Regime chinês ‘lidera o mundo na perseguição’ de grupos religiosos: afirma embaixador dos EUA

PCC é um regime ateu e é contra a fé desde a sua fundação

Por Cathy He e Jan Jekielek

O regime comunista chinês conseguiu “aperfeiçoar” sua máquina de repressão contra grupos religiosos ao longo dos anos e agora busca exportar seu modelo autoritário para todo o mundo, alertou o embaixador dos Estados Unidos para a liberdade religiosa internacional, Sam Brownback.

O regime se autodenomina um líder global, “mas lidera o mundo na perseguição; eles são os líderes globais na perseguição”, disse Brownback em uma entrevista recente ao programa “American Thought Leaders” do Epoch Times.

Brownback disse que as sucessivas campanhas do Partido Comunista Chinês (PCC) de perseguição aos praticantes do Falun Gong, budistas tibetanos, cristãos e, mais recentemente, muçulmanos uigures na região de Xinjiang permitiram que o regime ajustasse seus métodos e tecnologias usadas para controle e opressão.

“Estamos realmente vendo que o futuro da opressão é que [há] menos pessoas dentro dos campos de concentração e mais pessoas controladas em uma sociedade com sistemas de vigilância 24 horas que limita o que as pessoas podem fazer nessa sociedade.”

O embaixador disse que as recentes sanções do governo Trump contra autoridades chinesas e um grupo paramilitar de construção envolvido em abusos dos direitos humanos em Xinjiang mostram que os Estados Unidos estão determinados a enviar uma mensagem a Pequim. O Departamento de Comércio dos EUA também colocou na lista negra mais de 30 empresas chinesas e entidades governamentais por seu papel no apoio à repressão aos uigures na região.

Brownback expressou preocupação com o fato de o PCC estar buscando exportar seu modelo de repressão de alta tecnologia.

“Eles vão começar a comercializar e vender esses tipos de sistemas de controle autoritário para outros regimes autoritários ao redor do mundo que … procuram controlar sua população por meio do uso dessas tecnologias avançadas”, disse ele.

O PCC, um regime ateu, é contra a fé desde a sua fundação, disse o embaixador.

“[O regime] não tem espaço para acreditar em uma autoridade moral superior”, disse ele. “A maior autoridade moral é o Partido Comunista”.

Brownback disse que o regime pode parecer difamar e perseguir grupos minoritários, mas suas táticas não param por aí.

“Isso tem sido verdade ao longo da história. Se você não enfrentar o agressor, ele continuará atacando”, disse ele.

Por exemplo, por muitos anos o mundo fez vista grossa às alegações de que o PCC estava extraindo à força os órgãos de praticantes do Falun Dafa presos para o mercado de transplantes, disse Brownback. Mas “as evidências circunstanciais estavam lá”, disse ele, acrescentando que agora existem instituições verdadeiras que dizem que uma extração de órgãos autorizada pelo Estado está ocorrendo.

Em 2019, um tribunal popular independente, após uma investigação de um ano, concluiu que a extração forçada de órgãos havia sido realizada na China “em uma escala significativa” e que continua até hoje. Também se concluiu que a principal fonte de órgãos eram os praticantes do Falun Dafa presos.

“Pense nisso mentalmente, que você está capturando e perseguindo esses indivíduos. Você vai matá-los e depois extrair seus órgãos para vender. É horrível [o que] está acontecendo”, disse Brownback.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Siga Jan no Twitter: @JanJekielek

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas