de estado lituano Vytautas Landsbergis faz o discurso principal na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C. (Kitty Wang/NTD Televsion)
O ex-chefe de estado lituano Vytautas Landsbergis faz o discurso principal na décima cerimônia anual da Medalha da Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C. (Kitty Wang/NTD Televsion)

Para ele, o comunismo está vivo. É um “monstro” ou “praga” que visa destruir “toda a humanidade”.

Embora alguém possa ser perdoado em uma manhã ensolarada em Washington por se sentir longe dessas coisas terríveis, Landsbergis advertiu: “A época do extermínio em massa ainda não acabou”.

Landsbergis vê o mal do comunismo mudando e aparecendo em novas formas. Islâmicos assassinos e o que ele chamou de russo-fascismo são as novas faces de um velho inimigo.

“A mistura de ensino comunista especulativo e delírio fanático”, disse Landsbergis, “continua como uma doença endêmica”.

Landsbergis vê um amor baseado na crença em Deus como uma forma de a humanidade evitar esse contágio.

O clímax dos eventos da manhã foi a lista de chamada das nações. Coroas de flores foram apresentadas por representantes de 22 nações, quatro outras entidades governamentais e 30 associações privadas (desde o sindicato que representa os funcionários da Voz da América ao Congresso Mundial Uyghur).

The participants in the tenth annual Truman-Reagan Medal of Freedom and Roll Call of Nations Ceremony, on June 9 in Washington, D.C. (Kitty Wang/NTDTV)
Os participantes da décima cerimônia anual da Medalha de Liberdade Truman-Reagan e da Lista de Chamada das Nações, em 9 de junho em Washington, D.C. (Kitty Wang/NTDTV)

Na cerimônia solene, um ou alguns indivíduos carregariam uma coroa de flores para o espaço em frente à estátua da Deusa da Democracia e baixariam brevemente a cabeça em respeito às muitas vítimas que foram massacradas. A coroa seria então arrumada com as outras em fileiras atrás da estátua.

Perto de casa

Após o término da cerimônia em memória, o diretor executivo da fundação, Marion Smith, refletiu sobre a importância dos eventos do dia para os americanos. Uma pesquisa de outubro de 2016 comissionada pela fundação sobre as opiniões dos Estados Unidos sobre o comunismo foi uma revelação.

Entre outras descobertas, as gerações mais jovens—millennials e a Geração Z—foram consideradas mais propensas a subestimar o número de mortes do comunismo, menos valorização pela ameaça duradoura do comunismo e maior probabilidade de ter atitudes favoráveis em relação ao socialismo e ao comunismo. Smith disse que os resultados desta pesquisa refletem um fracasso geral da educação americana. Ele avaliou nossas gerações mais jovens como tendo uma “falta de consciência histórica, uma frustração ou incapacidade de participar do sistema de livre empreendimento e, em seguida, um cansaço com a confusão da democracia”.

“A liberdade é um direito de nascença de toda a humanidade e, no final, a liberdade prevalecerá.”
— Presidente George W. Bush , Memorial em 2007

Smith caracterizou isso como “solo muito fértil para a ditadura e o totalitarismo”.

Para responder a essa situação, a fundação conta com diversas iniciativas educacionais: seminários para professores do ensino médio; programas de extensão em campi universitários, onde a fundação ensina os fatos básicos sobre o comunismo; e simpósios para professores universitários para discutir questões difíceis envolvendo comunismo, socialismo, totalitarismo e coletivismo. Além disso, a fundação veiculou uma série de anúncios na Times Square de Nova York.

O próximo item da agenda da fundação é construir o Museu Internacional sobre o Comunismo em Washington.

Smith disse que compreender e celebrar as vidas das pessoas mortas pelo comunismo “é muito importante para nós como sociedade em termos de justiça, de quem somos”.

Lembrar as vítimas do comunismo e buscar defender os outros dele, mesmo que nossa situação apenas nos permita fazer isso com palavras, é essencial para o caráter americano, disse Smith.

Se não defendermos “as grandes ideias de liberdade individual e autogoverno” em todo o mundo, perderemos a capacidade de afirmar essas ideias em casa, disse Smith.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.
Siga Stephen no Twitter: @StephenEpoch

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Assista toda a série clicando aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas