Relatório: Como o exército chinês está comprando chips de IA americanos

Por Kelly Song

Apesar das medidas para limitar a exportação de tecnologia dos EUA para os militares chineses, os chips projetados por empresas americanas ainda estão acabando nas mãos do Exército de Libertação Popular (ELP), conforme relatório do Centro de Segurança e Tecnologia Emergente (CSET) da Universidade de Georgetown.

O CSET examinou mais de 66.000 registros de compra do ELP disponíveis publicamente durante o período de 8 meses, entre abril e novembro de 2020. Os investigadores identificaram 97 chips exclusivos de inteligência artificial (IA) de ponta que o ELP encomendou. Quase todos eles foram projetados pelas empresas americanas Nvidia, Xilinx (agora AMD), Intel e Microsemi. O relatório do CSET, divulgado em junho de 2022, também observou que os investigadores não conseguiram encontrar nenhum registro público do ELP comprando chips de IA de ponta de empresas chinesas, como HiSilicon (Huawei), Sugon, Sunway, Hygon ou Phytium.

Esses chips de IA são componentes críticos para o Partido Comunista Chinês (PCCh) “inteligenciar” (a adição de inteligência artificial a um sistema, de acordo com kaikki.org) suas forças armadas e dominar o mercado global de design e fabricação de IA.

Embora o PCCh tenha investido dezenas de bilhões de dólares em sua própria indústria de semicondutores, de acordo com o relatório, as empresas chinesas carecem de “conhecimento intrínseco e equipamento especializado”, portanto, ainda não conseguem alcançar as empresas de design dos EUA, enquanto a Samsung e a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), da Coreia do Sul, continuam sendo os titãs da fabricação global de semicondutores.

Para obter chips de IA projetados pelos EUA, o PCCh contornou as limitações impostas pelos recentes controles de exportação dos EUA.

Contornando o controle de exportação

Criado pelo governo Trump e mantido pela administração Biden, existem vários controles projetados para restringir as exportações de tecnologia para usuários finais militares na China. No entanto, esses controles de usuário final não se aplicam a itens fabricados fora dos Estados Unidos. Como a maioria dos chips de IA são fabricados na Coreia do Sul e em Taiwan, os controles do usuário final têm pouco poder para limitar as compras de entidades chinesas, segundo o relatório.

Além disso, o Departamento de Comércio mantém uma Lista de Entidades, por meio da qual o governo dos EUA pode rejeitar solicitações feitas por entidades listadas. Cerca de 500 empresas chinesas estão na Lista de Entidades. No entanto, nenhum dos sete fornecedores intermediários chineses que encomendaram os 97 chips de IA de ponta, para o ELP, encontrados pelos pesquisadores do CSET, estão na Lista de Entidades. De acordo com pesquisas anteriores do CSET, uma fração dos fornecedores de IA do ELP é nomeada nas principais listas de controle e sanções de exportação dos EUA.

Os sete fornecedores intermediários estão sediados em Pequim, Tianjin, Zhengzhou, Hangzhou e Xi’an. Sua filiação às forças armadas chinesas é por meio da Academia Chinesa de Ciências Militares, da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China, da Força de Apoio Estratégico do ELP, da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China, entre outras entidades.

Enquanto isso, alguns desses fornecedores intermediários chineses para o ELP são distribuidores autorizados de chips americanos.

O relatório do CSET deu o exemplo da Sitonholy (Tianjin) Co., Ltd., com sede em Tianjin, listada como parceira no site da Nvidia. Ganhou um contrato para fornecer GPUs Titan V projetadas pela Nvidia para a Academia de Ciências Militares do Exército de Libertação Popular (ELP) em abril de 2020. Em seu site, a Sitonholy afirma ser um “parceiro de elite da Nvidia” e “distribuidor de produtos Nvidia oficialmente licenciados” na China. Além dos militares chineses, os clientes da Sitonholy incluem 80% das universidades chinesas que trabalham com IA.

Estratégia de Fusão Civil-Militar do PCCh

Pesquisas anteriores da CSET destacaram que, em todo o país, os consumidores chineses importam a grande maioria dos chips de IA dos Estados Unidos, Taiwan, Japão e Coreia do Sul.

A estratégia de fusão civil-militar do PCCh está tornando quase impossível para os reguladores dos EUA distinguir entre usuários finais militares e não militares na China, que é a base da maioria dos controles de exportação dos EUA. O modelo de fusão permite que os militares chineses ignorem os controles de exportação dos EUA e obtenham acesso secreto à tecnologia e equipamentos dos EUA por meio de seus colegas civis.

Os autores propõem que os EUA expandam sua coleção de inteligência de código aberto e adotem novas medidas de controle de exportação com base em recursos de chip de ponta.

Usando empresas de fachada para comprar chips de IA dos EUA

Os investigadores também descobriram que o ELP usa empresas de fachada para conseguir o que precisa. Por exemplo, em agosto de 2020, a Beijing Hengsheng Technology Co., Ltd., especializada em processadores inteligentes e computação de alto desempenho, ganhou um contrato para fornecer os processadores Nvidia TX1 e Xilinx Virtex7 para uma subsidiária da China Aerospace Science and Technology Corporation.

Os dois endereços de e-mail listados como pontos de contato da Beijing Hengsheng Technology Co., Ltd., nos registros financeiros públicos, estão registrados em dezenas de outras empresas de consultoria de tecnologia com sede em Pequim.

Empresas de design de chips dos EUA podem perder receita da China

O mercado chinês responde por 25% do consumo global de chips de IA, de acordo com o relatório; “Os chips de IA vendidos para a China em 2021 valem entre US$ 2,5 bilhões e US$ 5 bilhões”. Para as principais empresas de chips dos EUA, mais de um quarto de sua receita veio da China em 2021, conforme mostrado na tabela abaixo.

Captura de tela de uma tabela mostrando a receita da China de empresas de semicondutores dos EUA (Relatório CSET/Captura de tela via The Epoch Times)

Restringir o acesso do PCCh à tecnologia americana tem custos políticos e econômicos associados, observam os pesquisadores. Outro desafio seria se ou como compensar a perda de acesso ao mercado chinês.

Uma solução, diz o relatório, poderia ser fornecer às empresas norte-americanas alternativas viáveis ​​ao mercado chinês. A Lei CHIPS for America de 2022 fornece incentivos significativos para empresas de semicondutores construírem instalações de fabricação nos Estados Unidos.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas