Regime chinês persegue, tortura e aprisiona minorias étnicas em Xinjiang, afirma Anistia Internacional

Por Agência EFE

Centenas de milhares de minorias muçulmanas enfrentam perseguição, tortura e prisão em massa nas mãos do regime chinês na região autônoma uigures de Xinjiang , de acordo com um novo relatório divulgado quinta-feira pela Amnistia Internacional (AI).

A organização acusa a China de cometer crimes contra a humanidade contra grupos étnicos minoritários, submetidos à “vigilância sistemática em massa” e “forçados a abandonar suas tradições religiosas, práticas culturais e línguas locais”.

A investigação, a mais ambiciosa realizada pela AI na área, se baseia no depoimento de dezenas de pessoas detidas em “centros de transformação pela educação”, considerados pela ONG como campos de internação.

A polícia patrulha uma cidade na prefeitura de Hotan, região chinesa de Xinjiang, em 17 de fevereiro de 2018 (Ben Dooley / AFP via Getty Images)

O relatório “Como se fôssemos o inimigo em uma guerra”: internamento em massa, tortura e perseguição pela China de muçulmanos em Xinjiang “denuncia que as autoridades do país aplicaram” medidas repressivas draconianas “contra a etnia uigur, população cazaque, Hui, Quirguistão , Uzbeque e Tajique sob o pretexto de acabar com o terrorismo.

De acordo com a Amnistia Internacional, a China prendeu centenas de milhares de pessoas e enviou outras centenas de milhares para campos de internamento, um número que “pode ​​chegar a um milhão ou mais”.

Espancamentos, superlotação e privação de sono

Uma centena de vozes de sobreviventes reunidas durante a investigação, que começou no início de 2017 em Xinjiang, alegaram ter sofrido espancamentos, privação de sono e superlotação em delegacias de polícia como uma etapa antes da transferência para centros de detenção.

A polícia vigia enquanto os muçulmanos saem da mesquita Id Kah após a oração matinal em Eid al-Fitr, Kashgar, Xinjiang, em 26 de junho de 2017 (Johannes Eisele / AFP / Getty Images)

Todos os entrevistados pela Amnistia Internacional foram detidos por conduta legal, segundo a organização, como posse de um quadro com tema religioso ou comunicação com alguém do estrangeiro, e sofreram tortura ou outros maus-tratos.

Um oficial que participou de prisões em massa no final de 2017 disse à ONG como a polícia retirou pessoas de suas casas sem aviso prévio e as deteve sem o devido processo legal.

A investigação afirma que os chamados campos de internamento funcionam como prisões onde os presos não têm autonomia e estão sujeitos a duras punições por “desobediência trivial”.

Esta foto tirada em 31 de maio de 2019 mostra uma mulher uigur (C) caminhando pela entrada de um bazar em Hotan, no noroeste da China (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Quando saem da detenção, as pessoas são submetidas a vigilância eletrônica e pessoal “quase constante”, segundo a organização, que denuncia em seu relatório de 160 páginas o “tremendo esforço” do regime chinês para ocultar suas ações repressivas.

A secretária-geral da AI, Agnès Callamard, afirmou esta quinta-feira na apresentação virtual do documento que os referidos campos de internamento são apenas uma parte da campanha de vigilância massiva promovida pelas autoridades chinesas.

Opacidade maciça e ocultação

Diante de “uma das crises de direitos humanos mais prementes do mundo”, Callamard insta a comunidade internacional, que ele acusa de “fazer pouco” pela população afetada, a implementar medidas para acabar com a “opacidade” da China na região de Xinjiang .

De acordo com o relatório, as pessoas que denunciam a situação são ameaçadas, presas e maltratadas, e centenas de milhares delas estão desaparecidas, embora a ONG indique que “é possível que muitos ainda estejam detidos nos campos”.

Callamard exorta a China a “desmantelar imediatamente” os campos de internamento e também exorta as Nações Unidas a abrir uma investigação independente para punir os responsáveis ​​pelos crimes relatados pelos sobreviventes.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas