Racismo contra negros na China em meio à pandemia gera crise diplomática

"O abuso e maus-tratos de africanos que vivem e trabalham na China são um triste lembrete de como a parceria entre a República Popular da China e a África realmente é"

Por Eva Fu

O abuso e o racismo contra os africanos no sul da China, em meio à pandemia, provocaram reação em seus países de origem, levando a tensões diplomáticas.

Tendo alegado sucesso em suprimir o patógeno, a China anunciou no mês passado poucas infecções locais, destacando casos importados, embora estudos de pesquisa, contas de locais e documentos internos tenham desafiado a autenticidade dos dados oficiais.

Guangzhou, um centro industrial na província de Guangdong, no sul, e lar de uma das maiores populações africanas da Ásia, está no limite depois que várias infecções foram relatadas entre os migrantes africanos.

Os africanos logo se viram alvos de discriminação relacionada ao vírus.

Vídeos postados nas mídias sociais mostram que os africanos são expulsos de seus hotéis depois que os proprietários temem que possam disseminar o vírus, são rejeitados em restaurantes e lojas e estão sujeitos a apreensões de passaportes e quarentenas obrigatórias. Alguns tiveram que dormir nas ruas.

Em um vídeo, um grupo de cidadãos africanos foi visto levando sua bagagem nas ruas depois de terem sido expulsos de suas residências.

Outro, com a legenda: “este é o tratamento que os negros na China recebem agora”, capturou dois homens de terno impedindo uma jovem negra de entrar em um shopping center. “Somente nós?” A mulher perguntou antes de pedir a um cliente caucasiano para tentar. Gesticulando com as mãos, um dos homens sinalizou que o último poderia entrar enquanto a negra não era bem-vinda.

Uma rede do McDonald’s em Guangzhou recentemente exibiu um aviso informando que “pessoas negras não poderiam entrar no restaurante”. Mais tarde, a filial chinesa da gigante do fast food pediu desculpas em sua conta oficial de mídia social Weibo e disse que suspendeu o funcionamento da loja em 12 de abril para um treinamento de meio dia.

Em uma comunidade residencial na província de Guangdong, um aviso datado de 5 de abril instruiu os proprietários a contatar os inquilinos negros e pedir que eles fossem embora, dizendo que a comunidade não permitirá mais a entrada de estrangeiros, “especialmente negros”.

Embora a xenofobia causada por vírus tenha aumentado em todo o mundo, os casos geralmente são isolados, enquanto na China o mesmo tipo de racismo está ocorrendo no nível governamental, de acordo com Anders Corr, analista de políticas e editor do “Revista de Risco Político”.

“Esta é a versão chinesa da realidade: eles alegaram que não tinham mais casos, que haviam derrotado a doença, a pandemia, em seu próprio país. E assim, logicamente, quaisquer novos casos na China devem vir de ‘fora’, disse Corr.

Nesta foto tirada em 1 de março de 2018, as pessoas se reúnem em uma rua no distrito "Little Africa" ​​em Guangzhou, capital da província de Guangdong, no sul da China (Fred Dufour / AFP via Getty Images)
Nesta foto tirada em 1 de março de 2018, as pessoas se reúnem em uma rua no distrito “Little Africa” ​​em Guangzhou, capital da província de Guangdong, no sul da China (Fred Dufour / AFP via Getty Images)

Estigmatizados

Cerca de 86.475 estrangeiros moravam em Guangzhou no ano passado, dos quais 13.652 eram de ascendência africana, disse o prefeito da cidade em 12 de abril.

O regime barrou a entrada da maioria dos estrangeiros desde o final de março.

As tensões aumentaram em Guangzhou depois que um conjunto de 16 casos eclodiu entre os residentes africanos, no distrito conhecido como Little Africa, em 7 de abril. As autoridades então exigiram que os africanos passassem por testes seguidos de quarentena às suas próprias custas, independentemente de terem ou não o vírus. .

Mais de 4.550 africanos em Guangzhou foram submetidos a testes em massa desde o início de abril e pelo menos 111 foram positivos, de acordo com o prefeito.

Corr disse que o racismo das autoridades chinesas demonstra que a China não é um lugar seguro para fazer negócios.

“O que a China está fazendo é realmente se atirar no próprio pé porque as pessoas estão olhando para isso e percebendo que a China não é realmente um lugar seguro para ir, não é um lugar seguro para fazer negócios … se você se parece com algo que não seja um chinês Han [a maioria étnica]”, disse Corr.

Zhou, um morador de Guangzhou, disse ao Epoch Times que um casal africano que administra um restaurante a menos de 1,6 km de sua vila estava infectado pelo vírus.

“Agora os africanos podem ser presos pela polícia sempre que aparecerem nas ruas”, disse ele em entrevista.

Asita Awovie, nigeriana que estuda engenharia civil na Universidade de Chang’an, na província de Shaanxi, na China, planeja voltar para casa depois de menos de um ano no país.

“Meus pais estão preocupados porque acham que não é mais seguro morar aqui”, disse ela ao Epoch Times. “A situação na minha região é justa e a universidade tentou nos manter seguros, mas quanto a mim, não confio na China novamente”.

Um segurança chinês na entrada do distrito “Little Africa” em Guangzhou, capital da província de Guangdong, China, em 1º de março de 2018 (FRED DUFOUR / AFP via Getty Images)
Um segurança chinês na entrada do distrito “Little Africa” em Guangzhou, capital da província de Guangdong, China, em 1º de março de 2018 (FRED DUFOUR / AFP via Getty Images)

Laços bilaterais “ocos”

O regime chinês é um dos maiores credores da África, tendo emprestado às nações africanas em torno de US$ 143 bilhões entre 2000 e 2017, segundo uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins. Em 2018, cerca de um quinto da dívida externa do continente era devido à China, de acordo com o grupo de advocacia Jubilee Debt Campaign, do Reino Unido (pdf).

No entanto, o relacionamento de décadas com os países africanos agora enfrenta desafios após os incidentes racistas em Guangzhou.

Anozie Maduabuchi Cyril, cônsul-geral do consulado nigeriano em Guangzhou, criticou as autoridades chinesas pelo tratamento injusto, observando que o governo nigeriano não destacou os chineses ao lidar com o surto na Nigéria.

“Se você apreende um passaporte nigeriano, é como se estivesse apreendendo a Nigéria como um todo”, disse ele em um vídeo que se tornou viral.

Os embaixadores africanos em Pequim escreveram na semana passada uma carta ao ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, exigindo o fim imediato de “testes vigorosos, quarentena e outros tratamentos desumanos distribuídos aos africanos”.

O presidente da Câmara da Nigéria, Femi Gbajabiamila, também convocou o embaixador chinês em 10 de abril para uma reunião. Ele mostrou um videoclipe de suposto abuso na China e pressionou a autoridade chinesa por uma explicação.

“É quase não diplomático o jeito que estou falando, mas é porque estou chateado com o que está acontecendo”, disse ele.

A Embaixada de Serra Leoa na China, em um comunicado de 10 de abril, disse que representantes de embaixadores africanos se reuniram com funcionários do Ministério das Relações Exteriores da China para protestar contra as “experiências perturbadoras e humilhantes” dos cidadãos e lembraram o lado chinês de apoio africano.

Diante da pressão internacional, o governo chinês sustentou que tem “tolerância zero à discriminação”. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, durante uma coletiva de imprensa em 12 de abril, disse que “China e África são bons amigos, parceiros e irmãos”.

O consulado dos EUA emitiu um alerta em 13 de abril aconselhando os afro-americanos a “evitar a área metropolitana de Guangzhou até novo aviso”, devido à suspeita das autoridades de que possam ter contato com cidadãos africanos.

“O abuso e maus-tratos de africanos que vivem e trabalham na China são um triste lembrete de como a parceria entre a República Popular da China e a África é realmente”, disse um porta-voz do Departamento de Estado em 11 de abril.

“No momento em que deveríamos estar nos apoiando para nos recuperarmos de uma pandemia, os funcionários da RPC se esconderam do mundo de forma imprudente, as autoridades chinesas estão ocupadas despejando estudantes africanos nas ruas sem comida ou abrigo”, acrescentou.

Toluwani Eniola contribuiu para esta reportagem.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas