Qual é o significado do reaparecimento de Jiang Zemin

O ex-líder chinês Jiang Zemin na sessão de encerramento do 18º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês em Pequim (Goh Chai Hin/AFP/Getty Images)

De acordo com várias grandes mídias porta-vozes do Partido Comunista Chinês (PCC), o ex-líder chinês Jiang Zemin e o ex-secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger discutiram questões “muito importantes” durante um jantar recente. O que quer que Jiang Zemin tivesse para discutir com o funcionário dos EUA há muito tempo fora do gabinete, a importância do diálogo para Jiang Zemin estava mais na visibilidade que ele buscava do que nas palavras que trocou com Kissinger.

O artigo, segundo um comunicado publicado no site do Ministério das Relações Exteriores da China, citou uma “fonte bem informada” e anônima. No jantar, que ocorreu em Shanghai em 3 de julho, Jiang Zemin teria elogiado o atual líder chinês Xi Jinping, dizendo: “A China precisa de um líder forte” e Xi Jinping é “altamente competente e sábio”.

O artigo não explica exatamente que questões “muito importantes” foram discutidas, mas lendo nas entrelinhas, pode-se ver que Jiang Zemin está sob tremenda pressão.

Primeiro, é raro que notícias sobre uma aparência de Jiang apareçam tão tardiamente – 19 dias após ela ocorrer – e isso é uma indicação de sua influência minguante. Quando Jiang deixou o cargo em 2004, ele ainda manteve muito de seu poder no palco e nos bastidores.

Após a imprensa de Hong Kong informar em 2011 que ele estava “entre a vida e a morte”, Jiang fez uma série de aparições públicas, especialmente após o escândalo de Bo Xilai e Wang Lijun no ano passado, que revelou a intensa luta interna entre as facções do alto escalão do PCC antes do 18º Congresso Nacional.

Notícias geradas por Jiang continuaram a aparecer na mídia do continente e no exterior e isso continuou até Xi Jinping assumir o poder completamente na primeira parte deste ano.

A maioria das aparições de Jiang foi escolhida para ocorrer em momentos críticos quando seus partidários estivessem sendo purgados e na tentativa de apoiá-los.

O aparecimento recente de Jiang tem a mesma finalidade, embora os anteriores normalmente não tenham sido tão formais ou se tornado artigos oficiais publicados como desta vez. Então, o que significa o mais recente reaparecimento de Jiang?

Corrupção e lutas internas

Desde que Xi Jinping se tornou o líder do PCC e do Estado, ele prometeu limpar a corrupção no PCC e combater os “grandes tigres”. Mas, como seria de esperar, a reforma e uma campanha anticorrupção no PCC enfrentaram forte oposição do grupo de Jiang.

Liu Yunshan, um homem de frente da facção de Jiang, vem utilizando o aparato de propaganda sob seu controle para tentar forçar Xi Jinping a virar à esquerda. Ao mesmo tempo, Zeng Qinghong, ex-vice-presidente do PCC e um agente influente da facção de Jiang, tem criado incidentes em Hong Kong para pressionar e constranger Xi Jinping.

Assim, Xi Jinping foi forçado a iniciar um movimento de retificação no PCC e no exército e expor ao público a divisão entre os líderes do PCC.

Enquanto isso, Xi Jinping e Wang Qishan, o chefe da vigilância disciplinar da China, continuaram a limpar os subordinados do ex-chefe de segurança pública Zhou Yongkang. Os seguidores incondicionais de Zhou Yongkang foram demitidos um após o outro. Liu Zhijun, um confidente de Jiang, foi julgado para pavimentar o caminho para um eventual julgamento de Bo Xilai.

O sistema de campo de trabalhos forçados, onde inúmeros crimes foram cometidos pela facção de Jiang e coordenados por Zhou Yongkang, está vacilando. Alguns campos de trabalho em Pequim e em outras áreas têm silenciosamente começado a libertar alguns prisioneiros.

Além disso, os meios de comunicação sob o controle de Xi Jinping miraram Zeng Qinghong recentemente. Mais crimes cometidos pela facção de Jiang tendem a ser expostos e o próprio Jiang pode se tornar um “grande tigre” a qualquer momento.

Em tal ambiente, Jiang foi forçado a fazer uma aparição. Na superfície, os elogios generosos de Jiang sobre Xi Jinping deram a impressão de fraqueza e de implorar por misericórdia. Mas os elogios também enviaram uma mensagem ao mundo de que Jiang e Xi Jinping desfrutam de uma relação harmoniosa quando, na realidade, uma batalha intensa e uma divisão séria separam-nos e suas facções.

Crimes contra a humanidade

O aparecimento de alto perfil de Jiang neste momento tem a ver com outro problema, que determinará e afetará o futuro da política e da sociedade da China, que é a contínua perseguição ao Falun Gong.

Em 20 de julho deste ano completou-se 14 anos da perseguição lançada por Jiang Zemin. Praticantes do Falun Gong em todo o mundo fizeram manifestações em grande escala e marchas para denunciar os crimes do PCC à comunidade internacional. Eles também reforçaram a bondade da crença do Falun Gong nos princípios da verdade, compaixão e tolerância.

Muitos meios de comunicação e governos condenaram a perseguição ao Falun Gong, incluindo as dezenas de milhares de casos de colheita forçada de órgão de praticantes do Falun Gong vivos, prisioneiros da consciência detidos ilegalmente pelo PCC. Assim, como punir os culpados se tornou um ponto crucial.

Em 19 de julho, a Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falung Gong (WOIPFG) pediu aos líderes chineses que prendessem os principais protagonistas da perseguição: Jiang Zemin, o ex-chefe de segurança pública Luo Gan, o chefe da “Agência 610” Liu Jing, o ex-chefe de segurança pública Zhou Yongkang, o ex-vice-presidente Zeng Qinghong, ex-membro do Comitê Permanente do Politburo Li Lanqing, o ex-chefe da propaganda Li Changchun, o ex-presidente da Conferência Consultiva Popular Jia Qinglin, o ex-membro do Politburo Liu Qi, o ex-membro do Comitê Permanente do Politburo Wu Guanzheng e outros oficiais de alto escalão do PCC que seguiram as ordens de Jiang Zemin na realização do genocídio contra dezenas de milhões de cidadãos chineses que praticam o Falun Gong.

O anúncio afirmava que se os líderes atuais do regime atrasarem, evitarem ou mostrarem indiferença, eles estariam cometendo o crime de cumplicidade. A aparição de destaque de Jiang Zemin neste momento é um movimento para se salvar e a sua facção.

No entanto, a mensagem primordial é que os atuais líderes do PCC aproveitem a oportunidade para acabar com a perseguição ao Falun Gong e levarem Jiang Zemin à justiça enquanto podem. Isto é um assunto urgente que determinará seus próprios futuros. Jiang Zemin está deixando claro que ele não está morto e que está à espera de seu julgamento.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas