Psaki defende a não exigência de testes negativos de COVID-19 ou prova de vacinação de imigrantes

Por Isabel van Brugen

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, defendeu na segunda-feira a decisão do governo Biden de não exigir resultados negativos do teste COVID-19 ou prova de vacinação de pessoas que cruzam ilegalmente a fronteira entre EUA e México.

Psaki, respondendo a uma pergunta de um repórter sobre se os oficiais de patrulha de fronteira pedem para ver a prova de vacinação contra COVID-19 ou resultados de teste negativos “se alguém entrar no país, atravessar o rio”, disse que a imigração ilegal não é comparável a estrangeiros que chegam de avião aos Estados Unidos.

A pergunta foi levantada pelo anúncio da Casa Branca na segunda-feira de que todos os visitantes estrangeiros precisam ser vacinados e apresentar comprovante de vacinação antes de embarcar em um voo com destino aos Estados Unidos. O coordenador da COVID-19 da Casa Branca, Jeff Zients, disse em uma entrevista coletiva que os indivíduos também devem apresentar um teste COVID-19 negativo pelo menos 72 horas antes de voar.

“À medida que os indivíduos cruzam a fronteira, os dois são avaliados para verificar se apresentam algum sintoma. Se apresentarem sintomas, a intenção é que sejam colocados em quarentena ”, disse Psaki, referindo-se aos indivíduos que entraram ilegalmente pela fronteira sul. “Esse é o nosso processo.”

Psaki disse que as duas situações não são comparáveis.

“Eles não pretendem ficar aqui por um longo período de tempo. Não acho que seja a mesma coisa ”, acrescentou ela.

O presidente Joe Biden presidiu o que está em vias de ser a pior crise de fronteira da história dos EUA em termos do número de imigrantes ilegais que os agentes e oficiais dos EUA encontraram. O número chegou a 200.000 em julho e agosto.

Municípios ao longo da fronteira sul encontraram taxas de positividade de COVID-19 de até 40% em imigrantes ilegais, gerando preocupações sobre o envio de autoridades federais a comunidades nos Estados Unidos.

A cidade de Laredo, Texas, processou o governo federal recentemente para bloquear o transporte e a liberação de imigrantes ilegais para a cidade depois que as ONGs locais ficaram sobrecarregadas com o volume de imigrantes ilegais não testados. A cidade posteriormente desistiu da ação após chegar a um acordo com as autoridades federais.

O governador do Texas, Greg Abbott, travou uma troca de ideias com o procurador-geral Merrick Garland após emitir uma ordem executiva que restringia o transporte de estrangeiros ilegais para o Texas devido ao COVID-19. A ordem de Abbott foi bloqueada por um juiz federal.

“Estamos expulsando indivíduos com base no Título 42 especificamente por causa da COVID, porque queremos evitar um cenário em que um grande número de pessoas se reúnam, representando uma ameaça para a comunidade e também para os próprios migrantes”, acrescentou Psaki.

Os comentários do secretário de imprensa da Casa Branca chegam no momento em que mais de 10.000 imigrantes ilegais se acumularam em Del Rio, Texas, cerca de 96 quilômetros a noroeste de Piedras Negras e Eagle Pass, nos últimos dias – a maioria do Haiti.

As autoridades de fronteira dos EUA removeram até agora mais de 6.500 da área.

 

Charlotte Cuthbertson contribuiu para este relatório.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas