Reino Unido interrompe treinamento policial em Hong Kong

Uma coalizão internacional de ativistas, advogados e organizações está tentando iniciar um caso privado contra três oficiais britânicos da Força Policial de Hong Kong, que estavam supostamente envolvidos na tortura de manifestantes pró-democracia

Por Alexander Zhang

O governo britânico interrompeu todo o treinamento de policiais de Hong Kong, segundo o Ministério da Defesa.

Historicamente, o Royal College of Defense Studies do Reino Unido oferece um lugar para a Força Policial de Hong Kong a cada ano, mas ninguém compareceu ao curso deste ano devido à pandemia do vírus do PCC, disse o Ministério da Defesa.

“À luz das restrições do coronavírus, todo o treinamento com o pessoal de Hong Kong foi interrompido”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa ao Epoch Times em um comunicado por e-mail.

“Será reavaliado quando as restrições forem suspensas”, acrescentou o porta-voz.

O Secretário de Estado da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, deixa 10 Downing Street em Londres em 13 de fevereiro de 2020 (Leon Neal / Getty Images)
O Secretário de Estado da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, deixa 10 Downing Street em Londres em 13 de fevereiro de 2020 (Leon Neal / Getty Images)

O Exército britânico forneceu anteriormente programas de treinamento limitados para a Força Policial de Hong Kong, o Serviço de Voo do Governo e o Corpo de Cadetes do Mar, disse o Ministério da Defesa.

A declaração também mencionou a dura Lei de Segurança Nacional que Pequim recentemente impôs à cidade, acelerando o declínio nas relações entre o Reino Unido e sua ex-colônia.

“O governo do Reino Unido deixou claro que a promulgação e aplicação da legislação de segurança nacional de Hong Kong pela China constitui uma violação da Declaração Conjunta Sino-Britânica, ameaçando diretamente os direitos e liberdades dos residentes de Hong Kong”, disse o porta-voz.

A Lei de Segurança Nacional, que entrou em vigor em 30 de junho, penaliza as pessoas por qualquer ato de subversão, secessão e conluio com forças estrangeiras contra o regime do Partido Comunista Chinês (PCC), com pena máxima de prisão perpétua.

Em reação à legislação, o governo britânico ampliou os direitos de imigração de cerca de 3 milhões de residentes de Hong Kong que têm o status de cidadãos britânicos (estrangeiros) e suspendeu seu tratado de extradição com o território.

Táticas pesadas

Protestos em grande escala eclodiram em Hong Kong no ano passado em reação a um projeto de lei que teria permitido que os residentes de Hong Kong fossem extraditados para a China continental. Desde então, a polícia de Hong Kong foi acusada de usar táticas violentas para reprimir os manifestantes.

Em junho de 2019, o governo do Reino Unido proibiu a venda de equipamentos de controle de multidões para Hong Kong, como gás lacrimogêneo.

No plano internacional, os Estados Unidos também suspenderam as exportações de armas antimotim para Hong Kong e a União Europeia decidiu limitar a venda de equipamentos “sensíveis” à ex-colônia britânica.

Manifestantes reagem quando a polícia dispara gás lacrimogêneo enquanto tentam marchar em direção à Universidade Politécnica de Hong Kong em 18 de novembro de 2019 (Dale de la Rey / AFP via Getty Images)
Manifestantes reagem quando a polícia dispara gás lacrimogêneo enquanto tentam marchar em direção à Universidade Politécnica de Hong Kong em 18 de novembro de 2019 (Dale de la Rey / AFP via Getty Images)

No início deste mês, um grupo de legisladores britânicos disse que a polícia de Hong Kong “violou o direito e os princípios humanitários internacionais, os direitos humanos internacionais e a Declaração Conjunta Sino-Britânica”.

Por seu lado, o Grupo Parlamentar Multipartidário de Hong Kong instou o governo do Reino Unido a impor sanções ao estilo Magnitsky à Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, ao Comissário da Polícia e a outros oficiais superiores por permitirem que a polícia usar violência excessiva contra os manifestantes.

Em 7 de agosto, a administração Trump impôs sanções à líder de Hong Kong, Carrie Lam, e 10 outras autoridades, incluindo atuais e ex-chefes de polícia de Hong Kong e secretários de segurança e justiça da cidade.

A polícia de choque dispara gás lacrimogêneo durante uma manifestação em Tai Wan, em Hong Kong, em 10 de agosto de 2019 (Anthony Kwan / Getty Images)
A polícia de choque dispara gás lacrimogêneo durante uma manifestação em Tai Wan, em Hong Kong, em 10 de agosto de 2019 (Anthony Kwan / Getty Images)

Para proteger as autoridades de sanções, descobriu-se que as associações de crédito da polícia de Hong Kong estavam transferindo bilhões de dólares de Hong Kong em ativos de bancos estrangeiros para bancos chineses.

Uma coalizão internacional de ativistas, advogados e organizações está tentando iniciar um caso privado contra três oficiais britânicos da Força Policial de Hong Kong, que estavam supostamente envolvidos na tortura de manifestantes pró-democracia.

Lily Zhou, Eva Fu e Cathy He contribuíram para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas