Regime chinês intensifica supressão de igrejas na província de Henan

Cerca de 7.000 cruzes foram removidas das igrejas de Henan pelo PCC

Por Frank Fang, Epoch Times

Pequim intensificou a supressão de grupos religiosos, especialmente na província de Henan, no centro da China, onde as autoridades continuaram a derrubar cruzes cristãs.

O regime chinês removeu cerca de 7.000 cruzes de igrejas em Henan recentemente, de acordo com Jonathan Liu, um padre e fundador da Sociedade Cristã de Justiça de São Francisco, em uma entrevista em 10 de setembro à Radio Taiwan International (RTI). Liu disse que um pastor da Three-Self Church, localizada em Henan, contou a ele o número de cruzes enquanto os dois se comunicavam através do popular aplicativo de mensagens sociais WeChat.

A Three-Self Church, uma igreja protestante, é uma das várias congregações que receberam aprovação oficial das autoridades chinesas, pois a lei chinesa estipula que os crentes religiosos só podem adorar em igrejas sancionadas pelo governo. No entanto, milhões de chineses desafiaram essas restrições para freqüentar congregações nas chamadas igrejas clandestinas ou domésticas.

Liu acrescentou que a remoção da cruz em Henan tinha como alvo as igrejas domésticas e sancionadas pelo governo.

Quanto ao motivo pelo qual Henan está sendo alvo do regime chinês, Liu explicou que Henan é um lugar importante para o cristianismo chinês, já que é apelidado de Galiléia da China – uma referência ao local onde Jesus teria andado sobre a água. Em algumas aldeias de Henan, mais de 95% da população local é composta de cristãos, disse Liu.

“Embora as autoridades chinesas nunca tenham reconhecido publicamente isso, a razão por trás da supressão de Henan é que o Partido Comunista Chinês (PCC) quer garantir seu domínio na região”, disse Liu.

A remoção em massa das cruzes da igreja em Henan é semelhante ao que aconteceu na província de Zhejiang, no leste da China, em 2016, de acordo com Liu. Naquele ano, cruzes de mais de 1.700 igrejas foram derrubadas pelas autoridades chinesas.

Eles também atacaram Wenzhou, uma cidade em Zhejiang que é conhecida por um grande número de igrejas e cristãos praticantes, disse Liu. Essa foi uma das primeiras áreas da China visitadas por missionários estrangeiros durante o século XIX.

Em 10 de setembro, o regime chinês endureceu seus controles sobre grupos religiosos na China com novas diretrizes preliminares. De acordo com o jornal estatal chinês Global Times, as diretrizes exigem que todas as organizações envolvidas na disseminação de informações religiosas on-line necessitem solicitar licenças dos departamentos provinciais de assuntos religiosos.

As novas diretrizes também proíbem especificamente que os serviços religiosos on-line incitem à subversão. Esta é uma medida abrangente para praticamente qualquer coisa que o PCC desaprova, como opor-se à liderança do Partido.

A recente supressão dos cristãos não se limita a Henan. Em Pequim, a igreja de Zion, a maior igreja doméstica da capital, foi fechada pelas autoridades locais em 9 de setembro, depois de declarar ilegais as reuniões na igreja.

De acordo com um relatório de 8 de setembro da Association for the Defense of Human Rights and Religious Freedom, uma organização independente sem fins lucrativos, as restrições às igrejas também estão ocorrendo na província de Guangdong, no sul da China, e na província de Heilongjiang, no norte.

Liu disse à RTI que o cristianismo se tornou muito diferente sob o controle do PCC, porque o cerne da religião tornou-se a linha do partido. Os cristãos devem ser obedientes sob a liderança do regime, ele disse.

Por exemplo, durante os cultos os frequentadores da igreja são obrigados a cantar o hino nacional da China ou outras canções que louvam o Partido, e os pastores são obrigados a ler um conjunto de regulamentos do Partido sobre “assuntos religiosos” antes de dar sermões.

Em última análise, o regime chinês transforma os cristãos locais em “cristãos-de-rosa”, disse Liu. Rosa na China tem o significado subjacente de ser muito patriota com relação ao PCC, um jogo sobre o significado da cor vermelha na simbolização do comunismo. O termo “Little Pink”, ou “Xiaofenhong” em chinês, por exemplo, significa jovens chineses que são trolls nacionalistas na internet e defendem o Partido contra qualquer crítica.

 
Matérias Relacionadas