Promotores e defesa apresentam seus argumentos finais no julgamento de Ghislaine Maxwell

'Maxwell e Epstein eram um casal rico que usou seu privilégio para predar crianças de famílias em dificuldades', afirmou a promotora

Por Jack Phillips

Os promotores, na segunda-feira, apresentaram seus argumentos de encerramento no julgamento de Ghislaine Maxwell por tráfico sexual, afirmando que a socialite britânica e ex-associada de Jeffrey Epstein atacou meninas vulneráveis ​​como parte do amplo esquema de Epstein para assediá-las sexualmente.

Maxwell, de 59 anos, anteriormente se declarou inocente de seis acusações federais, como tráfico sexual de menores, induzir uma menor a viajar para se envolver em atos sexuais ilegais, transportar uma menor com a intenção de se envolver em atividade sexual criminosa e três acusações de conspiração. Ela pode pegar até 70 anos de prisão se for condenada por todas as acusações.

“Maxwell e Epstein eram um casal rico que usou seu privilégio para predar crianças de famílias em dificuldades”, afirmou a promotora Alison Moe aos jurados, de acordo com repórteres do tribunal. “A forma como eles selecionaram essas garotas mostra que eles tinham como alvo crianças vulneráveis. Não é por acaso que Jane e Kate e Annie e Carolyn vieram de famílias com mães solteiras”.

Mas Laura Menninger, advogada de defesa de Maxwell, declarou aos jurados que Maxwell foi injustamente acusada após Epstein morrer na prisão. Ela alegou que os promotores estavam perseguindo Maxwell injustamente porque Epstein morreu antes que eles pudessem chegar até ele.

“O governo, neste caso, realizou uma reviravolta porque Epstein não está aqui”, declarou Menninger, de acordo com repórteres. O julgamento não foi transmitido ao vivo ou televisionado.

“Ghislaine Maxwell não é Jeffrey Epstein”, continuou Menninger, acrescentando que quatro acusadores que testemunharam contra sua cliente são motivados pela ganância. “Memórias foram manipuladas para contribuir ao dinheiro”.

Durante os argumentos finais, os promotores também tomaram nota do “livrinho preto” de Maxwell, uma lista telefônica escrita à mão. O livro corrobora o testemunho de várias das supostas vítimas de Maxwell, afirmou Moe no tribunal, porque a lista inclui o nome e o número do ex-namorado de uma acusadora, Shawn, que testemunhou que deixaria a mulher na mansão de Epstein em Palm Beach.

“Quando você está com alguém por 11 anos, você sabe do que ele gosta. Epstein gostava de garotas menores de idade. Ele gostava de tocar em meninas menores de idade. Maxwell sabia disso. Não se engane, Maxwell foi crucial para todo o esquema. Epstein não poderia ter feito isso sozinho”, Moe também alegou.

Explicar o suposto esquema que a dupla tinha, “um homem solteiro de meia-idade que convida uma adolescente para visitar seu rancho, vir para sua casa, voar para Nova Iorque, é assustador”, afirmou Moe aos jurados, referindo-se a Epstein.

“Mas quando aquele homem está acompanhado por uma mulher elegante, sorridente, respeitável e apropriada para a idade, tudo começa a parecer legítimo”, declarou ela. “E quando aquela mulher encoraja aquelas garotas a massagear aquele homem, quando ela age como se fosse totalmente normal para o homem tocar nessas garotas, isso as atrai para uma armadilha. Permite ao homem silenciar os alarmes”.

Ao longo do julgamento, Maxwell usou seu direito à Quinta Emenda e se recusou a tomar posição em sua defesa.

Ela afirmou à juíza na semana passada: “Meritíssima, o governo não provou seu caso além de qualquer dúvida razoável. E, portanto, não há necessidade de testemunhar”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas