Publicado em - Atualizado em 05/09/2017 às 22:23

O que é Falun Dafa e por que se espalhou pelo mundo

Número de pessoas que o praticam cresce em todo o mundo, exceto na China, onde a proibição e a perseguição perduram

Pessoas praticando a meditação do Falun Dafa (Epoch Times)

Pessoas praticando a meditação do Falun Dafa (Epoch Times)

Um dos segredos mais bem guardados da China na década de 1990 foi o Falun Dafa. Seja que o chamem de prática de meditação, disciplina espiritual ou um tipo de qigong, cerca de 100 milhões de pessoas na China o praticavam até meados de 1999.

No entanto, apesar de 1 em cada 13 chineses praticarem essa disciplina da Escola Buda, ela era quase desconhecida fora da China, até que o Partido Comunista Chinês (PCCh) a proibiu em julho de 1999 e iniciou uma campanha de perseguição que continua até os dias de hoje.

Um elemento-chave da campanha de perseguição do PCCh foi espalhar propaganda falsa por meio de canais de rádio, jornais e meios diplomáticos. Particularmente, a imprensa estrangeira foi um dos grandes alvos para quem o regime comunista visava difamar Falun Dafa (também conhecido como Falun Gong), uma vez que, fora da China, não havia outra fonte de informação. Portanto, a primeira e muitas vezes a única referência a esta disciplina antiga, para algumas pessoas fora da China, era uma imagem intencionalmente distorcida divulgada pelos agentes e meios de comunicação controlados pelo PCCh.

Em outras palavras, muitas das coisas que circulam – mesmo hoje – na internet sobre Falun Dafa podem ser incorretas.

Mente e corpo

Jovem realizando a meditação de Falun Dafa (Epoch Times)

Jovem realizando a meditação de Falun Dafa (Epoch Times)

Falun Dafa refina o corpo e cultiva a mente, o que dificulta para a terminologia ocidental classificá-lo claramente. É uma prática espiritual? Ou são exercícios físicos? A resposta a ambas as perguntas é “sim”, uma vez que ambas são parte integrante do Falun Dafa.

Existem cinco exercícios. Quatro se fazem de pé e o outro é uma meditação com as pernas cruzadas. Suaves e lentos, eles têm nomes como “Penetrando os dois extremos cósmicos” (terceiro exercício) e “Circulação Celestial Falun” (quarto exercício). Muitas pessoas que o praticam dizem que se sentem renovadas ou energizadas depois de fazê-los.

Pessoas na Argentina praticam o terceiro exercício do Falun Dafa (Facebook Falun Dafa en Latinoamérica)

Pessoas na Argentina praticam o terceiro exercício do Falun Dafa (Facebook Falun Dafa en Latinoamérica)

O ponto-chave dos ensinamentos é que Falun Dafa considera como princípios fundamentais do universo “Zhen-Shan-Ren”. “Zhen” se traduz como verdade e verdadeiro. “Shan” é bondade, compaixão e benevolência. “Ren” é tolerância, paciência e resistência. Os ensinamentos explicam esses pontos em grande profundidade.

Desenvolvimento inicial

Durante milhares de anos na China, as práticas espirituais foram transmitidas secretamente de mestre para discípulo.

O Mestre de Falun Dafa, Li Hongzhi, aprendeu a prática de forma individual e depois passou a ensiná-la a quem quisesse aprender, a partir de maio de 1992.

O Sr. Li percorreu toda a China no final de 1994. Ele ministrou 54 seminários de 8 a 10 dias de duração, onde quer que fosse convidado. Ele deu lições sobre os princípios, ensinou os exercícios e respondeu perguntas no último dia de cada seminário.

Mais de 10 mil pessoas praticando Falun Dafa em frente ao Palácio Cultural de Changchun antes do início da perseguição contra esta prática pacífica, em 1999 (Minghui.org)

Mais de 10 mil pessoas praticando Falun Dafa em frente ao Palácio Cultural de Changchun antes do início da perseguição contra esta prática pacífica, em 1999 (Minghui.org)

No início, apenas algumas centenas de pessoas compareciam a cada seminário, mas no final de 1994 as salas de conferências com capacidade para vários milhares estavam sempre lotadas, graças aos convites feitos de boca em boca.

As pessoas falaram com parentes, amigos e vizinhos sobre como suas doenças foram aliviadas ou até desapareceram, desde condições da pele até problemas cardíacos. Também relataram como seguir os ensinamentos os levou a melhorar suas relações com cônjuges, colegas de trabalho e, em geral, para um estado de espírito tranquilo e relaxado.

A prática continuou crescendo, de dezenas de milhares de pessoas que ouviram as conferências do Sr. Li ao vivo de 1992 a 1994, até dezenas de milhões até meados de 1999. Entre os praticantes estavam incluídas pessoas mais velhas e jovens, camponeses e professores universitários e até mesmo generais e membros do Partido Comunista.

Milhares de praticantes de Falun Gong realizam um dos cinco exercícios de prática, chamado "Estaca Parada Falun" em Guangzhou, no sul da China, em 1998, um ano antes da perseguição começar (Epoch Times)

Milhares de praticantes de Falun Gong realizam um dos cinco exercícios de prática, chamado “Estaca Parada Falun” em Guangzhou, no sul da China, em 1998, um ano antes da perseguição começar (Epoch Times)

Locais de prática surgiram em parques públicos de toda a China. Assistentes voluntários ensinavam os movimentos aos recém-chegados e usavam um toca-fitas ou um leitor de CD para ouvir a música que acompanha os exercícios.

Depois de fazer os exercícios juntos – enquanto alguns praticantes iam para o trabalho – outros se sentavam e liam o livro principal “Zhuan Falun”, escrito pelo Sr. Li. Cultivar a mente e o caráter vem através do estudo deste livro e de outros ensinamentos – textos que estão disponíveis gratuitamente na Internet – e em aplicar o que foi aprendido na vida cotidiana.

Propagação mundial

Os praticantes de Falun Dafa levaram a disciplina com eles quando viajaram para fora da China para estudar em universidades ou trabalhar em empresas. É por isso que alguns países convidaram o Sr. Li para dar palestras. Por exemplo, ele realizou um seminário completo na Suécia no início de 1995 e participou de seminários organizados por praticantes nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Alemanha e outros lugares antes de o PCCh iniciar sua campanha de perseguição em 1999.

Pessoas praticam os exercícios do Falun Dafa como parte das celebrações do Dia Mundial do Falun Dafa em Nova York (Samira Bouaou/Epoch Times)

Pessoas praticam os exercícios do Falun Dafa como parte das celebrações do Dia Mundial do Falun Dafa em Nova York (Samira Bouaou/Epoch Times)

O site www.falundafa.org contém listas de locais de prática regulares em mais de 70 países. No site se lê: “Todas as atividades de Falun Dafa são gratuitas”.

O número de pessoas que praticam fora da China cresce, enquanto a proibição e a perseguição continuam no país, que por quase 70 anos foi governado por um regime comunista e ateu. A evidência de crescimento é estimada, uma vez que os números exatos não são salvos por ninguém e as pessoas são livres para praticar ou não, como preferirem.

Leia também:
Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês – Introdução
A origem ‘Frankenstein’ do BRICS e seu futuro obscuro — Parte I
Renomado advogado de direitos humanos, Gao Zhisheng, desapareceu na China

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016