Registros da história: Bob Marley não era fã de governos comunistas

Marley apoiava a monarquia e criticava Cuba, Etiópia e Rússia

Por Jack Phillips

Algumas pessoas não gostam de música reggae e outras não gostam da música de Bob Marley. Apesar disso, seu personagem como um ativista pacifista não violento é freqüentemente celebrado.

Em primeiro lugar, de acordo com Marley, ele era um homem espiritual que acreditava em Deus e pertencia ao movimento Rastafari. Mais tarde, ele foi batizado na Igreja Ortodoxa Etíope antes de sua morte. Ao longo de sua vida, em sua música, Marley nunca endossou nenhum sistema político, mas foi um defensor de direitos e liberdade.

Em julho de 1978, o entrevistador Jeff Cathrow perguntou a ele sobre o movimento Rastafari e o governo socialista da Jamaica sob Michael Manley.

Aqui está um trecho:

Marley: “Não cara! Michael Manley é um Marxista-Leninista-Socialista, Rasta é uma monarquia. Entende!

Entrevistador: “Você acha que Manley será derrubado?”

Marley: “Não sei, cara”.

Entrevistador: “Se algo acontecesse com Manley, o que você acha que aconteceria com a Jamaica?”

Marley: “QUALQUER COISA que ‘abrir, tem que ser melhor!”

Alguns meses antes da entrevista, Marley deu as mãos a Manley, um socialista democrático próximo ao governo comunista cubano, e o rival de Manley, Edward Seaga. Anos antes, Marley havia se apresentado e ajudado a promover Manley, mas depois que ele foi eleito, Marley ficou desiludido com a política. Ele também sobreviveu a uma tentativa de assassinato em 1976.

Marley, em setembro de 1980—a última entrevista antes de sua morte—foi questionado sobre cubanos na Etiópia que apoiavam Mengistu Haile Mariam, um comunista maoísta que, segundo os historiadores, matou 1,5 milhão de pessoas por fomes provocadas pelo homem e expurgos de seus oponentes políticos. Mengistu e Fidel Castro eram aliados, com Cuba enviando cerca de 17.000 soldados para a Etiópia em 1977 e 1978.

Em uma entrevista com Anita Waters, ele não expressou uma visão favorável dos então governos comunistas da Rússia e da Etiópia.

Anita Waters: Mais alguma coisa que você gostaria de dizer ao seu público?

Marley: Bem, eu sabia que este ano é o quinquagésimo ano—passe-os de volta ao Rasta.

Waters: O quinquagésimo aniversário da coroação de Sua Majestade Imperial, Imperador Haile Selassie, o Primeiro.

Marley: É o Jubileu de Ouro, é isso. 2 de novembro. Já se passaram 50 anos desde que o governo de Cristo se estabeleceu na terra, voltou à terra. Os russos não podem pegar as armas e destruí-lo, você sabe. Homem mau.

Waters: Os russos estão tentando?

Marley: É claro que eles tentam na Etiópia. Mengistu não é etíope. Mengistu é russo.

Waters: O que você acha dos cubanos lá?

Marley: Bem, eles são idiotas também são russos. Sim. Eles dizem que Deus não existe. E eu, eu sei que existe um Deus. Porque eu sei quem é Deus. E os caras me espetam com uma arma e dizem que Deus não existe. Eu digo que sim, existe um Deus. E eles atiram! E erram. E disparam novamente e erram, você sabe. E eles disparam muito tempo e perdem porque existe um Deus.

Marley aparentemente estava se referindo à promoção do ateísmo pelos líderes comunistas, ao mesmo tempo que promovia uma compreensão materialista da natureza e do universo. Na União Soviética, várias formas de cristianismo foram submetidas a campanhas de perseguição e supressão, enquanto o Partido Comunista Chinês suprimiu de forma mais infame todas as religiões. Mengitsu não foi diferente: em 1977, ele ordenou a execução de vários líderes religiosos, incluindo o Patriarca da Igreja Ortodoxa Etíope, Abuna Theophilos.

O imperador Haile Selassie foi deposto em um golpe militar, e os historiadores acreditam que Mengistu ordenou “que o corpo do imperador fosse enterrado de cabeça para baixo no palácio e mandou erguer um banheiro sobre o túmulo para que ele pudesse expressar diariamente seu desprezo pelo monarca”. Acredita-se que o Derg matou o imperador.

Mengistu foi considerado culpado de genocídio em 12 de dezembro de 2006 e mais tarde condenado à prisão perpétua em 2007. Atualmente, ele mora no Zimbábue, onde é protegido pelo líder despótico Robert Mugabe.

As estimativas para o número de mortes sob o reinado de 17 anos de Mengitsu variam entre 500.000 e 2 milhões. Ele também transferiu à força 700 mil agricultores sob o pretexto de combater a fome, mas isso foi amplamente visto como uma tentativa de separar simpatizantes dos rebeldes na parte oriental do país.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times busca expor a história e as crenças desse movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde que surgiu.

Veja a série completa de artigos aqui.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas