Regime chinês, antes de seu centenário, invade casas e detém praticantes do Falun Dafa

Por Nicole Hao

O regime comunista chinês prendeu e invadiu as casas de praticantes do Falun Dafa em todo o país, antes da celebração do centenário em 1º de julho.

O Partido Comunista Chinês (PCC) celebrará o 100º aniversário de sua fundação no mês que vem. Para “manter a estabilidade social”, que é uma frase usada pelo regime para justificar seu governo totalitário na China, o PCC anunciou em junho uma série de controles rígidos sobre o povo, especialmente em Pequim, a capital do país.

Os praticantes do Falun Dafa – uma prática espiritual tradicional chinesa da escola Buda também conhecida como Falun Gong , que ensina os valores da Verdade, Compaixão e Tolerância – estão entre os alvos que o regime quer controlar.

Desde 1º de junho, informações provenientes de praticantes indicam que a polícia local tem revistado suas casas. Suas propriedades privadas foram confiscadas e alguns policiais até detiveram familiares que não eram praticantes.

“Condenamos todas as formas de perseguição do PCC [aos praticantes do Falun Dafa]”, disse Erping Zhang, porta-voz do Centro de Informações do Falun Dafa em Nova York, ao Epoch Times em 17 de junho.

“A perseguição do PCC continua desde julho de 1999. Não há indicação, até agora, de qualquer mudança de política por parte do PCC, então continuamos a testemunhar a implacável campanha de perseguição contra os praticantes do Falun Gong na China”, disse Zhang. “Continuamos a convocar as pessoas de boa consciência ao redor do mundo para se manifestarem contra a violência do PCC ao Falun Gong”.

Praticantes da disciplina espiritual Falun Dafa realizam um desfile em Nova York para celebrar o Dia Mundial do Falun Dafa e para protestar contra a contínua perseguição ao grupo pelo Partido Comunista Chinês na China em 13 de maio de 2020 (Larry Dai / The Epoch Times)

Prisões em grande escala

Em 10 de junho, o Departamento de Polícia Municipal de Mudanjiang, na província de Heilongjiang, no nordeste da China, ordenou que a polícia de seis condados e quatro distritos da cidade prendesse os praticantes do Falun Dafa em suas casas.

O regime disse que as prisões faziam parte de uma campanha apelidada de “segurança de 1º de julho”.

Em um período de 36 horas, a polícia deteve 28 praticantes do Falun Gong na cidade, assediou outros seis e confiscou telefones celulares, computadores, impressoras, livros, dinheiro e até cartões bancários de suas casas, relatou o Minghui.org, um site dedicado a documentar a perseguição ao Falun Dafa na China.

Às 3 da manhã do dia 10 de junho, vários policiais invadiram a casa de Guo Libin, um praticante do Falun Dafa que mora em Hailin, uma cidade do condado em Mudanjiang. Eles detiveram Guo e sua esposa, pegaram o cartão do banco do filho e também invadiram a casa de sua irmã, confiscando um home theater, telefones celulares e livros.

Às 8h, os policiais do distrito de Aimin contrataram um chaveiro e invadiram a casa do praticante Chen Yanwei quando estavam com sua família dentro de casa. Chen e sua irmã Chen Yanfu foram presos no local.

Em alguns casos, a polícia chegou a usar spray de pimenta contra os praticantes, quando eles tentavam proteger seus pertences.

Praticantes da disciplina espiritual Falun Dafa realizam um desfile em Nova York para celebrar o Dia Mundial do Falun Dafa e protestar contra a contínua perseguição ao grupo pelo Partido Comunista Chinês na China em 13 de maio de 2020. (Larry Dai / The Epoch Times)

Na cidade de Dalian, província de Liaoning no nordeste da China, 29 praticantes do Falun Dafa e pelo menos seis de seus familiares não praticantes também foram presos em suas casas entre 1 e 3 de junho, como parte da campanha do regime. Por sua vez, a polícia na província de Shandong, no leste da China, realizou suas próprias batidas nas casas dos praticantes do Falun Dafa como parte da campanha.

O Minghui.org também relatou que prisões semelhantes ocorreram nas cidades de Pequim e Tianjin, e em Sichuan, Guangdong, Gansu, Hebei, Yunnan e uma dúzia de outras províncias.

Medo de perder poder

O regime chinês lançou  sua perseguição implacável para erradicar o Falun Dafa em julho de 1999, e estima-se que nos últimos 22 anos milhões de praticantes foram detidos, torturados e até mortos.

A nova campanha relacionada ao centenário tem mais motivos, além da contínua perseguição.

Uma pintura que representa o método de tortura de “pendurar tijolos no pescoço”. Este é um dos métodos de tortura mais comuns usados ​​para tentar quebrar o espírito de determinados praticantes do Falun Dafa e coagi-los a renunciar à sua fé (FalunArt.org)

“O regime do PCC prendeu praticantes do Falun Dafa, peticionários, ativistas da democracia e até mesmo ultra-esquerdistas em quem eles não confiam, antes do centenário”, disse Tang Jingyuan, um comentarista Chinês baseado nos Estados Unidos, ao Epoch Times  em 17 de junho “É porque o líder chinês Xi Jinping e as autoridades de Pequim temem perder o poder.”

Tang observou que o regime quer consolidar sua ditadura e Xi deseja ansiosamente manter sua posição totalitária.

“Nas últimas décadas, os praticantes do Falun Dafa revelaram as perseguições que sofreram na China e expuseram os crimes cometidos pelo PCC em face dos apelos para acabar com a perseguição, dentro e fora da China. Isso assusta o PCC ”, disse Tang.

“O PCC quer silenciar os adeptos do Falun Dafa intensificando a perseguição e detendo o maior número possível de praticantes. Mas a história disse ao PCC que as pessoas que têm crenças, como os praticantes do Falun Dafa, não têm medo do mal. Eles farão o que acharem bom para os outros e para a sociedade ”.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas