Redes de fornecimento em todo o mundo mudam para modelo ‘caso se’

Redes globais de fornecimento estão mudando seus modelos de estoque, trocando de modelos “sob demanda” para modelos “caso se”

Por Naveen Athrappully

As redes globais de fornecimento estão mudando seus modelos de estoque, trocando de modelos “sob demanda” (JIT) para modelos “caso se” (JIC) em meio a interrupções e incertezas no fornecimento, segundo a SAP UK.

Quase todas as organizações no Reino Unido admitem que sua rede de fornecimentos precisa de melhorias, com mais da metade admitindo a necessidade de uma melhoria significativa, diz a SAP em uma divulgação de imprensa.

Desde a pandemia da COVID-19, 66% das empresas do Reino Unido sofreram atrasos na produção e entrega de bens e serviços. Enquanto 64% sofreram perda de receita, 58% testemunharam uma perda de clientes. Nessas circunstâncias, 84% das empresas estão planejando passar de um modelo JIT para uma rede de fornecimentos JIC.

No modelo JIT, as empresas só recebem estoques quando são necessários para a produção. Em contraste, a JIC acumula estoques muito antes do tempo.

Embora os modelos JIT reduzam ao máximo o desperdício na fabricação, o objetivo do JIC é garantir que haja chances mínimas de estoques baixos para evitar atrasos nos cronogramas de produção. Quase um quarto das empresas espera que os problemas nas redes de fornecimento durem até o verão de 2023, segundo a SAP.

Falando ao Supply Chain Digital, um portal dedicado à indústria de redes de fornecimento, o diretor administrativo da SAP UK & Ireland, Michiel Verhoeven, destacou que, nas últimas décadas, o gerenciamento das redes de fornecimento se concentrou no custo, priorizando manter os estoques enxutos e rápidos. Isso é diferente de “ser ágil e resiliente”, afirmou.

“Com o fim dos modelos JIT, as empresas precisam começar a colocar as mesmas expectativas em sua rede de fornecimento e em seus negócios mais amplos, estruturando-se para serem JIC, para que, quando ocorrer um desastre, possam se adaptar. Aqueles que não fizerem essa mudança terão 18 meses muito difíceis”, disse Verhoeven.

Nos Estados Unidos, a Casa Branca anunciou recentemente a nomeação do general aposentado Stephen R. Lyons como o novo enviado portuário e da rede de fornecimento para a Força-Tarefa de Interrupções nas Redes de Fornecimento da Administração Biden-Harris. A força-tarefa foi criada em junho do ano passado para resolver os desequilíbrios de oferta e demanda.

“As redes globais de fornecimento permanecerão frágeis enquanto a pandemia continuar atrapalhando portos e fábricas em todo o mundo, e ainda há muito trabalho para reduzir atrasos e custos de envio para famílias americanas”, disse o secretário de Transportes Pete Buttigieg em um comunicado à imprensa pelo Departamento de Transportes dos Estados Unidos.

Segundo Brandon Daniels, chefe-executivo da Exiger, que desenvolveu um software para analisar e remodelar as redes de fornecimento, a exclusão da Rússia das redes globais de fornecimento complicou os problemas existentes. Os sistemas de entrega JIT podem estar chegando ao fim, disse ele ao The Guardian.

“A diversificação de nossas redes de fornecimento é fundamental para nossa prosperidade econômica e segurança nacional”, disse Daniels. “Acho que você verá revisões substanciais nos modelos de entrega sob demanda, levando a um melhor gerenciamento de armazém e estoques mais longos que mitigam o risco de escassez de material”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas