Quão atraente é o socialismo agora?

Nos últimos dois anos tivemos várias “prévias” de como seria a vida sob o socialismo

Por Mark Hendrickson

Comentário

Na adorada história de Charles Dickens, “Um Conto de Natal”, o protagonista excêntrico, Ebenezer Scrooge, é visitado por três espíritos. O terceiro visitante, o Fantasma do Natal Futuro, deu a Scrooge uma prévia de quão sombria e trágica sua vida seria se ele continuasse no mesmo curso.

Nosso país está no caminho do socialismo. Na campanha presidencial mais recente, democratas proeminentes como o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez estavam pedindo alguma versão do socialismo, enquanto vários republicanos denunciavam o socialismo. Não seria útil se, como Scrooge, pudéssemos ter uma prévia de como seria o socialismo na prática nos Estados Unidos?

Claro, pode-se aprender sobre o socialismo estudando a história da Rússia, China, Cuba, Coreia do Norte, Venezuela, etc., mas a multidão pró-socialista aqui nos Estados Unidos descarta esses exemplos como irrelevantes – geralmente empregando algum argumento esfarrapado que eles não implementaram o socialismo da maneira correta. Os socialistas americanos pretendem não repetir esses erros.

Antes de prosseguir, vamos definir o socialismo: os dicionários nos dizem que “socialismo” é um sistema em que o governo possui os meios de produção. Raro, de fato, é o funcionário de Washington pedindo a nacionalização total de todas as grandes empresas. Muito mais comum é o apoio à versão nazista/fascista do socialismo. A variante fascista tecnicamente permite que as empresas permaneçam sob propriedade privada, mas o governo lhes diz o que produzir. Isso é mais ou menos o que os socialistas americanos estão buscando hoje. Assim, eles buscam enfraquecer os direitos de propriedade privada, colocar o governo federal encarregado de ordenar e dirigir o que é produzido e orquestrar uma distribuição mais igualitária da riqueza. Em suma, eles não pedem por um socialismo literal, mas por um governo economicamente onipresente e dominante infundido com o espírito do socialismo.

Quão bem o “socialismo” americano funcionaria? Felizmente, assim como Scrooge teve um vislumbre de um futuro sombrio, e foi capaz de mudar de rumo e se poupar da ruína, também foi concedido ao povo dos EUA um vislumbre do futuro – o fantasma do socialismo ainda por vir. Nos últimos dois anos, mais ou menos, tivemos várias “prévias” de como seria a vida sob o socialismo aqui com o Grande Governo controlando grandes áreas de nossa economia e implementando um planejamento econômico central “especializado”. Vamos rever algumas dessas espiadas.

Gerenciando a pandemia

Em grande parte, os americanos fizeram o que os governos lhes disseram para fazer durante a pandemia da COVID-19. Muitos governos estaduais impuseram lockdowns. Eles achavam que sabiam melhor. Infelizmente, porém, como vários estudos mostraram, os governos não sabiam melhor do que o resto de nós como deveríamos ter respondido, e os resultados foram sombrios.

Um estudo da Rand Corporation mostrou que “os lockdowns aumentaram a mortalidade por todas as causas em uma extensão estatisticamente significativa”, segundo o The Committee to Unleash Prosperity (pdf). Um artigo no The Lancet, um venerável e altamente respeitado jornal médico britânico — descobriu que os lockdowns governamentais “não estavam associados a reduções estatisticamente significativas no número de casos críticos ou mortalidade geral”. Um estudo publicado na Frontiers of Public Health chegou a uma conclusão semelhante. Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv afirmaram: “Esperávamos ver menos mortes pela COVID-19 em países em um lockdown mais rígido, mas os dados revelam que esse não é o caso”. Uma pesquisa da Universidade de Oxford encontrou “pouca correlação entre a gravidade das restrições de uma nação e se ela conseguiu conter o excesso de fatalidades”, informou a Bloomberg.

Os lockdowns e o isolamento social que os acompanham causaram um aumento nas overdoses de drogas relacionadas à depressão, suicídios e um aumento notável na incidência e gravidade da violência doméstica. Além disso, quando a COVID-19 surgiu pela primeira vez como uma ameaça, muitos hospitais foram obrigados a suspender temporariamente exames, testes, tratamentos etc. Infelizmente, essas diretivas provocaram tanto medo que muitas pessoas que sofrem de câncer, demência, doenças cardíacas, etc., ficaram longe dos médicos, custando a vida de alguns deles.

Pode-se dizer que aqueles políticos que impuseram lockdowns, que eles realmente não podem ser culpados, porque a COVID-19 era um novo vírus e não havia um conjunto pré-existente de instruções sobre como lidar com ele. No entanto, é nitidamente aparente que esperar que o governo e os “especialistas” em quem eles confiam saibam como proceder é, na melhor das hipóteses, altamente arriscado.

Planejamento econômico do governo

A principal alegação do Socialismo é uma suposta capacidade de direcionar sabiamente a economia de uma sociedade, então vejamos os planos econômicos que os presidentes Donald Trump e Joe Biden elaboraram para “ajudar” a economia durante a pandemia.

Houve pelo menos oito programas federais aprovados para tentar ajudar os americanos a lidar com a turbulência econômica que a pandemia causou. Os mais proeminentes foram os três atos que incluíam pagamentos diretos aos contribuintes americanos – a Lei CARES de março de 2020 (cheques de estímulo de US$ 1.200), a Lei de Dotações Consolidadas de dezembro de 2020 (cheques de estímulo de US$ 600) e a Lei do Plano de Resgate Americano de 2021 (cheques de estímulo de US$ 1.400). Com Trump tendo assinado os dois primeiros em lei e Biden o terceiro, temos uma participação verdadeiramente bipartidária nesses esforços de gestão econômica do governo.

Aqui estão alguns dos resultados (além de fraudes e desperdícios, que são inevitáveis ​​em programas governamentais tão caros):

Perda de empregos. Um estudo de Harvard descobriu que os lockdowns tiveram um impacto desproporcionalmente negativo nos americanos mais pobres. Durante o primeiro ano de isolamento, o emprego diminuiu 23,6% para aqueles que ganham menos de US $27.000 por ano, 4,5% entre aqueles que ganham entre US $27.000 e US $60.000, enquanto o emprego aumentou ligeiramente para aqueles que ganham mais de US $60.000. As restrições de bloqueio, segundo o MIT, correlacionaram-se com um desemprego mais alto. Em um momento de escassez aguda de mão de obra e interrupções na rede de fornecimento, não foi útil que “pelo menos 1,8 milhão de americanos” decidissem não voltar a trabalhar por causa de doações federais.

Fechamento de pequenas empresas. Em um artigo (pdf) publicado pelo Stanford Institute for Economic Policy Research, Robert Fairlie calculou que a resposta política à pandemia fez com que o número de empresários ativos caísse mais de 22% nos primeiros dois meses da pandemia. Muitas dessas empresas permaneceram fechadas. Esse declínio afetou desproporcionalmente as empresas pertencentes a minorias. Outra pesquisa descobriu que aproximadamente 100.000 pequenas empresas fecharam definitivamente durante os primeiros seis meses de lockdown.

Impacto econômico sobre as crianças. Além de ficar para trás em seu aprendizado e sofrer cicatrizes emocionais pelo mascaramento, distanciamento social e aprendizado remoto, a pesquisa da McKinsey estima que a resposta política à pandemia custará “ao estudante médio do ensino fundamental e médio nos Estados Unidos … US $ 61.000 a US $ 82.000 em ganhos ao longo da vida (em dólares constantes de 2020), ou o equivalente a um ano de trabalho em tempo integral, exclusivamente como resultado de perdas de aprendizado relacionadas a COVID-19”. Tal como acontece com o fechamento de pequenas empresas, as perdas recaem desproporcionalmente sobre as minorias.

Escassez de bens básicos

Uma característica comum das economias administradas pelo governo é a escassez. Um número relativamente pequeno de planejadores governamentais simplesmente não sabe coordenar a produção, assim como milhões de empresários que fazem uso dos preços economicamente racionais que só uma ordem de propriedade privada pode produzir.

Hoje, os Estados Unidos estão lidando com uma séria escassez de fórmulas infantis devido inteiramente à gestão burocrática atrapalhada da FDA e do programa WIC, financiado pelo governo federal, que não permite que as mães participantes “troquem para uma marca diferente se a marca do fornecedor contratado pelo estado está esgotada”, informou o Wall Street Journal. Em resposta à escassez, o governo usou aeronaves militares para trazer suprimentos adicionais da Europa, provavelmente tornando essas porções de fórmula infantil as mais caras da história. Bem, os governos não são conhecidos por sua eficiência.

E veja a energia. O aumento dos preços da gasolina é um resultado doloroso do fato de o governo Biden ter perseguido zelosamente uma agenda anticombustível fóssil que reduziu a oferta. A extensa intervenção do governo no negócio de eletricidade na Califórnia resultou em quedas periódicas e apagões tornando-se quase rotineiros. Isso é surpreendente. Na década de 1950, os apagões eram praticamente desconhecidos nos Estados Unidos. Eles eram confinados a países do Terceiro Mundo. Bem, dê-nos mais planejamento governamental, como vemos na Califórnia, e nossas cidades terão um fornecimento errático de eletricidade semelhante ao que assola as cidades dos países pobres e em desenvolvimento.

Inflação

Eu não vou insultá-lo por insistir neste ponto. A pior inflação em 40 anos está ao nosso redor, apertando nossos bolsos toda vez que abastecemos nossos veículos ou vamos ao supermercado.

Ebenezer Scrooge aprendeu com sua visita do Fantasma do Natal Ainda Por Vir e corrigiu seus caminhos a tempo de evitar a desgraça. O povo americano aproveitará as recentes prévias de como mesmo o planejamento bem-intencionado do governo socialista piora as coisas? Mudaremos a direção de nossa política a tempo de salvar a nós mesmos e nossos filhos da ruína? Veremos.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas