Propagação global do vírus do PCC impedirá a recuperação da China

A demanda do consumidor pelas exportações da China está prestes a sofrer um golpe ainda maior

Por Chriss Street

Análise de notícias

A economia da China “caiu de um penhasco” durante o surto inicial do vírus do PCC, e agora enfrenta riscos de recuperação, já que seus clientes internacionais foram atingidos pela pandemia global, de acordo com o Inkstone News, uma plataforma de jornal on-line focada na China.

O assessor de política econômica da China, Zhang Yansheng, tentou tranquilizar os analistas de Wall Street em meados de fevereiro informando que o surto do vírus causaria apenas uma modesta redução no crescimento do PIB da China em 2020 para “cerca de 6%” , comparado a uma expansão de 6,1% em 2019. A China também alegou estar abrindo fábricas, aeroportos e portos para retomar as exportações na esperança de ganhar participação de mercado de clientes prejudicados pelo PCC (Partido Comunista Chinês).

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e causasse uma pandemia global.

Mas o Inkstone News informou que a economia da China nos primeiros dois meses de 2020 viu o investimento em ativos fixos cair 24,5%, no consumo de combustível em 20,5%, na produção industrial em 13,5%, e no consumo de energia caiu na taxa mais rápida em 5 anos.

A censura das informações pelo regime chinês e o atraso na resposta ao surto inicial do vírus do PCC criaram uma epidemia em toda a China e desencadearam a primeira pandemia maciça do mundo desde a gripe de 1918.

O Goldman Sachs respondeu à falta de abertura da China cortando as estimativas de crescimento do PIB do primeiro trimestre para 9% negativos. Tanto o Goldman Sachs quanto o Morgan Stanley alertam que a combinação de um choque do lado da oferta do fechamento da China, juntamente com um choque do lado da demanda do fechamento diante da pandemia global significa que a China estará à beira de sua primeira Contração econômica anual desde 1976.

A demanda global pelas exportações da China foi atingida primeiro pelo efeito negativo sobre o patrimônio associado à perda de US$ 27 trilhões no mercado de ações entre 20 de janeiro e 19 de março. Essas perdas ocorreram apesar do Federal Reserve dos Estados Unidos, do Banco da Inglaterra e do Banco Central Europeu introduzirem cerca de US$ 3 trilhões em liquidez de emergência nos bancos.

No entanto, a demanda do consumidor pelas exportações da China está prestes a sofrer um golpe ainda maior à medida que nações ao redor do mundo implementam distanciamento social e fechamento de negócios para conter a propagação do vírus do PCC.

Alguns especialistas prevêem que a perda de empregos nos EUA em abril ficarão entre 500.000 e 5 milhões. James Bullard, presidente da filial de St. Louis no Federal Reserve Bank dos EUA, prevê que o PIB do segundo trimestre possa cair 50%, o que faria com que a taxa de desemprego nos EUA aumentasse em 30%. Tais perdas seriam aproximadamente três vezes o máximo de 10,2% de desemprego na Grande Recessão de 2009 e mais do que a taxa de desemprego de 24,5% da Grande Depressão de 1933.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas