Regime chinês proíbe programas educacionais estrangeiros para manter controle ideológico

Por Jessica Mao

O regime comunista chinês proibiu o uso de materiais didáticos estrangeiros, como parte de uma nova repressão à indústria de educação pós-escolar do país.

Especialistas chineses dizem que é outra maneira do regime apertar seu controle ideológico sobre o pensamento dos estudantes chineses, incluindo todas as áreas da educação.

O Ministério da Educação da China divulgou  um documento oficial em 24 de julho delineando as novas regras para instituições fora da escola.

O documento estipula que as instituições de formação são estritamente proibidas de oferecer programas educacionais elaborados no exterior. A maioria das instituições de treinamento usa materiais de ensino autopublicados, enquanto algumas instituições de treinamento de inglês usam materiais de ensino estrangeiros.

“O Partido Comunista Chinês (PCC) é especialmente cauteloso com a indústria de treinamento fora do campus, onde os alunos têm um desejo por conhecimento e senso de justiça”, disse o especialista em China Xue Chi na edição em chinês do Epoch Times.

De acordo com Xue, a motivação fundamental do PCC para fazer isso é a rejeição dos valores “ocidentais”, especialmente os dos Estados Unidos e de sua Constituição.

“A reforma do PCC nas instituições de treinamento pós-escolar visa fortalecer sua força ideológica”, acrescentou.

Pais e responsáveis ​​esperam do lado de fora de um centro de treinamento em informática para crianças em Pequim (Wang Zhao / AFP via Getty Images)

Esta não é a primeira vez que as autoridades comunistas banem os livros didáticos do exterior.

Em junho de 2019 , o Ministério da Educação da China emitiu um aviso afirmando que quatro disciplinas do exame AP (Advanced Placement Program), incluindo História dos Estados Unidos, História Mundial, História Europeia e História das Humanidades, seriam suspensas a partir de 2020 nos locais de exame abertos na China.

Anteriormente, em setembro de 2018 , o Ministério da Educação solicitou que os departamentos de educação locais realizassem uma pesquisa sobre os livros didáticos do ensino fundamental e médio e proibissem os currículos escolares e os livros didáticos independentes.

Pequim também impôs outras regras estritas, como a proibição de instituições de mentoria levantarem capital por meio do mercado de ações, proibição de empresas de capital aberto investirem em mentoria e proibição de investidores estrangeiros de investirem em empresas de capital e Mentoria por meio de fusões e aquisições e franquia.

Como resultado, as ações da China Concepts no setor de educação despencaram em 23 de julho nas bolsas de valores de Hong Kong e dos Estados Unidos.

Alguns provedores de treinamento suspenderam seus planos de IPO, como a instituição de mentoria Yuanfudao (Yuantiku), um banco de dados de exercícios online de US$ 15,5 bilhões e Zuoyebang, uma plataforma de mentoria online apoiada pelo Alibaba Group. Holding Ltd., avaliada em pelo menos US $ 500 milhões .

Um relatório de 23 de julho do 21st Century Business Herald citou um comentarista chinês dizendo que as novas regras “basicamente bloquearam o caminho para empresas como Yuantiku, Zuoyebang e VIPKID”.

VIPKID é um serviço de aulas particulares de inglês pela Internet onde participam instrutores norte-americanos.

“O sistema regulatório da indústria de educação e treinamento é de um rigor sem precedentes”, disse a China International Capital Corporation (CICC), o primeiro banco de investimento em joint venture sino-estrangeiro na China continental.

A revisão das instituições de treinamento pelas autoridades chinesas provavelmente visa alcançar o controle “completo” e “total” das mentes dos alunos, disse Xue.

“O PCC vê a ideologia e a educação como ‘frentes’ estratégicas e agora está se tornando cada vez mais extrema, com uma lavagem cerebral que começa com as crianças”.

Os pais aguardam seus filhos em um centro educacional privado após a escola no distrito de Haidan, em Pequim, em 28 de julho de 2021 (Noel Celis / AFP via Getty Images)

Política de educação da China recua

A política educacional da China foi polarizada por duas décadas. Em contraste com a ordem de Xi Jinping de que as instituições fora da escola deveriam ser registradas como sem fins lucrativos, as políticas educacionais do ex-líder do PCC, Jiang Zemin, deveriam promover a ” industrialização da educação ” , na qual os produtos da educação deveriam ser comercializados e com fins lucrativos.

Depois que Chen Zhili se tornou  Ministro da Educação da China em março de 1998 , as taxas escolares aumentaram constantemente. Em 2003 , o ensino fundamental e médio se tornou o segundo setor mais lucrativo da China, atrás apenas do setor imobiliário.

Um artigo publicado em julho de 2004 no China News Weekly revelou que as autoridades chinesas promoveram a industrialização da educação a fim de desviar a pressão sobre o PCC de investir na educação. Assim, esquemas de “enriquecimento rápido” proliferaram em produtos e serviços educacionais que podem caracterizar o ambiente de aprendizagem nos campi e na sociedade em geral.

Desde a promoção da obtenção de lucros na indústria da educação até a proibição da obtenção de lucros por parte de instituições fora do campus, a política educacional do PCC passou por mudanças subversivas nas últimas duas décadas. Mas quando se trata de controlar o pensamento livre, as idéias do PCC não mudaram.

O regime de Xi quer alinhar as instituições de treinamento fora do campus e proibir os alunos de usar materiais didáticos estrangeiros para impedir a entrada de ideias ocidentais.

Jiang, em sua época, usou o controle direto do regime sobre o conteúdo dos livros didáticos dos alunos para espalhar a linha do Partido quando precisava garantir o apoio nacional para sua política de erradicação da prática espiritual pacífica do Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, que era praticado por cerca de um em cada 13 chineses naquela época.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas