Razões inesperadas pelas quais as gerações mais jovens estão ganhando peso

Embora os suspeitos de sempre, dieta e exercício, sejam fatores chave, a obesidade também está ligada a produtos químicos tóxicos e medicamentos prescritos

Por Martha Rosenberg

Enquanto a obesidade cresce ao redor do mundo, ela é especialmente evidente na geração mais jovem, os quais costumavam ser mais magros do que seus anciões. De acordo com um estudo publicado no Journal of the American Medical Association, quase 1 em cada 3 americanos em idade universitária agora é obeso.

As crianças também estão se tornando obesas, e a pandemia da COVID-19 piorou as coisas. O BMJ informou: “Entre um coorte de 432.302 pessoas com idades entre 2 e 19 anos, a taxa de aumento do índice de massa corporal (IMC) praticamente dobrou durante a pandemia em comparação com o período anterior. Os maiores aumentos foram observados em crianças de 6 a 11 anos e naquelas que já estavam acima do peso antes da pandemia”.

De acordo com a Kaiser Permanente, prestadora de serviços de saúde que atende 12,5 milhões de membros, crianças entre 5 e 11 anos ganharam dois quilos e meio a mais durante a pandemia da COVID-19 do que durante o mesmo período antes da COVID-19.

Enquanto os movimentos de “aceitação da gordura” rejeitam a vergonha de corpos que não se conformam aos ideais, a questão não é apenas estética e de aceitação, mas saúde. Muitas doenças estão associadas à obesidade, incluindo cânceres como colorretal, corpo uterino, vesícula biliar, rim, pâncreas e mieloma múltiplo. Os cânceres são cada vez mais vistos em pessoas mais jovens, de acordo com a American Cancer Society e pesquisas publicadas no Lancet em 2019.

O conceito de “em forma, mas gordo” pode aumentar o moral, mas é tão cientificamente válido quanto “em forma, mas fumante”. Por exemplo, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Glasgow descobriu que pessoas obesas que eram consideradas “metabolicamente saudáveis” ainda tinham um risco 76% maior de insuficiência cardíaca e um risco 18% maior de acidente vascular cerebral do que pessoas metabolicamente saudáveis ​​​​de peso normal e eram 4,3 vezes mais propensos a terem diabetes do tipo 2. Eles também estavam em maior risco de doenças respiratórias e mortalidade por todas as causas, afirmou o Dr. Frederick Ho, um dos autores do estudo.

Mesmo que os obesos, mas metabolicamente saudáveis, fossem mais jovens, se exercitassem mais e comessem melhor do que os metabolicamente insalubres no estudo, ainda possuíam um maior risco de doenças relacionadas à obesidade em comparação com o de pessoas com peso normal, afirmaram os pesquisadores.

Aqui estão algumas razões pelas quais as gerações mais jovens estão ganhando peso. Enquanto alguns são esperados e óbvios, outros são praticamente ignorados.

Alimentos processados ​​e falta de exercício

Mesmo antes da pandemia, o estilo de vida interno e baseado em telas de tantos jovens foi apontado como um importante fator de obesidade. O tempo de tela, sejam aplicativos de mídia social ou videogames, geralmente significa menos tempo de exercícios e ao ar livre. Mas isso é apenas metade do problema, afirmam os pesquisadores.

“As evidências atuais sugerem que a exposição à mídia na tela leva à obesidade em crianças e adolescentes por meio do aumento da ingestão de alimentos enquanto assistem”, de acordo com um estudo publicado na Pediatrics em 2017.

Além disso, os comerciais de alimentos e bebidas com alto teor calórico e baixo teor de nutrientes aumentam a “alimentação automática” dos jovens e até alteram “as percepções reais do paladar das crianças pequenas”, escreveram os pesquisadores.

Alimentos ultraprocessados ​​são especialmente arriscados para aqueles que são geneticamente predispostos a armazená-los como gordura, afirma a Dra. Caroline Apovian, co-diretora do Centro de Controle de Peso e Bem-Estar do Brigham and Women’s Hospital, em Boston. Alguém “predisposto a ser magro pode queimar esses mesmos alimentos” em oposição àqueles que os armazenam, declarou ela. Acredita-se que esses “genes econômicos”, como às vezes são chamados, tenham se desenvolvido em humanos para sobreviver a períodos de fome, armazenando o excesso de energia como gordura, afirmaram os pesquisadores que escrevem no Frontiers in Nutrition.

Exposição a produtos químicos e toxinas

Mas não é apenas a nossa alimentação que é problemática. Em um artigo intitulado “Endocrine Disruptors and the Obesity Epidemic”, publicado na revista Toxicological Sciences, Jerrold J. Heindel escreve que “o nível de substâncias químicas no ambiente supostamente coincide com a incidência de obesidade”.

Desreguladores endócrinos são substâncias químicas no ambiente que podem agir como hormônios e interromper as vias de sinalização endócrina. Eles são encontrados na maioria dos produtos plásticos, mesmo aqueles marcados como “BPA free”. Esses produtos químicos incluem bifenilos policlorados, éteres difenílicos polibromados, ftalatos e retardadores de chama bromados – compostos frequentemente utilizados ​​na indústria e encontrados em pesticidas, bem como bens de consumo, produtos domésticos e materiais de construção.

Embora a exposição a desreguladores endócrinos nunca seja desejável, os cientistas estão cada vez mais analisando a exposição “durante os estágios críticos do desenvolvimento” em crianças como um fator de obesidade posterior, de acordo com um estudo do International Journal of Andrology. As mulheres grávidas que apresentavam altos níveis de ácido perfluorooctanóico, outra classe de desreguladores endócrinos, tinham três vezes mais chances de ter filhas que cresceram com excesso de peso, de acordo com pesquisas que datam de 2012.

Infelizmente, os mesmos efeitos da obesidade em jovens também podem resultar da exposição precoce a antibióticos, de acordo com alguns estudos científicos. Tanto a exposição pré-natal quanto a pós-natal a antibióticos podem resultar em obesidade na prole, sugeriu uma pesquisa publicada no Journal of Epidemiology, em 2018. As ligações da obesidade não são surpreendentes quando você considera o uso comum de antibióticos para produzir peso extra em gado. Os antibióticos são absorvidos nas lavouras a partir de resíduos de fertilizantes de esterco encontrados no solo.

Exposição a medicamentos prescritos

Não é nenhum segredo que muitas crianças, adolescentes e adultos jovens receberam medicamentos psiquiátricos e coquetéis de drogas prescritos para as muitas doenças mentais que os afligem hoje.

“O consumo de drogas psiquiátricas por crianças (e adultos) é muito maior nos EUA do que em outros lugares, em parte por causa da publicidade direta ao consumidor das empresas farmacêuticas, que é ilegal em quase todos os outros lugares”, escreveu John Read, professor de psicologia clínica da Universidade de East London, no Psychology Today.

“Algumas (0,2%) crianças muito pequenas (2 a 7 anos) estão sendo forçadas a tomar drogas antipsicóticas poderosas nos EUA, principalmente para o diagnóstico particularmente vago de ‘transtorno global do desenvolvimento’ e principalmente em conjunto com uma ou mais drogas para transtornos psiquiátricos.”

Autores de pesquisas recentes no Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, que estudaram 301.311 prescrições de antipsicóticos utilizados por crianças americanas de 2 a 7 anos, escreveram: “Em jovens, a medicação antipsicótica tem sido associada ao risco de ganho de peso, sedação, diabetes, hiperlipidemia, efeitos cardiovasculares, efeitos colaterais extrapiramidais e morte inesperada. Essas preocupações são especialmente salientes em crianças muito pequenas, nas quais os antipsicóticos têm efeitos adversos de desenvolvimento e outros efeitos adversos de longo prazo desconhecidos”.

Claramente, os pais podem fazer muito para combater a obesidade em seus filhos e adolescentes. O tempo de tela e os alimentos processados ​​podem ser limitados, especialmente à medida que a pandemia da COVID-19 diminui e as atividades ao ar livre são retomadas. Os pais podem proteger as crianças – e a si mesmos – de desreguladores endócrinos em embalagens de alimentos, produtos de consumo, domésticos e do uso excessivo de antibióticos. Finalmente, eles podem explorar tratamentos naturais para problemas de comportamento antes de permitir o uso de drogas psiquiátricas ligadas à obesidade.

É verdade que muitas pessoas lutam contra o ganho de peso e a obesidade à medida que envelhecem, mas os jovens devem estar livres desse risco de saúde evitável, o qual é uma barreira para aproveitar a vida.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas