Rafael Correa é investigado por alocar US$ 247 milhões para o Podemos e para a esquerda espanhola

Por Anastasia Gubin

O governo do Equador “abordou frontalmente uma investigação” sobre um suposto financiamento milionário para os fundadores do Podemos, um partido que hoje governa por coalizão na Espanha, por parte de Nicolás Maduro através do ex-presidente Rafael Correa.

Correa teria entregue cerca de 54 milhões de dólares no chamado Programa Prometeo, um plano internacional de atração de talentos promovido pelo ex-presidente, contudo o programa incluía em seus planos a entrega de 247 milhões de dólares, informou o OK Diario.

Durante uma investigação sobre Nicolás Maduro para o caso Odebrecht, foram revelados documentos relacionados a Pablo Iglesias e Juan Carlos Monedero, para campanhas e criação de partidos políticos, informou a mídia equatoriana Primicias quando falou em fevereiro com o magistrado Miguel Ángel Martín, presidente do Supremo Tribunal de Justiça no exílio da Venezuela.

Pablo Iglesias (esquerda) abraça Juan Carlos Monedero (direita) durante o comício final antes das eleições gerais de 24 de junho de 2016 em Madri, Espanha (Pablo Blazquez Dominguez / Getty Images)

Os acadêmicos espanhóis ligados ao Podemos chegaram ao Equador em 2014 como parte do programa Prometeo. A iniciativa, segundo Primicias, buscou atrair professores experientes para o país para aumentar a pesquisa acadêmica. “Essas promessas fundaram o Centro Estratégico Latino-Americano de Geolpolítica (Celag), uma empresa com fachada de fundação que opera em Quito, administrada pelo espanhol Alfredo Mancilla e integrada por, entre outros, Monedero e Correa”, afirma o relatório da OK Diario .

A Celag já havia sido indicada anteriormente no financiamento do Podemos, destaca o relatório. Além disso, a sede equatoriana da Neurona Consulting, consultora investigada na Bolívia por contratos irregulares no governo do ex-presidente Evo Morales, opera em seu discurso em Quito.

Estudos iniciais indicam que os envolvidos justificaram o destino dos 54 milhões de dólares sob um esquema do sistema educacional criado em 2011. O desenho do programa envolveu um total de 848 pessoas seis anos depois, segundo dados oficiais apresentado na época pelo Ministério do Ensino Superior (Senescyt) e uma publicação da Firstfruits, acrescentou o relatório.

Ele também destacou que o Supremo Tribunal da Venezuela no exílio, sob este esquema acadêmico, encontrou uma rede de contato com os partidos de extrema esquerda, incluindo o Podemos. Um dos visitantes daqueles dias, foi o próprio Pablo Iglesias, segundo esta pesquisa.

Ángel Martín declarou em fevereiro ao PanamPost a possibilidade de que parte do lucro fosse direcionado para a criação de organizações políticas na Europa e para o pagamento de campanhas eleitorais em vários países da América, decorrentes de contratações que envolviam Iglesias e Monedero.

Em 11 de fevereiro de 2020, o gabinete Congresso Espanhol não admitiu as perguntas apresentadas pelo presidente do partido Vox espanhol, Santiago Abascal ao governo de Pedro Sánchez, sobre as supostas contribuições ao Podemos pelo Programa Prometeo, do ex-presidente Rafael Correa, informou Primícias ao relatar as declarações do porta-voz da Vox, Iván Espinosa de los Monteros.

“Essas são perguntas que o Podemos aparentemente não deseja que se faça ao vice-presidente (Iglesias) do Congresso “, disse Espinosa.

 
Matérias Relacionadas