Quando grandes desastres acontecem, muitos supostamente os preveem em sonhos

Não devemos nos culpar se soubermos que algo de ruim vai acontecer mas não o impedimos

Por Tara MacIsaac, Epoch Times

Relatos de precognição e outros tipos de percepção extrassensorial são comuns em torno de grandes eventos da história humana, os que realmente ressoam na psique coletiva, como as guerras mundiais, o atentado de 11 de setembro nos EUA, desastres naturais, etc.

Muitas vezes, as visões que predizem o desastre futuro vêm em sonhos; outras vezes, fenômenos podem se manifestar enquanto a pessoa está acordada no momento exato em que o evento ocorre.

O astrônomo e escritor francês Camille Flammarion coletou relatos durante a Primeira Guerra Mundial de fenômenos aparentemente precognitivos ou telepáticos. Ele escreveu em seu livro, “A Morte e seu mistério” (1921): “Recebi um grande número de cartas contando sobre transmissões telepáticas enviadas dos campos de batalha.”

É provável que soldados foram capazes de enviar mensagens telepáticas do campo de batalha para seus entes queridos durante a Primeira Guerra Mundial (Epoch Times)
É provável que soldados foram capazes de enviar mensagens telepáticas do campo de batalha para seus entes queridos durante a Primeira Guerra Mundial (Epoch Times)

Um dos exemplos que ele deu foi o de “Madame D.” Ela estava preocupada com o esposo na guerra porque ela não tinha notícias dele há muito tempo. Ela finalmente recebeu uma carta dele em 25 de agosto de 1914, trazendo conforto às suas preocupações.

Mais tarde naquele dia, precisamente às 15h, enquanto ela ouvia a irmã tocar piano, de repente, ela se levantou, soltou um grito terrível e desmaiou. Quando acordou, ela disse que tinha visto uma matança horrível no campo de batalha, tendo visto também seu esposo cair morto.

Como se constatou posteriormente, seu esposo foi morto às 15h em 25 de agosto.

Flammarion escreveu: “Objeções poderão ser levantadas. No curso da guerra contínua, não é de surpreender que uma jovem que adorasse o esposo devesse temer por sua segurança. O valor dos fatos relacionados não se baseia nesta intuição, mas na coincidência precisa do dia e da hora do momento da catástrofe, uma catástrofe que aconteceu no exato dia em que essa pobre mulher havia alcançado a paz de espírito.”

Ela desmaiou com a visão do seu esposo morrendo no campo de batalha no momento exato da sua morte (Epoch Times)
Ela desmaiou com a visão do seu esposo morrendo no campo de batalha no momento exato da sua morte (Epoch Times)

A força da visão e do choque também diferencia esse caso de sonhos ou intuições vagas, disse Flammarion.

Ele já havia escrito no passado sobre casos semelhantes: “Um deles até indicou a morte num encontro diferente do fornecido pelos departamentos do exército; uma data que, quando verificada, foi considerada exata. Já a data oficial não foi.”

O Dr. Bernard Beitman, um psiquiatra educado em Yale que estuda coincidências, chama esse tipo de experiência de simulpatia, ou sentir a angústia de um ente querido à distância. Ele começou a estudar as coincidências por causa de uma experiência de simulpacidade pessoal.

Um dia, ele inexplicavelmente se sentiu sufocando. Ele não estava comendo nada naquele momento, parecia não haver razão para essa sensação. Mais tarde, ele descobriu que, no momento exato em que se sentia sufocado, seu pai morrera sufocado. Ele encontrou muitos outros relatos com experiências semelhantes.

“Andrew sempre me disse que morreria antes dos 30 anos”, disse sua esposa, Miosotys Fernandez, ao Birmingham Mail. Bailey morreu no World Trade Center dois dias depois de ter sonhado com a morte.

É comum as pessoas sentirem a angústia de um ente querido à distância - isso é chamado simulpatia (Epoch Times)
É comum as pessoas sentirem a angústia de um ente querido à distância, isso é chamado simulpatia (Epoch Times)

Quando sua esposa mais tarde olhou em seu armário, ela ficou chocada. “Todas as suas coisas foram colocadas lá, sua carteira, cartões de crédito e relógios, itens que ele normalmente levaria com ele para trabalhar”, disse ela. “Era como se ele soubesse que ele estava me deixando naquela manhã e nunca mais voltaria.”

Bonnie McEneaney, cujo esposo também morreu no atentado de 11 de setembro, relembrou uma experiência semelhante. Ela falou com muitas outras famílias afetadas pelo ataque e achou que a precognição era uma experiência comum. Ela publicou um livro intitulado “Messages: Signs, Visits and Premonitions from Loved Ones Lost on 9/11” (“Mensagens: sinais, visitas e premonições de entes queridos perdidos em 11 de setembro”) – sobre esse fenômeno.

Seu esposo, Eamon McEneaney, sempre lhe disse que ele morreria jovem, que ele não viveria muito tempo depois do ano 2000. Nas semanas anteriores ao 11 de setembro, ele estava mais tenso, ela disse num artigo que escreveu para o Daily Mail. Ele falou sobre a possibilidade de outro ataque ao World Trade Center (a Torre Norte foi bombardeada em 1993).

Nos dias e semanas que antecederam o 11 de setembro, muitas pessoas supostamente tiveram sonhos precognitivos ou sentiram um desastre eminente. Na foto, o momumento próximo ao World Trade Center em Nova York (Epoch Times)
Nos dias e semanas que antecederam o 11 de setembro, muitas pessoas supostamente tiveram sonhos precognitivos ou sentiram um desastre eminente. Na foto, o momumento próximo ao World Trade Center em Nova York (Epoch Times)

Ele disse a ela: “É melhor você começar a disciplinar mais as crianças porque, quando eu for, você terá dificuldades.”

Tratados como casos isolados, muitos desses relatos poderiam ter sido descartados e classificados como coincidência ou um efeito colateral decorrente da imensa tristeza, mas o fato de tantas famílias do 11 de setembro estarem passando por fenômenos semelhantes tornou tudo mais difícil de ser descartado”, escreveu ela.

A Sociedade Americana de Pesquisa Psíquica está coletando relatos de sonhos e premonições sobre o 11 de setembro, embora ainda não tenha publicado nenhuma descoberta.

Na década de 1960, o psiquiatra britânico Dr. J.C. Barker coletou relatos de sonhos que pareciam prever o famoso desastre de Aberfan. Uma mina de carvão desmoronou na aldeia galesa de Aberfan, matando mais de 100 crianças em idade escolar.

Homens realizam resgate no local da Escola Júnior Pantglas em Aberfan, Gales do Sul, onde uma mina de carvão desmoronou matando mais de 190 crianças e seus professores (Keystone/Getty Images)
Homens realizam resgate no local da Escola Júnior Pantglas em Aberfan, Gales do Sul, onde uma mina de carvão desmoronou matando mais de 190 crianças e seus professores (Keystone/Getty Images)

Barker solicitou por meio da mídia que as pessoas o contatassem se tivessem sonhado com o desastre de antemão. Ele recebeu 76 contatos, dos quais 24 pôde corroborar.

Por exemplo, o sonho com a mais forte evidência de precognição foi o de uma mulher de 47 anos de idade de Plymouth, Inglaterra. No sonho, ela viu uma avalanche de carvão descendo a montanha. Ela sabia que era no País de Gales. No fundo da montanha havia um menino que parecia assustado, mas ela viu que ele foi resgatado. O menino estava perto de um trabalhador de resgate com um estranho chapéu pontudo.

Depois do desastre, um noticiário britânico mostrou esse menino e o mesmo socorrista com o chapéu incomum. Barker falou com vários dos conhecidos da mulher para os quais ela contou sobre o sonho antes que a mina desmoronasse. Eles confirmaram que ela lhes contara os detalhes antes de acontecer.

Habitantes da aldeia galesa de Aberfan participam do funeral em massa de crianças e adultos que morreram quando um deslizamento de terra tomou conta da escola (George Freston / Getty Images)
Habitantes da aldeia galesa de Aberfan participam do funeral em massa de crianças e adultos que morreram quando um deslizamento de terra tomou conta da escola (George Freston/Getty Images)

O Projeto de Consciência Global (GCP, na sigla em inglês), liderado pelo Dr. Roger Nelson, foi lançado em 1998 para testar a hipótese de que o aumento da emoção global durante grandes eventos tem um impacto físico. A capacidade de impactar fisicamente as coisas com sua mente é chamada telecinesia.

Foi assim que ele testou o poder telecinético global durante eventos mundiais: experimentos anteriores na Universidade de Princeton sugeriram que a mente humana pode ter um impacto físico nos geradores de números aleatórios. Esses geradores são como lançadores de moedas eletrônicos. Há 50% de chance de cara ou coroa. Se uma pessoa foca sua mente em “cara” e esta face da moeda aparece em 80% do tempo (acima do que a chance por si só ditaria), isso poderia significar que sua mente fez isso acontecer telecineticamente. Essa é uma ilustração simplificada de como isso funciona.

A ideia do GCP era criar geradores de números aleatórios e, ao longo de muitos anos, ver se eles se desviaram do acaso durante grandes eventos. E foi o que aconteceu.

Nelson escreveu numa postagem no blog do GCP anunciando os resultados do ano de 2016: “O resultado é uma confirmação definitiva da hipótese geral… de que grandes eventos no cenário mundial que unem pessoas em pensamentos compartilhados e emoções sincronizadas serão correlacionados com mudanças no comportamento da nossa rede de fontes aleatórias.”

Equipes de resgate limpando destroços e lama em 22 de outubro de 1966, perto da escola Pantglas Junior em Aberfan, em Gales do Sul, onde uma ponte de carvão desmoronou matando muitas crianças (Keystone/Getty Images)
Equipes de resgate limpando destroços e lama em 22 de outubro de 1966, perto da escola Pantglas Junior em Aberfan, em Gales do Sul, onde uma ponte de carvão desmoronou matando muitas crianças (Keystone/Getty Images)

Não devemos nos culpar se soubermos intuitivamente que algo de ruim vai acontecer mas não o impedimos.

A neurocientista cognitiva Julia Mossbridge estuda sonhos precognitivos. Ela disse que, às vezes, quando ela dá palestras sobre o assunto, alguém na plateia que perdeu um filho fica chateado e diz: “Você está dizendo que eu deveria saber ou que poderia ter sabido e que poderia tê-lo evitado.”

Esse não é o caso. As premonições frequentemente não são claras e é compreensível se as pessoas acharem que seus sonhos são apenas sonhos.

Um estudo científico de 17 anos mediu o poder telecinético da consciência global durante grandes eventos (Epoch Times)
Um estudo científico de 17 anos mediu o poder telecinético da consciência global durante grandes eventos (Epoch Times)

“Você sabe o quão ruim é a memória?”, disse Mossbridge. “A memória já é ruim, mas isso é mais fraco que a memória. No caso deste material precognitivo, a maioria das pessoas nem sequer está consciente de que elas possam possuir isso. É como se culpar se você não puder correr uma milha em quatro minutos.”

 
Matérias Relacionadas