Proposta da Câmara visa impedir que principais funcionários do PCC e suas famílias entrem nos EUA

Governo Trump aumenta o escrutínio sobre os cidadãos chineses que se inscrevem para estudar nos Estados Unidos

Por Frank Fang

A deputada Debbie Lesko (R-Ariz.) apresentou uma legislação destinada a prevenir o regime chinês de saquear a propriedade intelectual e os segredos comerciais da América ao negar vistos a pessoas com ligações com o Partido Comunista Chinês (PCC).

O projeto, apelidado de “Lei para Impedir o Roubo de Propriedade Intelectual da China”, proibiria a emissão de vistos para altos funcionários do PCC, incluindo os do Politburo, um grupo dos 25 membros de elite do Partido, o Comitê Central, composto pela alta administração, delegados da 19ª legislatura fantoche – o Congresso Nacional do Povo – , e cônjuges e filhos desses funcionários.

Membros em serviço ativo do Exército Chinês, do Exército de Libertação do Povo (PLA) e membros do gabinete do governo central também estão proibidos.

“A China tem uma longa história de roubo de propriedade intelectual”, disse Lesko em uma declaração de 17 de novembro de seu escritório.

“Espero que, ao restringir a entrada de funcionários chineses importantes e suas famílias nos Estados Unidos, possamos enviar uma mensagem à China e ao Partido Comunista Chinês de que não toleraremos mais o roubo de propriedade intelectual americana”, acrescentou.

O governo Trump, especialmente por meio de processos do Departamento de Justiça, tem nos últimos anos reprimido o roubo de propriedade intelectual chinesa de empresas americanas.

A proibição seria suspensa assim que o Diretor de Inteligência Nacional (DNI) certificasse aos comitês judiciais, tanto na Câmara quanto no Senado, que o regime chinês “parou de patrocinar, financiar, facilitar e trabalhar ativamente para apoiar os esforços que infringem a propriedade intelectual, direitos dos cidadãos e empresas dos Estados Unidos”, segundo o comunicado.

A medida é co-patrocinada por Andy Biggs (R-Ariz.), Mo Brooks (R-Ala.), Matt Gaetz (R-Fla.), Jody Hice (R-Ga.), Scott Perry (R-Pa.), Greg Steube (R-Flórida), Denver Riggleman (R-Va.) E Jeff Van Drew (RN.J.).

O diretor do DNI, John Ratcliffe, que foi confirmado para o cargo em maio, disse à Fox News em agosto que “a China representa uma ameaça maior à segurança nacional dos Estados Unidos do que qualquer outra nação, econômica, militar e tecnologicamente. Isso inclui ameaças de influência e interferência eleitoral”.

O antecessor de Ratcliffe, Dan Coats, expressou preocupações semelhantes durante uma audiência no Senado em janeiro de 2019.

“A busca da China por propriedade intelectual dos EUA, planos de pesquisa e desenvolvimento confidenciais e dados pessoais continuam sendo uma ameaça significativa ao governo dos EUA e ao setor privado”, disse Coats.

Para evitar o roubo de propriedade intelectual, o governo Trump aumentou o escrutínio sobre os cidadãos chineses que se inscrevem para estudar nos Estados Unidos.

Em setembro, o Departamento de Estado anunciou que havia revogado mais de 1.000 vistos para cidadãos chineses por causa de seus laços militares. O presidente Donald Trump havia feito, no início de maio, uma proclamação para limitar a emissão de vistos, devido a possíveis problemas de roubo de propriedade intelectual.

Em 2020, o DOJ e o FBI expuseram seis pessoas que vieram da China para estudar nos Estados Unidos depois de esconder sua afiliação com o Exército de Libertação do Povo (PLA) em seus pedidos de visto.

Por exemplo, Song Chen, uma pesquisadora chinesa visitante da Universidade de Stanford, foi acusada de fraude de visto por supostamente não revelar seu relacionamento com os militares chineses em julho. De acordo com os documentos do tribunal, ela foi considerada filiada à Força Aérea do PLA e à Quarta Universidade Médica Militar.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas