Protestos de Hong Kong continuam após polícia anunciar 16 prisões

Por Frank Fang, Epoch Times

Em Hong Kong mais protestos estão sendo planejados em 11 de agosto, depois de mais uma noite de confrontos entre manifestantes e a polícia local.

Este fim de semana marca a décima semana de protestos contra um controverso projeto de lei de extradição, que muitos Hongkongers temem minar a independência da cidade, já que suspeitos podem ser extraditados e julgados nos tribunais da China – notórios por seu desrespeito ao Estado de direito.

Hong Kong protests
Manifestantes pintam um pôster gigante em um comício no Edinburgh Place em Hong Kong, em 10 de agosto de 2019 (Song Bilong / The Epoch Times)

Em outro evento chamado “Guard Our Children’s Future”, as famílias realizaram uma manifestação no Edinburgh Place, no distrito comercial da cidade de Central, antes de marchar para a sede do governo de Hong Kong.

Em Tai Po, uma área residencial nos Novos Territórios, os manifestantes compareceram para uma marcha planejada, apesar de não receberem aprovação da polícia. As multidões então dividiram-se em várias frentes, adotando esse estilo de protesto nas áreas próximas. Em resposta, a polícia disparou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes em três locais: Sha Tin, Tai Wai e Tsim Sha Tsui.

Hong Kong protests
Batalhão de choque dispara gás lacrimogêneo durante uma clareira em uma manifestação em Tai Wan, em Hong Kong, em 10 de agosto de 2019 (Anthony Kwan / Getty Images)

Na madrugada de 11 de agosto, o governo de Hong Kong divulgou um comunicado dizendo que prendera 16 pessoas durante a madrugada por “reunião ilegal, posse de arma ofensiva, agressão a um policial e obstrução de um policial na execução de tarefas”.

Em 4 de agosto, a mídia de Hong Kong informou que cerca de 300 pessoas haviam sido presas desde junho.

Os protestos em massa na antiga colônia britânica começaram em 9 de junho, quando mais de 1 milhão de pessoas tomaram as ruas para protestar contra a lei. A lei proposta foi indefinidamente suspensa pela líder de Hong Kong, Carrie Lam, em 15 de junho, após protestos em grande escala e condenação pública do uso da força pela polícia na dispersão de manifestantes que cercaram escritórios do governo em 12 de junho.

Agora, os manifestantes estão exigindo mais do que a retirada total do projeto; eles também estão exigindo uma investigação independente sobre o uso da força policial e do sufrágio universal.

Pequim recorreu a uma linguagem forte contra os protestos em Hong Kong. Em 6 de agosto, o Escritório de Assuntos de Hong Kong e Macau da China, a agência máxima de Pequim na cidade, acusou os manifestantes de “atores descarados, violentos e criminosos” em uma entrevista coletiva.

A mídia estatal chinesa People’s Daily, em um artigo de opinião publicado em 9 de agosto, denunciou a demanda dos Hongkongers por sufrágio universal como “atropelamento do Estado de Direito [da cidade] e a blasfêmia contra os valores centrais de Hong Kong”.

Há três protestos programados para 11 de agosto – um deles é uma continuação do pacífico protesto no saguão de desembarque do Aeroporto Internacional de Hong Kong, que começou em 9 de agosto.

A mídia de Hong Kong informou que cerca de 2.000 manifestantes participaram do evento em 10 de agosto, quando alguns receberam os passageiros com panfletos em inglês e chinês explicando seus protestos enquanto pediam desculpas pelos inconvenientes que causavam.

Hong Kong airport protest
Os manifestantes encenam um protesto no Aeroporto Internacional de Hong Kong em 10 de agosto de 2019 (Thomas Lam / The Epoch Times)

Uma passeata será realizada no Victoria Park, Causeway Bay, a partir das 13:00 no horário local.

No Sham Shui Po, um distrito de Kowloon, os organizadores locais afirmaram que não realizariam uma passeata originalmente programada para sair do Maple Street Playground até o Sham Shui Po Sports Ground, depois que seu apelo a uma comissão local foi rejeitado, segundo a mídia RKK de Hong Kong.

No momento em que escrevo, não se sabe se uma passeata ainda será realizada no playground ou no campo de esportes.

O Epoch Media Group transmitirá os protestos no dia 11 de agosto, ao vivo, a partir das 14h30 do Epoch Times e das páginas do YouTube e do Facebook da NTD Television.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
Matérias Relacionadas