Quanto mais você abraça seus filhos mais inteligentes eles se tornam, revela estudo

Por Robert Jay Watson

Todos sabem que um abraço pode ajudar a fazer a diferença entre um dia melhor ou pior – e isso é para nós, adultos. Para as crianças, a importância do toque físico é ainda mais importante e, para os bebês, é absolutamente vital.

Embora seja de conhecimento geral que bebês e crianças que foram mais abraçados se sintam mais seguros e confiantes, a pesquisa científica está mostrando cada vez mais a diferença que um abraço pode causar.

(Ilustração – Shutterstock)

Especialistas em obstetrícia e desenvolvimento da primeira infância chamam as primeiras semanas do bebê a termo fora do útero de “quarto trimestre”, quando o recém-nascido faz ajustes maciços do ambiente quente e seguro do útero de sua mãe aos sons, cheiros, texturas e temperaturas do mundo exterior.

Para bebês que nascem prematuros (antes de 37 semanas), não é nem o quarto trimestre. Eles foram interrompidos na metade da gestação. Então, quando os pais perguntam aos médicos por que seus recém-nascidos só adormecem em seus braços, contra seus corpos, eles estão esquecendo o tamanho da mudança que está ocorrendo.

Ilustração – Shutterstock | Larysa Dubinska

O que fazer para ajudar a facilitar a transição para pais e recém-nascidos? A resposta dos médicos e cientistas é simples: segure seus bebês em seus braços o mais cedo possível, tanto quanto possível. Muitas unidades neonatais em hospitais nos Estados Unidos têm promovido “pais cangurus”, maximizando a quantidade de tempo de contato pele a pele das mães e dos bebês.

Conforme relatado pela Psychology Today, a especialista neonatal Dra. Natalia Brando, do Sistema Nacional de Saúde Infantil de Washington, DC, observa que os benefícios do contato pele a pele são numerosos: “estabilização da frequência cardíaca, padrões respiratórios e níveis de oxigênio no sangue, ganhos em tempo de sono e peso, diminuição do choro, maior sucesso no aleitamento materno e alta hospitalar precoce”.

O Dr. Brando também observou que pesquisas mais recentes ressaltaram os benefícios do tratamento canguru para os pais. Essa técnica “também pode diminuir o estresse parental que pode interferir no vínculo, na saúde e no bem-estar emocional e nas relações interpessoais dos pais, bem como nas taxas de amamentação”.

Ilustração – Shutterstock | Pavel Korotkov

Ainda mais surpreendente tem sido o resultado do contato pele a pele de bebês prematuros, que são os ocupantes mais frequentes de unidades de terapia intensiva neonatal em hospitais.

A Dra. Nathalie Maitre, do Hospital Infantil Nationwide, em Ohio, realizou um estudo comparando as maneiras pelas quais bebês prematuros e bebês nascidos a termo respondem ao toque suave. Suas descobertas mostraram, sem surpresa, que os cérebros dos bebês a termo reagiram mais intensamente.

Este é um dos muitos benefícios que eles têm sobre prematuros.

Mas quando se tratava de prematuros, a pesquisa mostrou que aqueles que haviam sido abraçados ou tocados por seus pais responderam tanto quanto bebês nascidos a termo. Em outras palavras, muitos abraços podem ajudar os prematuros a se recuperarem e colherem todos os benefícios do desenvolvimento do toque de seus pais.

Ilustração – Shutterstock | Lopolo

Como o Dr. Maitre disse, por Psychology Today, “garantir que os bebês prematuros recebam um toque positivo e de apoio, como os cuidados pele com pele realizado pelos pais, é essencial para ajudar seus cérebros a responderem ao toque suave de maneiras semelhantes às dos bebês que experimentaram uma gravidez inteira dentro do ventre de sua mãe”.

Mas esses estudos também mostraram que o que acontece no “quarto trimestre” tem implicações duradouras até 10 anos no futuro. Para Maitre, os abraços dos pais “podem realmente afetar o modo como os o cérebro processa o tato, um sentido necessário para aprendizado e conexões sócio-emocionais”.

Isso significa que as conexões feitas nos primeiros meses acabarão tendo muito a ver com a forma como seu filho se sairá quando for para a escola e sair pelo mundo. Eles terão medo de tocar e encontrar novas pessoas e coisas? Ou eles estarão confiantes e capazes de se envolver?

Depende de quanto eles são abraçados!

Ilustração – Shutterstock | GagliardiFotografia

 

 
Matérias Relacionadas