Reino Unido urge que Pequim recue à medida que o regime pressiona pelo controle de Hong Kong

Por Eva Fu

Pequim precisa “recuar da beira do abismo” e reconsiderar a imposição de uma lei de segurança nacional em Hong Kong, disse o secretário de Relações Exteriores britânico Dominic Raab em um comunicado de 11 de junho, enquanto renova uma promessa de proteger a liberdade de Hong Kong.

“[A] solução para essa agitação e suas causas subjacentes deve vir de Hong Kong e não pode ser imposta da China continental”, escreveu ele no prefácio de um relatório semestral (pdf) sobre Hong Kong, compilado desde que a colônia britânica foi devolvida à China em 1997.

O território passou por suas maiores manifestações no ano passado, com milhões de moradores saindo às ruas para resistir à crescente invasão de Pequim à autonomia da cidade.

A lei chinesa recentemente proposta, criminalizando o que o governo central considera como secessão, subversão e interferência estrangeira, trouxe os manifestantes de volta às ruas.

Jovens seguram as luzes do celular enquanto participam de um comício no distrito central de Hong Kong, em 9 de junho de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)
Jovens seguram as luzes do celular enquanto participam de um comício no distrito central de Hong Kong, em 9 de junho de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)

Se o c avançar com seus planos, o Reino Unido tomará providências que permitam aos portadores de passaportes britânicos no exterior um caminho para a cidadania, disse Raab. Atualmente, cerca de 350.000 Hong Kong nascidos antes de 1997 possuem tais passaportes, enquanto outros 2,5 milhões são elegíveis para se candidatar a um, de acordo com o governo britânico.

Enquanto isso, em um relatório de estratégia de segurança nacional dos EUA em 10 de junho (pdf), o Comitê Republicano de Estudo recomendou o uso da Lei Global Magnitsky para sancionar várias autoridades chinesas por violar a autonomia política de Hong Kong, incluindo Han Zheng, um dos membros mais importantes do Partido Comunista.

Aumento da pressão 

Apesar da pressão internacional e do voto dos Estados Unidos de revogar o status comercial especial de Hong Kong, o governo chinês acelerou as etapas para avançar com a imposição da lei.

Na quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China divulgou um “informativo”, alegando que a Declaração Conjunta Sino-Britânica de 1984, o acordo bilateral assinado antes da transferência de soberania de Hong Kong, “não era relevante” no manuseio da China em Hong Kong. Alegou ainda que o Reino Unido “não tem direitos de soberania, direitos de governança e poder de supervisão” sobre os assuntos de Hong Kong.

Zhang Xiaoming, vice-diretor da agência representativa de Pequim em Hong Kong, o Escritório de Ligação, disse que as autoridades centrais garantirão a implementação da lei na cidade “não importa o que aconteça em Hong Kong nem o que as forças externas digam ou façam”. Considerando o desafio de Hong Kong um “problema político”, ele chamou a lei de segurança nacional de “software antivírus” para garantir a estabilidade da cidade.

Embora o regime ainda não tenha revelado detalhes da nova lei, os críticos expressaram temores de que as autoridades chinesas trabalhem diretamente na cidade e aumentem as acusações políticas. O chefe de segurança de Hong Kong, John Lee, disse recentemente que o governo local criaria uma unidade policial dedicada a trabalhar com as forças de segurança do continente e aplicar a lei.

“Tenho certeza de que as autoridades do continente têm uma rede muito maior de coleta de informações e também um nível de análise muito mais alto”, disse Lee em entrevista ao South China Morning Post, acrescentando que as autoridades de segurança chinesas “têm um panorama geral da coisa toda”.

O Japão, que já manifestou sérias preocupações com a decisão de Pequim em 28 de maio, disse na quarta-feira que planeja assumir a liderança entre os países do G-7 ao emitir um comunicado sobre Hong Kong. Taiwan também está se esforçando para se preparar para o afluxo dos moradores de Hong Kong que estão fugindo da cidade em meio ao rígido controle de Pequim.

Policiais de choque detêm manifestantes durante uma manifestação no distrito Central de Hong Kong, em 9 de junho de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)
Policiais de choque detêm manifestantes durante uma manifestação no distrito Central de Hong Kong, em 9 de junho de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)

Alargando a rede de inteligência

Alimentando as preocupações com prisões extralegais após a implementação da lei, uma fonte disse ao Epoch Times que as autoridades evacuaram um centro de detenção na cidade continental de Shenzhen, na fronteira com Hong Kong, a fim de alojar os presos do território. A pessoa que trabalha nas instalações de Yantian pediu para permanecer no anonimato por medo de represálias.

Localizado no extremo sul da China, o centro de detenção fica a uma curta distância de Sha Tau Kok, o distrito mais ao norte de Hong Kong.

Contatado pelo Epoch Times, um membro da equipe do centro de detenção confirmou que a instalação não havia admitido reclusos desde o surto do vírus do PCC e havia transferido detidos anteriores para o Centro de Detenção do Distrito de Luohu, mas se recusou a divulgar detalhes sobre o uso futuro da instalação. O Centro de Detenção do Distrito de Luohu não retornou imediatamente telefonemas para um inquérito. Simon Cheng, um ex-trabalhador do consulado britânico em Hong Kong, foi mantido sob custódia e interrogado nas instalações de Luohu em agosto passado, durante uma viagem de negócios a Shenzhen.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Você sabia que somos independentes?

O Epoch Times é independente de qualquer influência de empresas, governos ou partidos políticos. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e sermos responsáveis ​​perante o público.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia funcionando.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 

 
Matérias Relacionadas