Regime chinês anuncia operações militares perto de Taiwan após comentários de Biden sobre defender a ilha

A declaração descreveu a medida como um "aviso solene" a Washington

Por Dorothy Li 

Os militares chineses anunciaram em 25 de maio que organizarão exercícios militares nos espaços marítimos e aéreos perto de Taiwan, em um movimento descrito como um “aviso” para Washington.

O coronel Shi Yi, porta-voz do Comando de Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular, disse que os militares do regime conduziram “patrulhas de prontidão de combate conjunto multi-serviços” e “exercícios de combate reais” perto de Taiwan, segundo um comunicado.

A declaração não especificou se tal exercício ocorreu ou estava por vir, mas descreveu a medida como um “aviso solene” a Washington sobre seu “conluio” com Taiwan.

O regime vê a ilha autogovernada como seu próprio território a ser tomado à força, se necessário.

O anúncio veio um dia depois que o regime chinês e a Rússia realizaram exercícios militares conjuntos sobre o Mar do Japão, o Mar do Leste da China e o Pacífico Ocidental. O exercício marcou os primeiros exercícios conjuntos dos dois países desde a guerra na Ucrânia, o que levantou preocupações de que o regime chinês possa usar a crise para acelerar seus projetos de tomar Taiwan.

Pequim intensificou seu assédio militar a Taipei nos últimos anos, enviando continuamente aviões de guerra para voar perto da ilha. Em 25 de maio, quatro aeronaves militares chinesas entraram na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan.

Durante sua primeira viagem à Ásia, o presidente Joe Biden disse que os Estados Unidos têm o “compromisso” de defender Taiwan no caso de uma invasão do regime chinês. Mais tarde, a Casa Branca recuou com os comentários controversos, dizendo que não indicava uma mudança na política dos EUA em relação a Taiwan.

Os Estados Unidos têm uma política de longa data em relação a Taiwan, conhecida como “ambiguidade estratégica”, o que significa que os governos dos EUA têm sido deliberadamente vagos sobre se defenderiam a ilha no caso de uma invasão chinesa.

Washington mantém relações robustas com Taiwan, e uma lei federal obriga o governo dos EUA a fornecer a Taipei os meios para se defender.

O ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, disse em 26 de maio que o Partido Comunista Chinês “quase nunca parou” seu assédio a Taiwan nos últimos anos, acrescentando que o ministério continuará monitorando seus exercícios.

Chiu enfatizou que Taiwan deve estar preparada para se defender e não pode depender inteiramente da ajuda de outros países. Em resposta à agitação do regime, a ilha aumentou os gastos militares para um nível recorde este ano e propôs estender o serviço militar obrigatório de quatro meses da ilha para um ano.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas