Putin concorda em restaurar rota marítima para exportação de alimentos da Ucrânia: presidente da Indonésia

Por Aldgra Fredly

O líder russo Vladimir Putin concordou em abrir uma rota marítima para as exportações de alimentos da Ucrânia, disse o presidente indonésio nesta sexta-feira, em um movimento para sustentar a cadeia de suprimentos de alimentos em meio à invasão da Ucrânia por Moscou.

O presidente indonésio, Joko Widodo, encontrou-se com Putin em Moscou apenas um dia depois do seu encontro com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, em Kiev, em 29 de junho, quando ele se ofereceu para se tornar “uma ponte de comunicação” entre os dois líderes.

Durante sua reunião com Putin, Widodo discutiu a interrupção na cadeia de suprimentos de alimentos e fertilizantes e como isso afetará centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, principalmente nos países em desenvolvimento.

“Eu realmente aprecio o presidente Putin, que disse que garantiria a segurança dos suprimentos de alimentos e fertilizantes da Ucrânia e da Rússia. Esta é uma boa notícia”, disse ele ao Ministério das Relações Exteriores.

Widodo disse que apoia os esforços das Nações Unidas para reintegrar alimentos e fertilizantes da Rússia e da Ucrânia nas cadeias globais de fornecimento, incluindo o plano de reabrir uma rota marítima para as exportações de alimentos ucranianos.

“Especificamente para a rota de exportação de produtos alimentícios ucranianos, especialmente pela via marítima, o presidente Putin já deu sua garantia”, observou.

Rússia culpa sanções ocidentais

Putin rejeitou qualquer noção de que seu país fosse responsável pela interrupção na cadeia global de fornecimento de alimentos devido à guerra na Ucrânia, culpando as sanções ocidentais impostas contra seu país, que impediram as exportações russas.

putin-speaks
O presidente russo, Vladimir Putin, preside uma reunião sobre a situação do setor de petróleo e gás na residência estatal de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou, em 14 de abril de 2022. (Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP via Getty Images)

A Rússia foi submetida a uma enxurrada de sanções ocidentais desde a invasão da Ucrânia em fevereiro, incluindo o bloqueio do sistema de mensagens financeiras internacionais SWIFT. Moscou retaliou impondo proibições de exportação de seus produtos.

Em um comunicado, Putin disse que a interrupção na cadeia de fornecimento de alimentos é “uma consequência direta da política macroeconômica irresponsável de longa data de alguns estados, emissão descontrolada, e a acumulação de dívidas sem garantia.”

“No entanto, em vez de admitir que suas políticas econômicas foram equivocadas, os países ocidentais estão desestabilizando ainda mais a produção agrícola global ao impor restrições ao fornecimento de fertilizantes russos e bielorrussos, impedindo as exportações de grãos russos para os mercados mundiais”.

A Rússia é um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo, exportando mais de 43 milhões de toneladas de grãos e 33 milhões de toneladas de trigo para 161 países no ano passado, disse o líder russo.

Putin disse que seu país está preparado “para atender à demanda de produtores agrícolas na Indonésia e outros países amigos com nitrogênio, fósforo, fertilizantes de potássio e [outras] matérias-primas para sua produção”.

Crise alimentar iminente

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PAM) alertaram para várias crises alimentares iminentes provocadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia, choques climáticos e os impactos persistentes da pandemia de COVID-19.

Em um relatório de 7 de junho (pdf) intitulado “Hunger Hotspots – FAO-WFP early warnings on acute food insecurity”, as organizações disseram que a insegurança alimentar aguda provavelmente “será ainda mais acentuada” em 20 nações em todo o mundo entre julho e setembro de 2022, e pediu uma ação humanitária urgente.

Além disso, 49 milhões de pessoas em 46 países em todo o mundo podem estar enfrentando fome ou condições semelhantes à fome, a menos que recebam “assistência imediata para salvar vidas e meios de subsistência”, disseram as organizações.

Juntamente com choques climáticos recorrentes, como secas, inundações e furacões que afetam a agricultura e a pecuária, e condições macroeconômicas terríveis em alguns países após a pandemia de COVID-19, as consequências globais do conflito Rússia-Ucrânia estão exacerbando ainda mais as condições em algumas nações, de acordo com o relatório.

Enquanto isso, o aumento dos custos de energia – outro efeito colateral do conflito militar em andamento na Ucrânia – e os enormes encargos da dívida pública, estão piorando ainda mais a situação em muitas nações.

“Estamos profundamente preocupados com os impactos combinados de crises sobrepostas que prejudicam a capacidade das pessoas de produzir e acessar alimentos, levando milhões a níveis extremos de insegurança alimentar aguda”, disse o diretor-geral da FAO, Qu Dongyu.

Katabella Roberts contribuiu para este artigo.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas