Putin demite comandantes com ‘desempenho ruim’: Ministério da Defesa do Reino Unido

“Uma cultura de acobertamento e bode expiatório provavelmente prevalece no sistema militar e de segurança russo”

Por Jack Phillips 

O presidente russo, Vladimir Putin, demitiu comandantes militares que tiveram um “desempenho ruim” durante o conflito de seu país com a Ucrânia, segundo o Ministério da Defesa do Reino Unido, em uma atualização na quinta-feira.

“Nas últimas semanas, a Rússia demitiu comandantes do alto escalão que considerou terem tido um desempenho ruim durante os estágios iniciais de sua invasão da Ucrânia”, escreveu o Ministério da Defesa em uma publicação no Twitter. “Uma cultura de acobertamento e bode expiatório provavelmente prevalece no sistema militar e de segurança russo”.

A Rússia não emitiu um comentário público sobre a alegação. Não está claro onde o ministério obteve suas informações.

Dois generais foram nomeados pelo ministério, embora sua publicação também sugerisse que outros também podem ter sido substituídos nos últimos dias. O tenente-general Serhiy Kisel, que comandou o 1º Exército Blindado de Guardas da Rússia, foi demitido por não conseguir capturar Kharkiv, uma cidade no leste da Ucrânia localizada perto da fronteira russa, e o vice-almirante Igor Osipov, possivelmente foi demitido após o navio russo Moskva afundado no Mar Negro no mês passado, segundo o Reino Unido.

As autoridades russas contestaram as alegações de que as forças ucranianas afundaram o navio e, em vez disso, alegaram que foi uma explosão de munição e um incêndio.

O Ministério da Defesa também especulou que o chefe do Estado-Maior russo, Valery Gerasimov, ainda “provavelmente permanece no cargo”, mas não está claro se Putin confia nele.

“Muitos funcionários envolvidos na invasão da Ucrânia provavelmente ficarão cada vez mais distraídos com os esforços para evitar a culpa pessoal pelos reveses operacionais da Rússia”, escreveu o ministério do Reino Unido. “Isso provavelmente sobrecarregará ainda mais o modelo centralizado de comando e controle da Rússia, já que os oficiais buscam cada vez mais adiar decisões importantes para seus superiores. Será difícil para a Rússia recuperar a iniciativa nessas condições”.

Várias semanas atrás, após cerca de um mês tentando cercar Kiev, capital da Ucrânia, as forças russas foram puxadas de volta para as partes leste e sul do país. Combates intensos ocorreram em torno de Mariupol e da siderúrgica Azovstal, provocando a rendição de centenas de combatentes nos últimos dias.

O Ministério da Defesa da Rússia disse na quinta-feira que 1.730 militantes, incluindo combatentes do batalhão Azov, se renderam nas últimas 24 horas.

“Nas últimas 24 horas, 771 militantes do batalhão nacionalista Azov, bloqueados na fábrica de Azovstal em Mariupol, se renderam. No total, 1.730 militantes se renderam desde 16 de maio, incluindo 80 feridos”, disse o porta-voz do ministério, major-general Igor Konashenkov, na quinta-feira, segundo a mídia estatal.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse à Reuters que agora começou a registrar centenas de prisioneiros de guerra da siderúrgica Mariupol. A operação para rastrear os combatentes que saem da usina, incluindo os feridos, começou na terça-feira e continua nesta quinta-feira.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas