Regime de Maduro ameaça médico que relatou casos suspeitos de coronavírus na Venezuela

"Há uma campanha de desinformação da mídia chavista, que pode trazer muitas consequências negativas por falta de manejo adequado e controle epidemiológico"

Por Anastasia Gubin

Depois que o médico venezuelano Freddy Pachano, diretor da Escola de Pós-Graduação em Medicina da Universidade de Zulia (LUZ) relatou em seu fim de semana nas redes sociais um caso “suspeito” de coronavírus em Maracaibo, o governador Omar Prieto ameaçou denunciá-lo ao promotor no intuito de abrir um processo judicial contra ele, argumentando que é uma questão de “segurança do Estado”.

“Freddy Pachano. Pós-graduação pela Universidade de Zulia. Para nos dizer onde eles estão… Não se surpreenda que aqui tentam inventar alarmes como esse, que no momento são questões de segurança do Estado.Tem que ser investigado”, disse Prieto a repórteres em 9 de março. (Vídeo)

“Este Sr. Pachano tem que ser investigado. A investigação é para nos informar. Agora, se as informações forem falsas, você as estará comunicando abertamente. Vou pedir imediatamente ao promotor público que ele levante imediatamente um processo contra esse homem”, acrescentou.

Prieto, que em 25 de fevereiro de 2019, foi sancionado pelo governo dos Estados Unidos junto com outros aliados do regime Nicolás Maduro por ameaçar líderes da oposição e por cometer atos de corrupção involvendo armas e drogas, garantiu que “seremos os mais interessados ​​em divulgar qualquer caso que possa surgir no estado de Zulia”.

Em resposta, o Dr. Pachano disse à imprensa que ele foi responsável perante a comunidade, fornecendo informações sobre os casos suspeitos.

“Eu não menti. Muito menos eu causei alarme. Pelo contrário, tenho sido muito cauteloso e bastante responsável antes de escrever. Eu absolutamente disse a verdade. Nunca houve uma intenção de criar caos. Os casos existem e eu sempre disse que ainda não foram confirmados”, explicou Pachano em 9 de março em uma versão final.

“Tenho família, colegas e estudantes, nunca vou perder o respeito deles. Também somos responsáveis ​​por mais de três mil estudantes que atuam no hospital”, acrescentou.

O Dr. relatou em 8 de março a presença de um “Caso NÃO CONFIRMADO de Coronavírus (COVID-19)” que “está aguardando resultados. Ainda parece um caso que NÃO atende aos critérios para pensar no Coronavírus, mas devido à origem e sintomas, todas as medidas preventivas foram tomadas”. Um dia antes, ele mencionou que é um “estrangeiro preso por tráfico de drogas, retido pela Guarda Nacional”.

Na segunda-feira, em outra mensagem, ele afirmou que “foi informado que há dois casos suspeitos de COVID-19, aqueles que estão isolados no HUM (Hospital Universitário de Maracaibo), um hospital sentinela para esses casos. Não há confirmação, hoje as amostras foram enviadas para o estado de Aragua”.

O médico também alertou em sua conta do Twitter que “há uma campanha de desinformação da mídia chavista, que pode trazer muitas consequências negativas por falta de manejo adequado e controle epidemiológico”.

“É realmente uma vergonha que isso esteja acontecendo, apenas imaginável com relação à criminosos”, escreveu a seguir.

“O caso existe, quem o recebeu nos dois hospitais confirmou e é verdade que está no HUM, na área preparada para isso. No entanto, não parece ser um coronavírus. Mas isso não foi descartado”, acrescentou.

O jornalista Gustavo Ocando indicou que “o paciente, que viajou recentemente por países do Caribe e da América do Sul, segundo fontes não oficiais, passará por testes, cujos resultados serão conhecidos dentro de 72 horas. Os exames serão realizados e concluídos em Caracas”.

Fontes não oficiais da HUM dizem que o centro de saúde está preparado como um “sentinela” para tratar e examinar pacientes com suspeita de coronavírus: “Antes de três dias, nada pode ser confirmado. Não há nada confirmado até que você realmente tenha o necessário”, acrescentou.

Por sua vez, a Faculdade de Medicina suspendeu em 9 de março todas as atividades que os alunos realizam no HUM como medida preventiva. Em 8 de março, a residência médica da HUM também foi suspensa como medida preventiva.

“Diante da suspeita de infecção por coronavírus no HUM, a Escola de Medicina suspende as atividades acadêmicas nesta instituição amanhã”, disse Pachano, indicando que foi uma ordem do Dr. Tibisay Rincón Ríos, diretor do Faculdade de Medicina.

O Dr. Pachano mais tarde lamentou que alguns interpretassem a suspensão de todas as aulas da Faculdade de Medicina, quando se referia apenas às atividades do HUM.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas