Qual o impacto dos protestos cubanos na Venezuela e na Nicarágua?

Por VOA

Os protestos em massa de domingo em Cuba  – os primeiros dessa magnitude em um país onde a dissidência não é legal por mais de seis décadas – pegaram a região de surpresa.

Mas como isso é percebido em países cujos governos estão politicamente alinhados com Havana, como Venezuela e Nicarágua ?

“Empatia” com os vizinhos e a causa

Os protestos em Cuba podem gerar “empatia” em grande parte dos povos latino-americanos como a Venezuela, valoriza Luis Angarita, especialista em relações internacionais e professor da Universidade Central da Venezuela.

Várias cidades do país sul-americano foram epicentros de protestos em massa contra o governo Maduro em 2014, 2017 e 2019, mas as demandas por mudanças políticas não produziram resultados tangíveis em meio a ondas oficiais de prisões e repressão contra milhares de manifestantes.

Policiais de choque percorrem as ruas após uma manifestação contra o regime do líder Miguel Díaz-Canel no município de Arroyo Naranjo, Havana (Cuba), em 12 de julho de 2021 (Yamil Lage / AFP via Getty Images)
Policiais de choque percorrem as ruas após uma manifestação contra o regime do líder Miguel Díaz-Canel no município de Arroyo Naranjo, Havana (Cuba), em 12 de julho de 2021 (Yamil Lage / AFP via Getty Images)

“A sociedade venezuelana os vê (os protestos em Cuba) com certa emoção e alegria, uma vez que se identifica com sociedades que tendem a ser restritivas aos protestos e à liberdade de expressão”, comenta Angarita à VOA .

O analista afirma que há “preocupação” na cúpula do regime venezuelano diante dos amplos laços diplomáticos, políticos e ideológicos que prevalecem entre Caracas e Havana desde 1999, quando Hugo Chávez, mentor do atual dirigente Nicolás Maduro, ascendeu à presidência da Venezuela. Essa preocupação se expressa na linguagem pública dos dirigentes aliados, com referências ao “bloqueio” e resistência ao “imperialismo”, explica.

Mariano De Alba, assessor da ONG International Crisis Group, especialista em direito internacional e diplomacia, concorda que os protestos são percebidos “com empatia” por “uma parte importante” da população venezuelana, que também se manifestou nas ruas pela melhoria das suas condições de vida.

“Com base nessa experiência e levando em consideração a alta repressão sofrida, muitos venezuelanos também estão cientes de que é difícil para os protestos por si só gerarem mudanças concretas”, afirma o analista.

De Alba estima que os protestos precisam de “organização, coordenação de lideranças e objetivos práticos” para dar frutos diante de um governo autoritário com mais de 60 anos no poder.

Cubanos protestam em frente à embaixada cubana em Lima, Peru, em 11 de julho de 2021 (Pachi Valencia / The Epoch Times)

Figueredo, por sua vez, apoiou. “É prematuro saber se é um ponto de inflexão. Esses movimentos têm um início e não produzem um resultado imediato. O regime cubano tem muitos mecanismos de controle em mãos ”, destaca, citando o exemplo da queda do Muro de Berlim, evento considerado improvável na época.

Angarita, por sua vez, destaca que acontecimentos extraordinários como a pandemia COVID-19 evidenciam a fragilidade dos Estados e dessa fragilidade nascem os protestos sociais.

Maduro Alerta

Nesta segunda-feira, enquanto os protestos continuavam em Cuba, as forças de segurança do regime de Maduro tentaram deter Guaidó em sua residência em Caracas e prenderam um dos líderes de seu partido, Freddy Guevara.

Esses atos podem estar relacionados às manifestações na ilha, afirmam opositores venezuelanos, como o ex-prefeito de Caracas, Antonio Ledezma. “A fazenda em chamas em Cuba. Por isso, ativam métodos repressivos na Venezuela. Essa prisão de Freddy Guevara e a ameaça (de prisão) contra Guaidó buscam intimidar por medo de que as pessoas tomem as ruas”, escreveu ele no Twitter.

Armando Armas, deputado eleito para o Parlamento em 2015 e ex-presidente de sua comissão de relações exteriores, duvida que o estopim dos protestos em Cuba seja a crise de saúde, mas sim o esgotamento do modelo político. “Querem liberdade, não querem mais comunismo, entendem que são 60 anos de um modelo fracassado que só serviu para enriquecer uns poucos e enganar muitos, com cumplicidade com a comunidade internacional para se perpetuar no poder”, afirmou o venezuelano comentários de políticos, VOA.

Como costuma fazer Maduro para abordar publicamente as dificuldades sociais de seu país, Díaz-Canel atribuiu no domingo as falhas dos serviços públicos em Cuba ao “bloqueio” de governos, como os Estados Unidos. Para a Armas, seria uma estratégia comum de seus “aparatos de propaganda” para não admitir que a corrupção e a ineficiência são os verdadeiros culpados.

Nicarágua, Daniel Ortega  e as “vendepatrias”

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, saiu na segunda-feira em defesa do governo de Cuba, seu aliado ideológico na região, e sem qualquer prova acusou os Estados Unidos de estar por trás das manifestações em Havana, garantindo que pretendiam criar “uma desestabilização” em Havana.

Por meio de uma carta pública, o governo esquerdista Ortega, que está no poder há mais de treze anos consecutivos, assegurou que os protestos em Cuba “são imagens de um conhecido formato de desestabilização”, em referência às manifestações que ocorreram em Manágua em 2018 e que deixou mais de 300 mortos e mais de 100.000 exilados devido à repressão estatal, segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

Cubanos protestam na República Dominicana contra o regime comunista de Miguel Díaz-Canel perto da embaixada cubana, em 12 de julho de 2021, em Santo Domingo (ERIKA SANTELICES / afp / AFP via Getty Images)

Enquanto isso, a vice-presidente Rosario Murillo, porta-voz do governo sancionada em 2018 pelo Departamento do Tesouro por violações de direitos humanos, aproveitou grande parte de seu discurso oficial nesta segunda-feira para atacar os Estados Unidos, acusando-os de “genocidas e colonialistas” e ela catalogou os oponentes cubanos fr “comerciantes domésticos”, o mesmo que fez com seus críticos em Manágua.

“E os denunciamos e continuamos a denunciá-los (…) vimos este formato que, como dizemos, conhecemos amplamente, a traição, a traição de uns poucos que querem refletir um inexistente, falso, fictícia realidade, um pretexto que existe, o mesmo que queriam impor aqui com base em seus planos de destruição e subjugação de nosso povo ”, disse Murillo.

O que pensam os analistas?

Mas alguns especialistas, como o ex-deputado e economista Enrique Sáenz, consideram o discurso do casal presidencial “hipócrita” e distante da realidade, já que apontam que um dos principais parceiros comerciais da Nicarágua são os Estados Unidos, a quem constantemente atacam e chamam de “imperialistas”.

Ele também menciona que Manágua aproveitou os acordos de livre comércio como o DR-Cafta para impulsionar sua economia; por outro lado, ele destacou que 60% das remessas vêm dos Estados Unidos.

“A atitude de Ortega é um falso e hipócrita antiimperialismo, porque fala contra o imperialismo, porém, ele se desdobra para os investimentos dos Estados Unidos”, critica Sáez, e dá como exemplo que em 2020, mais de metade das exportações atingiu o mercado norte-americano.

“É uma retórica hipócrita, porque se Ortega fosse sério deveria rejeitar empréstimos do BID, do Banco Mundial, onde o principal parceiro são os Estados Unidos, por exemplo”, disse.

Segundo Sáenz, em Cuba há mobilizações que mostram expressão cidadã contra “um regime que se manifestou intencionalmente para esmagá-los”, mas adverte que, sendo um fato não visto há décadas, reflete que ainda há esperança de um movimento.

Enquanto isso, o ex-embaixador da Nicarágua na Venezuela, Róger Guevara Mena, comenta à VOA que a retórica de culpar outros países por suas crises sociais é uma velha estratégia usada “por ditadores” diante da “ineficácia política”.

“A guerra fria acabou e estamos em uma época diferente, de modelos democráticos, e no continente as ditaduras dogmáticas e militares não são mais inaceitáveis”, diz Mena.

Mena acredita que em Cuba o que há é um esgotamento social diante de quase 70 anos “de um modelo ditatorial falido”.

“É natural que um governo como o da Nicarágua, semelhante em métodos e comportamentos políticos e sociais, apoie Cuba. Ambos entendem que os povos estão exaustos, sua paciência se esgotou, neste caso o caso cubano já tem quase 70 anos e os protestos refletem o cansaço do povo ”.

Segundo Mena, em Cuba não existe uma imagem “carismática” de um Fidel Castro que possa conter o descontentamento social, mas existem “herdeiros de uma ditadura” que ele acredita chegará ao fim em algum momento.

Enquanto Sáenz lembra que boa parte dos regimes do Leste Europeu caíram sem disparar um tiro, a partir de mobilizações populares que expressaram o colapso desses modelos repressivos.

“Em Cuba será necessário ver se esses resultados podem ocorrer. Quanto à reação de Díaz-Canel, é natural que toda ditadura e todo grupo se apeguem ao poder e estejam dispostos a afogar em sangue e disparar qualquer tipo de oposição, quando busque qualquer pretexto”, concluiu Sáenz.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas