Publicado em - Atualizado em 19/05/2017 às 10:34

Promotores suecos retiram investigação contra Julian Assange

Está suspensa a longa investigação sobre o suposto estupro contra o fundador do WikiLeaks

Julian Assange, criador do software colaborativo Wikileaks (Taylor Hill/Getty Images)

Julian Assange, criador do software colaborativo Wikileaks (Taylor Hill/Getty Images)

Em vez de ser “sequestrados” silenciosamente pela CIA, como alguns especularam depois de sua recente e infame conversa com Mike Pompeo, o fundador da Wikileaks, Julian Assange, poderá em breve ser um homem livre depois de passar cerca de cinco anos exilado na embaixada do Equador em Londres.

Os promotores suecos disseram que decidiram suspender a longa investigação sobre o suposto estupro contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange. Assange nega a alegação de estupro e não foi oficialmente acusado disso.

“A promotora Marianne Ny decidiu hoje suspender a investigação preliminar sobre a suspeita de estupro referente a Julian Assange”, afirmou a promotoria em comunicado, citada pela Reuters.

“Dado que todas as opções para avançar o inquérito estão esgotadas, parece que – à luz das opiniões expressas pelo Supremo Tribunal sobre a proporcionalidade de prender alguém in absentia – já não é proporcional manter a decisão de remissão Julian Assange Em sua ausência “, escreveu Ny.

Em resposta, Assange postou uma foto de si mesmo sorrindo no Twitter, enquanto seu advogado na Suécia, Per Samuelsson, disse à imprensa sueca: “É uma vitória total para Julian Assange.” Ele acrescentou: “Ele é livre para deixar a embaixada sempre que quiser . ”

O anúncio da Suécia ocorre seis meses depois de Assange ter sido interrogado por promotores suecos na embaixada do Equador em Londres, alegando que violou uma mulher durante uma visita à Suécia em 2010.

O Equador, que abriga Assange desde 2012, permitiu que um promotor sueco questionasse Assange somente depois que a Suécia concordou que um promotor equatoriano colocaria as perguntas a Assange fornecidas pelo lado sueco.

A decisão de abandonar a investigação sobre suposto estupro por Assange marca o fim de um período de sete anos que levou ao exílio auto-imposto do fundador da Wikileaks. Assange vive na Embaixada do Equador em Londres desde 2012, a fim de evitar a extradição para a Suécia sobre a alegação, que ele nega.

Um dos advogados de Assange disse na sexta-feira (19) que encerrar a investigação ou remover o mandado de detenção da União Européia não significaria necessariamente que ele poderá viajar facilmente ao Equador, que lhe concedeu asilo. “A primeira coisa que é provável que se faça é buscar garantias das autoridades britânicas de que ele não será capturado de outra forma”, disse Melinda Taylor à agência de notícias TT.

Isso, entretanto, será problemático, porque a polícia metropolitana de Londres (também conhecida como Met) anunciou que Assange ainda será preso caso deixe a embaixada. Entretanto, a Met indicou que pode considerar o caso como de baixa prioridade dado que a Suécia removeu as acusações mais graves contra Assange.

“Nossa reação [Met] refletiu a gravidade do crime”, disse a polícia em sua declaração. “Agora que a situação mudou e as autoridades suecas interromperam a sua investigação sobre este assunto, Assange continua a ser procurado por uma infracção muito menos grave. O [Met] irá despender um nível de recursos proporcional a esse novo cenário.”

Outro de seus advogados, Melinda Taylor, disse que Assange provavelmente procuraria obter garantias das autoridades britânicas de que ele não seria preso por nenhuma outra razão antes de deixar a embaixada.

WikiLeaks escreveu no Twitter que estava buscando esclarecimentos do Reino Unido sobre se havia recebido um pedido de extradição dos EUA, que vem investigando Assange há anos após a publicação da WikiLeaks de informações classificadas. “O Reino Unido se recusa a confirmar ou negar se já recebeu um mandado de extradição dos EUA para Julian Assange”, escreveu WikiLeaks. “Foco agora se move para o Reino Unido.”

Jeff Sessions, procurador-geral dos EUA, disse em abril que a prisão de Assange era uma “prioridade”. Ele acrescentou: “Nós já começamos a intensificar nossos esforços e sempre que um caso existir, vamos procurar colocar as pessoas na cadeia”.

Originalmente publicada em: Zero Hedge Ir para a home do Epoch TimesVer original
Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016