Realismo: incomparável expressão de linguagem universal

Arte moderna e abstrata não é uma linguagem. É o oposto da linguagem, pois ela representa a ausência de linguagem. E a ausência de linguagem, significa a perda da comunicação. Ela tira da humanidade talvez a nossa mais importante característica – o que nos torna humanos, a capacidade da comunicação em grande profundidade, detalhes e sofisticação

E, no caso das artes plásticas, o modernismo baniu a única linguagem universal que existe – realismo, com as técnicas e habilidades necessárias para alcançá-lo. É o conhecimento que tinha crescido e se desenvolvido e foi cuidadosamente documentado e preservado, já que foi transmitido de mestres para alunos durante séculos.

Leia também:
Realismo: a ilustração e sua conotação depreciativa
Realismo: a influência do clássico na cultura humana
Realismo: Revivendo um conhecimento perdido

Se a verdade for conhecida, a arte abstrata realmente não é nem mesmo abstrata. O processo do uso da palavra “abstração”, que é creditada à arte moderna é uma apropriação indevida da palavra “abstrato”, que significa quase o oposto. É na verdade, a linguagem que usa um processo de abstração para criar símbolos que significam outra coisa.

Somente os seres humanos podem usar ideias abstratas, e nenhum deles se parece com Jackson Pollock ou Willem de Kooning. Deixe-me explicar isto assim: A palavra “papel” significa o que eu estou segurando em minhas mãos. A palavra escrita “p-a-p-e-l” é mais uma abstração da palavra falada “papel”.

Se eu fizer uma pintura em que é mostrado um homem lendo a partir de um pedaço de papel, eu usei o vocabulário do realismo tradicional e criou um tipo diferente de abstração que é imediatamente reconhecido por uma pessoa que fala inglês como “paper”, uma pessoa francesa como “papier”, por um húngaro como “papir”, ou um letão como “papira”.

Mas os educadores modernistas ensinam aos alunos que realismo não é nada mais do que contar histórias, o que eles ridicularizam. Seria equivalente a rejeitar qualquer coisa escrita se contou uma história, ou descreveu um sentimento, uma ideia, crença ou pensamento, ou mesmo se as palavras não significavam nada.

A arte moderna nos ensinou que é uma mentira criar uma ilusão de três dimensões em uma obra de arte. A pintura é realmente uma superfície plana, e a Cézanne é dada essa verdade, aproximando-nos da verdade pelo colapso da paisagem. Nossas casas e famílias sofreram um colapso com Matisse, e Pollock e De Kooning. Colocaram-nas todas em um liquidificador e arremessou, gotejou ou lançou na pintura uma cacofonia de formas e cores desorganizadas.

Isto, foi-nos dito, demonstrou uma incrível verdade – que a tela é plana. Bem, temos notícias para eles – qualquer criança de 3 anos de idade que é levada a um museu sabe que as telas são planas.

E então esses artistas, tendo provado que a tela é plana, começaram a passar o resto de suas carreiras sempre provando isso. Mas, o que há de extraordinário em dizer, mostrar, ou saber disso?

Demonstrando esse fato óbvio, o efeito é melhor do que somente falando sobre ele. Mas não há nada mais brilhante do que dizer que o céu é azul, que aquele fogo é quente, ou que aquela água é molhada. O equivalente a esse absurdo nas linguagens escritas seria dizer que todas as escritas são mentirosas, porque tudo o que está realmente lá na página são formas diferentes de linhas retas, curvas ou onduladas.

No final das contas, para os realistas, isso está mais perto da verdade do que colocar significado naquelas linhas, do que usá-las para fazerem palavras, e as palavras para formarem ideias – isso seria uma mentira também. Portanto, para fechar o círculo à analogia, o melhor livro seria aquele que demonstra essa “verdade” com página após página de formas sem sentido e rabiscos, mostrando-nos, assim, profunda definição de verdade do modernista.

Quantos livros e poemas seriam comprados e lidos nos quais em que tudo o que estavam lá eram formas sem sentido em cada página?

O que, então, é arte e literatura de qualidade, boa música, poesia, ou teatro? Em todos os casos, os seres humanos usam materiais fornecidos pela natureza (o barro, as cores, os movimentos e os sons da vida), para criativamente combiná-los ou moldá-los em outra coisa que seja capaz de comunicação e significado.

Esta é a Parte 2 de uma série de 11 partes do discurso proferido por Frederick Ross, no dia 07 de fevereiro de 2014, apresentado no Artists Keynote Address to the Connecticut Society of Portrait Artists. Frederick Ross é presidente e fundador do Art Renewal Center (www.artrenewal.org)

Leia também as outras partes do discurso. Clique aqui!

 
Matérias Relacionadas