Raro filhote de tartaruga de duas cabeças encontrado e liberado em praia da Carolina do Sul

Por Louise Bevan

Patrulheiros de tartarugas marinhas fizeram uma descoberta incrível durante um recente inventário de ninhos de tartarugas em uma praia da Carolina do Sul. Entre três filhotes vivos, eles encontraram um que se destacou por sua característica única: tinha duas cabeças.

A tartaruga foi saudada como um “achado muito raro” pelo inventário do Edisto Beach State Park liderado por voluntários em 21 de julho.

Os Parques Estaduais da Carolina do Sul (SCSP) compartilharam fotos no Facebook, escrevendo: “Durante a realização de um inventário … patrulheiros e voluntários encontraram três filhotes de tartaruga marinha cabeçuda ainda na câmara, mas um filhote em particular se destacou porque tinha duas cabeças!”

Epoch Times Photo
Tartaruga de duas cabeças encontrada nos parques estaduais da Carolina do Sul. (Cortesia dos Parques Estaduais da Carolina do Sul)

Essa característica rara, eles afirmam, é o resultado de uma mutação genética. Enquanto outros filhotes de duas cabeças foram encontrados na Carolina do Sul nos últimos anos, o bebê descoberto recentemente foi o primeiro para a equipe de patrulha do Parque Estadual de Edisto Beach.

No entanto, o filhote não sofreu interferência. Depois de tirar fotos, os patrulheiros soltaram suavemente a tartaruga marinha de duas cabeças, ao lado de suas duas companheiras, no oceano.

“Todos os filhotes devem ser soltos conforme exigido pelas licenças estaduais e federais, independentemente de deformidades ou ferimentos”, explicou a especialista em tartarugas marinhas Leah Schwartzentruber em uma mensagem retransmitida ao Epoch Times. “Deixamos a natureza seguir seu curso como deveria e limitamos fortemente nossa interferência com eles”, disse ela.

Epoch Times Photo
(Cortesia dos Parques Estaduais da Carolina do Sul)

Os inventários de ninhos de tartarugas fornecem aos biólogos uma visão crucial de como a população de tartarugas marinhas está se saindo.

De acordo com o SCSP, a equipe de patrulha em Edisto Beach cava na areia três a cinco dias depois que um ninho de tartarugas marinhas mostra sinais de uma “grande emergência”. Na esperança de determinar o sucesso do ninho, a equipe conta os ovos chocados e não chocados e, ocasionalmente, ajuda a soltar filhotes vivos presos sob a superfície da areia.

Voluntários isolam áreas de nidificação e colocam placas para impedir que os banhistas pisem ou desorientem os filhotes, relatou a Fox News. Eles também coletam lixo e preenchem buracos na areia que podem ser perigosos para a incubação de tartarugas.

Epoch Times Photo
(Cortesia dos Parques Estaduais da Carolina do Sul)

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas