Reino Unido alerta que não haverá mais ‘negócios como de costume’ com a China após pandemia

Por Cathy He

O Reino Unido deixará de fazer “negócios como de costume” com Pequim após o término da pandemia da COVID-19, afirmou o secretário de Relações Exteriores e primeiro-ministro interino, Dominic Raab, em sinal de uma postura mais rígida diante do manejo do regime comunista com relação ao surto.

“É absolutamente necessário haver um mergulho muito, muito profundo após o evento e uma revisão das lições, incluindo o surto do vírus”, disse Raab em entrevista coletiva em Londres, em 16 de abril. “Eu não acho que podemos recuar com relação a isso”.

Seus comentários vêm em meio a críticas crescentes dos Estados Unidos sobre a falta de transparência do regime chinês durante a pandemia. Enquanto isso, muitos legisladores dos EUA pediram que o regime de Pequim fosse responsabilizado por seu papel na cobertura do surto, o que causou sua disseminação global.

Quando perguntado se haveria um “acerto de contas” com Pequim após o término da crise, Raab, que está substituindo o primeiro-ministro Boris Johnson ao se recuperar do vírus do PCC, respondeu: “Não há dúvida de que não podemos fazemos negócios como de costume após essa crise, e teremos que fazer perguntas difíceis sobre como surgiu e como poderia ter parado mais cedo”.

No início desta semana, o governo Trump confirmou que estava investigando as origens do surto, incluindo se vinha de um laboratório de alto nível localizado em Wuhan, o epicentro do vírus.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse em entrevista à Fox News em 15 de abril que os Estados Unidos estão “trabalhando diligentemente” para determinar de onde o vírus veio e como começou a se espalhar.

“O governo chinês precisa ser sincero e deve ser responsabilizado”, acrescentou Pompeo. “Você precisa explicar o que aconteceu e por que essa informação não estava mais amplamente disponível”.

Mas o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse em uma entrevista coletiva em 16 de abril que funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS) “disseram várias vezes que não há evidências de que o novo coronavírus tenha sido criado em laboratório”.

Enquanto isso, no Reino Unido, membros do Partido Conservador, no governo de Johnson, pediram um restabelecimento das relações com Pequim diante de seu manejo da pandemia.

O ex-líder conservador e secretário de Relações Exteriores William Hague, que agora está na Câmara dos Lordes, disse que o Reino Unido não pode depender da China para obter tecnologia, pois a recente crise mostrou que não ela “cumpre nossas regras”.

O ex-chefe da principal agência de inteligência MI6 do Reino Unido, Sir John Sawers, disse à BBC Radio em 15 de abril que o regime reteve informações cruciais sobre o surto inicial e “evitou” sua responsabilidade de causar a pandemia.

No mês passado, o Daily Mail informou, citando fontes governamentais não identificadas, que os ministros estavam pressionando por uma reavaliação do relacionamento do Reino Unido com a China e pressionando Johnson a bloquear um acordo que permitisse à gigante chinesa de telecomunicações Huawei, construir grandes partes da rede 5G no país.

O Reino Unido foi criticado em janeiro depois de permitir à Huawei um papel limitado em sua rede 5G, e autoridades dos EUA disseram que a medida prejudicou a segurança nacional.

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse em uma entrevista ao Financial Times publicada em 16 de abril, que existem dúvidas sobre como Pequim lidou com o surto.

“Não sejamos tão ingênuos ao dizer que eles foram muito melhores em lidar com isso”, disse Macron sobre o gerenciamento do surto na China.

“Não sabemos. Claramente, aconteceu coisas que não sabemos. ”

 
Matérias Relacionadas