Protestos e panelaços na Argentina contra expropriação da agroexportadora Vicentín

Por Agência EFE

A Argentina foi palco no sábado de protestos, buzinas e panelaços que ocorreram em várias cidades contra a expropriação da empresa de agroexportação Vicentín pelo governo de Alberto Fernández.

No Obelisco de Buenos Aires, milhares de pessoas se reuniram, muitas a pé e outras com seus carros, carregando bandeiras argentinas no meio da quarentena da pandemia do vírus do PCC, comumente conhecida como o novo coronavírus, para exigir que o Estado reverta a expropriação da empresa, originária da província de Santa Fe (centro-leste).

Controvérsia desde a tomada de decisão pelo o governo

Os protestos começaram na província há algumas semanas, quando a decisão do governo ficou conhecida, e também houve manifestações no sábado, que também foi o Dia da Bandeira na Argentina.

Outros lugares como Córdoba (centro), Resistência (Chaco, norte) e Salta (norte), se juntaram ao protesto.

Em 8 de junho, Fernández anunciou a intervenção e sua decisão de enviar ao Congresso um projeto de lei para desapropriar a empresa de agroexportação fundada há quase cem anos e originária da província de Santa Fe.

Uma mulher bate na tampa de uma panela enquanto carrega a bandeira nacional argentina durante uma manifestação pela quarentena e desapropriação da empresa de agronegócio Vicentin pelo governo do presidente Alberto Fernández no Obelisco de Buenos Aires, em 20 de junho de 2020 (Foto de ALEJANDRO PAGNI / AFP via Getty Images)
Uma mulher bate na tampa de uma panela enquanto carrega a bandeira nacional argentina durante uma manifestação pela quarentena e desapropriação da empresa de agronegócio Vicentin pelo governo do presidente Alberto Fernández no Obelisco de Buenos Aires, em 20 de junho de 2020 (Foto de ALEJANDRO PAGNI / AFP via Getty Images)

Na sexta-feira, o governo argentino endossou um projeto alternativo do governador da província de Santa Fe (centro leste), Omar Perotti, para intervir na Vicentín sem que haja desapropriação, de forma que a província de Santa Fe, usando a Inspeção do Povo Legal de Santa Fe, passe a gerenciar a empresa e realizar seu resgate.

Reação contrária dos cidadãos

As manifestações de sábado tiveram a participação de pessoas que se auto-convocaram através das redes sociais, embora entidades do setor agrícola e associações como Campo Más Ciudad tenham chamado para se concentrar “em defesa da propriedade” e dizer “não às expropriações”.

A oposição, desde as últimas semanas, têm criticado a medida de intervenção da empresa no intuito de expropriá-la.

“Eles não vão desapropriá-la”, dizia uma das mensagens escritas sobre bandeiras argentinas na manifestação de Buenos Aires, onde o panelaço foi feito nas varandas das pessoas que preferiam protestar sem sair de casa.

Manifestantes agitam as bandeiras nacionais da Argentina em uma carreata para protestar contra a quarentena e a expropriação da empresa de agronegócio de Vicentín pelo governo Alberto Fernández no Obelisco de Buenos Aires (Argentina), em 20 de junho de 2020 (Foto de ALEJANDRO PAGNI / AFP via Getty Images)
Manifestantes agitam as bandeiras nacionais da Argentina em uma carreata para protestar contra a quarentena e a expropriação da empresa de agronegócio de Vicentín pelo governo Alberto Fernández no Obelisco de Buenos Aires (Argentina), em 20 de junho de 2020 (Foto de ALEJANDRO PAGNI / AFP via Getty Images)

Aqueles que protestavam dos carros também carregavam faixas nacionalistas.

Atualmente, a cidade é, juntamente com o restante da região metropolitana de Buenos Aires, o principal foco de infecções pelo vírus do PCC na Argentina.

O presidente defende o projeto do governador de Santa Fe

Fernández disse neste sábado em declarações de rádio que, se o magistrado que leva a causa da falência de Vicentín disser não à proposta apresentada por Perotti na noite passada, a única maneira possível é “a de expropriação”.

“Não havia caminho de volta”, defendeu o chefe de Estado, que afirmou que não pode deixar os atuais acionistas da Vicentín “na frente da empresa” porque são “a causa do problema”.

A Vicentín solicitou a falência preventiva dos credores em fevereiro com uma dívida estimada em cerca de 1.350 milhões de dólares e entre seus credores estão 2.600 produtores agrícolas, bancos públicos, liderados pelo Banco Nación, de propriedade estatal, e um comitê de credores estrangeiros liderado pela Corporação Financeira Internacional (IFC, dependente do Banco Mundial).

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas