Putin acorda o Ocidente

O Ocidente está descobrindo que acabar com a guerra é um jogo que requer dois jogadores

Por Ben Shapiro

Comentário

Após o fim da Guerra Fria, especialistas em política externa de todo o espectro nos asseguraram que as coisas haviam mudado. As guerras por pura conquista de fronteiras terminaram. As guerras pelo petróleo logo seriam coisa do passado. Em vez disso, o mundo cada vez mais entrelaçado iria se mover em direção à paz. Thomas Friedman sugeriu em seu grande best-seller de 1999 “O Lexus e a Oliveira” que dois países com McDonald’s não entrariam em guerra um com o outro; Francis Fukuyama afirmou em “O Fim da História e o Último Homem” que havíamos chegado ao “ponto final da evolução ideológica da humanidade e a universalização da democracia liberal ocidental como a forma final de governo humano”.

O Ocidente começou a provar essas teses dúbias adotando o que poderia ser chamado de política externa de avestruz: uma vontade de colocar as considerações de segurança em último lugar e perseguir objetivos utópicos com entusiasmo. A Alemanha passou décadas tornando-se mais dependente do gás natural e do petróleo russos para perseguir o sonho da energia verde, enquanto reduzia seu orçamento de defesa como porcentagem do PIB. A França agiu de forma semelhante. Da mesma forma fez o Reino Unido.

O Ocidente apostou em mais interdependência econômica por meio do Fundo Monetário Internacional e da Organização Mundial do Comércio, mais diplomacia em Davos e nas Nações Unidas.

Acima de tudo, o Ocidente apostou em sua própria relutância em reconhecer a realidade. Quando, em 2012, Mitt Romney cometeu o erro crucial de lembrar aos americanos que a Rússia era um inimigo geopolítico, o presidente Barack Obama zombou dele abertamente. O mesmo aconteceu com as reclamações da mídia de Obama. A década de 1980 havia chamado e eles queriam sua política externa de volta.

Quando competidores globais agressivos deixaram claro que não acreditavam na visão do Ocidente de um futuro materialista grandioso e glorioso combinado com o estatismo do bem-estar – que eles acreditavam que suas próprias histórias nacionais ainda não haviam sido totalmente escritas e que suas ambições territoriais centenárias eram ainda bem vivo — o Ocidente simplesmente olhava para o outro lado. Quando a Rússia invadiu a Geórgia em 2008, o Ocidente não fez nada. Quando a Rússia invadiu a Crimeia em 2014, o Ocidente não fez nada. Quando a China revogou seu tratado com o Reino Unido e assumiu Hong Kong em 2020, o Ocidente não fez nada. E, claro, o presidente Joe Biden removeu precipitadamente o apoio americano ao regime afegão, derrubando-o em favor do Talibã.

O Ocidente decidiu que tornaria um futuro sem guerra uma realidade simplesmente acabando com a guerra.

Agora, como o Ocidente está descobrindo, acabar com a guerra é um jogo que requer dois jogadores. O presidente russo, Vladimir Putin, viu a fraqueza ocidental como o ímpeto para seu grande movimento estratégico final: a destruição e ocupação da Ucrânia. E o Ocidente foi chocado de volta à realidade: sim, os oponentes da hegemonia americana são territorialmente ambiciosos; sim, eles querem mais do que mera integração nos mercados mundiais; sim, eles estão dispostos a matar e invadir para atingir seus objetivos. Os tempos e as tecnologias podem mudar, mas a natureza humana permanece a mesma.

Como George Orwell escreveu em 1940 sobre a ascensão dos nazistas: “Quase todo o pensamento ocidental desde a última guerra, certamente todo pensamento ‘progressista’, assumiu tacitamente que os seres humanos não desejam nada além de facilidade, segurança e evitar a dor… Hitler, em sua própria mente sem alegria o sente com força excepcional, sabe que os seres humanos não querem apenas conforto, segurança, jornadas de trabalho curtas, higiene, controle de natalidade e, em geral, bom senso; eles também, pelo menos intermitentemente, querem luta e auto-sacrifício, para não mencionar tambores, bandeiras e desfiles de lealdade”.

O Ocidente levantou-se para enfrentar o desafio de Hitler. Parece que o Ocidente está se levantando novamente para enfrentar o desafio da agressão russa. Só podemos esperar que o novo compromisso do Ocidente com uma ideia muito antiga – a ideia de que apenas um senso de propósito ocidental combinado com um pensamento muito teimoso sobre o poder duro pode preservar a liberdade – dure mais do que a invasão de Putin. Se isso não acontecer, a reformulação da ordem mundial continuará, em detrimento duradouro de um Ocidente que só agora está tirando a cabeça da areia.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas