Relatório Minghui: 688 praticantes do Falun Gong na China foram presos em abril de 2019

Prisões em grupo em múltiplas províncias foram relatadas em toda a China

Por Minghui.org

De acordo com informações compiladas pelo Minghui.org, 688 praticantes do Falun Gong na China foram presos e 434 foram perseguidos em abril de 2019 por se recusarem a renunciar à sua fé.

Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática para o aprimoramento da mente e do corpo baseada nos princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde julho de 1999.

Com a estrita censura da informação na China, os casos de perseguição nem sempre podem ser relatados em tempo hábil, nem todas as informações estão prontamente disponíveis.

Dois praticantes morreram em consequência do assédio policial. Yang Xiaohui, do condado de Wen’an, província de Hebei, faleceu quando tentava escapar da polícia ao descer da sacada de seu apartamento no terceiro andar.  Xu Junming, residente de Pequim com problemas de saúde, morreu dias após o assédio policial.

O dia 25 de abril foi o 20º aniversário do protesto pacífico dos praticantes do Falun Gong do lado de fora do Escritório Nacional de Apelações em Pequim, em 1999, para buscar a libertação de vários praticantes injustamente presos dias antes. Tornou-se uma data politicamente sensível para o regime comunista, e a polícia frequentemente prende os praticantes em grande escala nessa época todos os anos. Várias detenções em grupo foram relatadas em toda a China em abril deste ano.

(Minghui.org)
(Minghui.org)

Um total de 571 praticantes permanece em cativeiro no momento desta edição. As prisões ocorreram em 26 províncias e municípios controlados centralmente. Dezessete das regiões relataram prisões de dois dígitos, com a Província de Sichuan com mais detenções (89), seguida por 77 na província de Heilongjiang e 69 na província de Hebei.

Praticantes idosos não ficaram fora desta ação: 117 dos alvos (87 presos e 30 assediados) têm entre 65 e 87 anos.

(Minghui.org)
(Minghui.org)

Além disso, 312 praticantes tiveram suas casas saqueadas e sofreram perdas financeiras, com um total de 464.335 yuanes extorquidos ou confiscados. As aposentadorias de sete aposentados foram suspensas.

A família de Wang Yulan, da cidade de Haozhou, província de Anhui, estava entre os praticantes selecionados. Dez pessoas de sua família foram presas e a polícia confiscou 300 mil yuanes, um carro e outros pertences.

Leng Xuefei, de 56 anos, é aposentada da cidade de Yueyang, província de Hunan. Sua pensão foi suspensa desde junho do ano passado. Ela perdeu a casa quando seu marido se divorciou dela depois de ser levada para um campo de trabalho forçado por sua fé e libertada em 2002. Ela foi posteriormente sentenciada a quatro anos de prisão em 2006 e três anos e meio em 2013. Em desespero, ela queria se mudar para o exterior para morar com o filho, mas lhe foi negado um passaporte por causa de sua crença.

Duas mortes causadas por assédio policial

Moradora de Hebei morre tentando escapar da prisão, decorrente de sua resistência em não desistir de sua fé.

Em 9 de abril de 2019, Yang Xiaohui, do condado de Wen’an, província de Hebei, caiu e faleceu ao tentar escapar da polícia ao descer da sacada de seu apartamento no terceiro andar.

Oito policiais bateram à porta de Yang por volta das 23h de 8 de abril de 2019. Quando ela se recusou a deixá-los entrar, eles usaram ferramentas para abrir a porta. Ela correu para a varanda e tentou escapar de lá e caiu no chão. Sem reflexos, ela foi enviada para o hospital, onde foi declarada morta por volta das 2 h da manhã.

Yang tinha 55 anos de idade. Sua morte aconteceu alguns meses antes do casamento de sua filha. A polícia não permitiu que sua família fizesse arranjos para o seu funeral, alegando que eles precisavam obter a aprovação dos superiores antes de enterrá-la.

Por causa de sua crença, foi repetidamente assediada por mais de uma década. Ela foi levada para um centro de lavagem cerebral duas vezes e detida uma vez.

Xu Junming foi encontrada morta em 26 de abril de 2019, depois que sua família perdeu o contato com ela por alguns dias. Pela posição de seu corpo, sua família suspeitou que ela poderia ter morrido de um derrame ou problema cardíaco depois de ser aterrorizada pela polícia, que escalou sua cerca e invadiu sua casa alguns dias antes para ameaçá-la a não mais praticar o Falun Gong.

Ela e seu marido, Sun Fuyi, moradores do distrito de Huairou, em Pequim, foram repetidamente atacados pelas autoridades por se recusarem a renunciar à sua fé. A trágica morte de Xu ocorreu enquanto Sun,  de 71 anos, ainda estava detido em um centro de lavagem cerebral por praticar o Falun Gong.

Ele voltou para casa em 10 de janeiro de 2019, após cumprir três anos de prisão por conscientizar sobre a perseguição do regime comunista ao Falun Gong. Em 7 de março, apenas dois meses depois, o casal foi preso novamente. A polícia enviou Xu para casa na mesma noite por causa de sua condição de saúde. No entanto, os policiais a atormentaram novamente na manhã de 9 de março.

Ele foi solto do centro de detenção no início de abril, apenas para ser preso novamente e levado para um centro de lavagem cerebral duas semanas depois.

Quatro policiais bateram à porta da casa de Sun na manhã de 22 ou 23 de abril. Ela se recusou a abrir a porta. Os oficiais pularam o muro e entraram em sua casa. Eles a pressionaram a desistir de praticar o Falun Gong e exigiram saber onde ela havia obtido os materiais do Falun Gong. Ela não respondeu as perguntas deles. Os policiais ficaram por várias horas e partiram por volta das 11 horas. Ela morreu alguns dias depois, aos 65 anos.

Prisões em grupo

Em abril, prisões em grupo em múltiplas províncias foram relatadas em toda a China.

Cidade de Yancheng, província de Jiangsu: 47 presos antes de 25 de abril

A polícia da cidade de Yancheng, província de Jiangsu, prendeu 47 praticantes do Falun Gong em abril. Entre eles, sete foram presos alguns dias antes de 25 de abril, incluindo Zhong Xiufeng, Tang Yuling, Xiaofang (apelido), Qiaozi (apelido). Os outros três foram presos em 30 de abril; eles eram Kong Lingxiu, Yan Jinlan e Cao Fulin. Quarenta e quatro dos praticantes presos foram levados para sessões de lavagem cerebral realizados no Hotel Aishe, na cidade de Yancheng.

Mais de 20 praticantes são presos nas províncias de Sichuan e Zhejiang

Em 23 de abril, na cidade de Guang’an, província de Sichuan, a polícia local começou a prender praticantes do Falun Gong. Mais de 20 foram presos. A polícia tentou forçá-los a assinar cartas para renunciar ao Falun Gong e ameaçou levá-los para sessões de lavagem cerebral se eles se recusassem.

Na manhã de 18 de abril, a polícia na cidade de Ningbo, província de Zhejiang, prendeu praticantes em várias áreas da cidade. Nos lares de dois praticantes, onde grupos de praticantes liam os livros do Falun Gong juntos, os policiais prenderam todos os participantes e saquearam as residências. Cerca de 20 praticantes foram presos no total, e a maioria deles estava com 60 e 70 anos.

A polícia de Ningbo monitorou os praticantes alvo durante os dois meses anteriores e coletou informações sobre quando o grupo normalmente se reunia. Alguns dos praticantes detidos continuam detidos no Centro de Detenção da Cidade de Ningbo.

Praticantes se tornam alvos de campanha de repressão de gangues na província de Anhui

Na manhã de 19 de abril, a polícia do Departamento de Segurança Doméstica do condado de Taihe e as delegacias de polícia locais no condado de Taihe, província de Anhui, prenderam pelo menos 15 praticantes e saquearam suas casas após as terem invadido, enquanto outros foram levados para centros de detenção.

Foi relatado que alguns desses praticantes foram colocados sob vigilância de longo prazo como parte da campanha anti-gangue das autoridades. A polícia visava os praticantes do Falun Gong em vez de membros de gangues para cumprir suas cotas.

14 praticantes foram presos na cidade de Pingxiang, província de Jiangxi

Em 23 de abril de 2019, na cidade de Pingxiang, província de Jiangxi, 14 praticantes do Falun Gong estavam lendo os livros do Falun Gong juntos, quando uma dúzia de policiais invadiram o local sem mostrar qualquer documento. Os praticantes foram levados para as delegacias de polícia locais para interrogatório e depois para o Centro de Detenção da Cidade de Pingxiang.

Laishui, província de Hebei: oito praticantes do Falun Gong são presos no mesmo dia em uma nova campanha de 100 dias

Em nome de melhorar a estabilidade social, o diretor Li Hongyu da Agência 6-10 do condado de Laishui, província de Hebei, levou a polícia local a prender praticantes do Falun Gong no condado de Laishui em 20 de abril. Oito foram presos como resultado.

Idosos se tornam alvos de perseguição por resistirem a desistir de sua fé

Depois de 12 anos atrás das grades, mulher de 70 anos é presa novamente

A sra. Jia Naizhi, 70, que mora na cidade de Fushun, província de Liaoning, foi presa em 18 de abril de 2019. Após a perseguição ao Falun Gong em 1999, ela ficou dois anos em um campo de trabalhos forçados e dez anos de prisão por falar contra a perseguição. Ela foi torturada à beira da morte várias vezes enquanto estava detida.

Residente de Xangai é preso novamente após encarceramento de dez anos

O sr. Zhang Qin, um residente de Xangai de 64 anos, foi preso em 24 de abril de 2019. A polícia saqueou sua casa e confiscou seus livros do Falun Gong. Agora, ele está no Centro de Detenção do Distrito de Xuhui. A mãe do sr. Zhang acabara de falecer há pouco tempo, e seu pai, de 90 anos, agora é deixado em casa sozinho após sua prisão.

Ele foi condenado a quatro anos de prisão em Tilanqiao, após sua prisão em 2001. Pouco depois de ser libertado da prisão, Zhang foi novamente preso em 7 de outubro de 2005. Ele logo recebeu um ano de trabalho forçado. Menos de três anos depois, ele foi preso em 5 de junho de 2009 e condenado a cinco anos na prisão de Tilanqiao. O sr. Zhang foi severamente torturado sob custódia.

Três praticantes idosas são presas

Três praticantes idosas, sra. Pan Jindi, sra. He Xing’e a sra. Shen Xueying, foram presos ao meio-dia de 10 de abril de 2019 enquanto liam os livros do Falun Gong juntas na casa da sra. Pan no Novo Distrito de Pudong, Xangai. Elas não foram autorizados a colocar os sapatos antes de serem empurradas para o veículo da polícia. Elas foram libertadas no final da tarde.

A equipe do comitê residencial retornou à casa da sra. Pan em 22 de abril para tentar forçá-la a renunciar ao Falun Gong, mas ela se recusou.

Cinco idosos se tornam alvos em Chengdu, província de Sichuan

Em 10 de abril, cinco idosos do distrito de Wenjiang, cidade de Chengdu, província de Sichuan, foram assediados e alguns tiveram suas casas invadidas pela polícia com algumas horas de intervalo.

Em 10 de abril, o sr. Ran Congfa, em seus 80 anos, estava em casa, quando oficiais da Delegacia de Polícia de Liucheng e funcionários de seu comitê de rua local a invadiram às 11h. Eles exigiram que ele renunciasse ao Falun Gong. Depois que ele se recusou e contou como o Falun Gong beneficiava sua saúde, os intrusos foram embora.

Pouco depois das 14h30, a equipe do comitê residencial e agentes de segurança invadiram a casa da sra. Wang Meizhen, que está com 70 anos, e seu marido, o sr. He Guozhang, 79 anos. Dois outros praticantes, a sra. Xiong Xifang, 85 anos e a sra. He Yungui (sem parentesco com o sr. He), de 76 anos, estava em visita. Os policiais levaram o sr. He, a sra. Xiong e a sra. He para as delegacias de polícia locais em Chengdu e saquearam suas casas. Eles foram libertados mais tarde naquele dia.

Mulher de 83 anos forçada a usar dispositivo de rastreamento eletrônico

A sra. Fan Qinxia, uma praticante do Falun Gong de 83 anos na cidade de Wuhan, província de Hubei, foi levada à força para a delegacia de polícia local, onde oficiais a forçaram a usar um dispositivo de rastreamento com alcance de sinal de 201 metros para a polícia e para a equipe do comitê residencial para monitorar sua localização.

A sra. Fan foi condenada a um ano de prisão depois de ter sido presa em fevereiro passado por distribuir materiais do Falun Gong. Apesar de sua liberdade condicional ter expirado recentemente, a polícia ameaçou colocá-la de volta na prisão se ela se recusasse a colocar o rastreador.
Casos de assédio

Advogado de direitos humanos começou a praticar o Falun Gong após representar os praticantes, fica sujeito à própria perseguição

O advogado Wang Yonghang, de 42 anos, é um praticante do Falun Gong na cidade de Dalian, província de Liaoning. Ele defendeu muitos praticantes do Falun Gong e ganhou o prêmio “Dez Melhores Advogados de Defesa dos Direitos Humanos” da Associação de Advogados de Direitos Humanos da China em 2012. Ele foi condenado em 2009 a sete anos de prisão por sua fé no Falun Gong.

Em 16 de abril de 2019, quando o sr. Wang tinha acabado de pegar um trem na Estação Ferroviária de Dalian Norte, um policial veio até ele e pediu sua passagem e identidade sem apresentar um documento de identidade policial. O sr. Wang rejeitou o seu pedido e avisou o oficial que apresentaria uma queixa contra ele. O policial tirou uma foto do advogado Wang sem permissão e saiu.

Esta foi a terceira vez que o sr. Wang foi assediado nesta estação de trem. As duas primeiras vezes foram em 2017.

Praticante de Tianjin assediado no local de trabalho

O sr. Jiang Guoliang é um praticante do Falun Gong da cidade de Tianjin. Dois dias antes de 25 de abril, a polícia local o prendeu em seu local de trabalho. Eles o levaram para a delegacia de polícia local e saquearam sua casa. Ele foi liberado depois.

Professor Hubei assediado novamente após dez anos de prisão por sua fé

O sr. Xu Xudong, um professor da cidade de Shiyan, província de Hubei, notou alguém filmando-o depois que ele saiu do trabalho na tarde de 25 de abril.

Cinco dias depois, a polícia foi para a casa de seu pai no condado de Zhushan, na província de Hubei. Eles intimidaram seu pai idoso e fizeram muitas perguntas sobre o sr. Xu.

O sr. Xu havia sido condenado duas vezes a cinco anos de prisão por praticar o Falun Gong e foi brutalmente torturado durante seus dez anos de encarceramento.

 
Matérias Relacionadas