Ativistas protestam contra planos do Zimbábue de exportar elefantes para China

Há uma grande preocupação que a China tenha um dos piores recordes mundiais quando se trata do comércio ilegal de espécies selvagens ameaçadas de extinção

Por Andrew Mambondiyani, Epoch Times

MUTARE, Zimbábue – Planos do governo do Zimbábue para exportar até 35 filhotes de elefantes para a China provocaram um clamor entre os conservacionistas da vida selvagem que dizem que os procedimentos adequados não foram seguidos.

Eles também levantam preocupações sobre o papel significativo da China no comércio global de espécies ameaçadas de extinção.

Investigações de ativistas de proteção da vida selvagem revelaram que os bebês elefantes, com apenas dois anos, foram separados de suas mães e mantidos em currais no Parque Nacional Hwange, no Zimbábue, enquanto os preparativos acontecem para serem enviados para a China, onde serão colocados em zoológicos .

O plano de exportação foi totalmente condenado pelos ambientalistas locais e internacionais, que dizem que a remoção de elefantes jovens do rebanho é altamente prejudicial – não apenas para os jovens elefantes, mas para todo o rebanho.

Segundo Sharon Hoole, uma ativista dos direitos dos animais do Zimbábue com o grupo Bring Back Our Rhinos, baseado no Reino Unido, a Wildlife Act determina que certos critérios devem ser seguidos antes que a vida selvagem possa ser vendida, mas o governo não respeitou tais normas.

“Deveria haver consulta pública às partes interessadas, consulta parlamentar… Mesmo durante a captura, eles precisam atender a um critério em que representantes de cidadãos, partes interessadas e serviços de bem-estar animal devem estar envolvidos”, disse Hoole em uma entrevista.

“Essa captura e exportação dos filhotes de elefantes é ilegal porque esses critérios não foram cumpridos, mas eles não se importam com isso porque sabem que ninguém fará nada. Então temos que fazer alguma coisa.

baby elephants at a national park in zimbabwe
Elefantes filhotes fotografados em um curral no Parque Nacional de Hwange, no Zimbábue (Andrew Mambondiyani para o Epoch Times)

O especialista em vida selvagem Mike Hitschmann, que dirige a Reserva Natural Cecil Kop, disse que uma grande preocupação é que a China tenha um dos piores recordes mundiais quando se trata do comércio ilegal de espécies selvagens ameaçadas de extinção.

Segundo o Centro Wilson, com sede nos Estados Unidos, especialistas afirmam que a demanda chinesa por produtos da vida selvagem está impulsionando o comércio global de espécies ameaçadas de extinção. Os especialistas disseram que muitos animais selvagens, especialmente tigres, ursos e rinocerontes, são cultivados em massa na China e tratados de forma desumana. Os tigres são criados para a produção de itens de luxo, como vinho de osso de tigre e tapetes de pele de tigre, e os ursos são “ordenhados” por sua bílis para uso na medicina tradicional chinesa.

Hitschmann disse que o relacionamento da China com a África é outra parte do problema, é um flagrante neocolonialismo, que floresce em países que têm governos questionáveis e dá a Pequim a vantagem.

“O Zimbábue não é exceção e, basicamente, o que os chineses querem ou precisam, agora podem obtê-lo – sejam nossos recursos minerais ou nossos recursos naturais na forma de vida selvagem”, disse ele.

“Com o advento do novo governo sob o presidente Emmerson Mnangagwa, não houve melhora. De fato, parece que a situação está piorando”.

Hitschmann disse que a partir do momento em que a presença chinesa começou a aumentar no Zimbábue, a maioria das espécies de répteis do país, como cágados e tartarugas, bem como rinocerontes, foram afetadas negativamente. Agora são elefantes e ele está preocupado com o declínio das populações.

Tinashe Farawo, porta-voz da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Silvestre do Zimbábue, negou que o governo esteja capturando elefantes pequenos para exportação para a China.

“Somos conhecidos por sermos líderes em conservação da vida selvagem e não podemos capturar elefantes para exportação”, disse ele. “Só podemos capturar subadultos – isto é, se quisermos capturar qualquer elefante [para exportação]. Nós capturamos apenas elefantes adultos jovens que não são mais dependentes de suas mães. Mas neste caso, não estamos fazendo isso ”.

Farawo disse que o Zimbábue tem mais 80 mil elefantes, o dobro da capacidade de 40 mil do país.

“A última vez que nós selecionamos os elefantes foi em 1987 e os números estão crescendo, por isso estamos experimentando conflitos entre humanos e elefantes. Cerca de cinco pessoas foram mortas por elefantes este ano”, disse ele.

Mike Hitschmann (esq) no campo na reserva natural de Cecil Kop, Mutare, Zimbabwe (Confiança do ZENWE)

Entretanto, Hitschmann disse que as alegações de excesso de população são falsas e estão sendo usadas como base para se opor à proibição mundial do comércio de marfim e para justificar a remoção de filhotes de elefantes da natureza para exportação para zoológicos e parques temáticos chineses.

Segundo a Humane Society dos Estados Unidos, esta é a quarta vez desde 2012, que o Zimbábue captura elefantes para exportação para a China – um total de 108 elefantes – apesar da ampla oposição.

Hitschmann disse que outras questões para os elefantes do Zimbábue são práticas de gestão precárias que permitiram o aumento da invasão humana em áreas protegidas, como parques nacionais, e decisões políticas ruins que resultaram em menos terras disponíveis para animais silvestres.

Ele acredita que o manejo eficaz da fauna silvestre requer um pensamento “fora da caixa”, como se uma área específica tivesse uma alta população de elefantes que ameaça a biodiversidade, então os rebanhos podem ser realocados para áreas onde não há elefantes, incluindo outros países da África.

“Desta forma, fazemos a nossa parte para abrandar o crash da população em geral, mantendo os elefantes na África, que é o seu ambiente, e faz sentido porque necessitamos de turistas para visitar elefantes na África – não na China. “

 
Matérias Relacionadas