Profissional de saúde fala sobre prescrição de antibióticos durante limpeza dentária

Cirurgias ortopédicas e doenças de alto risco justificam o uso do remédio apesar de pesquisas apontarem o contrário
(Paulo Jorge Cruz/Fotolia)
Estudo americano submeteu pacientes a procedimentos odontológicos sem antibióticos: nenhum deles desenvolveu infecções  (Paulo Jorge Cruz/Fotolia)

Atualmente mais de 1 milhão de cirurgias no quadril e no joelho são realizadas todos os anos na América do Norte. Estima-se que até 2030 este número aumente para 4 milhões ao ano. Mas os dentistas devem pintar cada paciente e implante em conjunto com o mesmo pincel?

A Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos (ACOS) é inflexível sobre esta questão. Eles afirmam que, durante os últimos 20 anos, o número de infecções pós-operatória nessas regiões do corpo diminuiu acentuadamente devido ao uso de antibióticos durante a cirurgia e no período pós-operatório imediato.

Quem vai passar por um desses procedimentos cirúrgicos tem motivos para comemorar. A infecção foi a única coisa que me preocupou nos dias seguintes a minha cirurgia nos quadris.  Infecção pós-operatória é um problema grave que requer tratamento antibiótico de longo prazo e, por vezes, uma cirurgia adicional.

Como diria o ditado popular, se você está caçando um leão, certifique-se de que irá matá-lo. Uma ferida adquirida depois da cirurgia é sempre mais perigosa. Da mesma forma, operar novamente uma articulação infectada nunca é tão fácil como a cirurgia inicial. Então, por que não usar todas as precauções para evitar essa complicação? Mas, como sempre, há outro lado da história.

O que você faria se um dentista ou higienista dental dissesse: “Eu não vou fazer limpeza em seus dentes, a menos que você concorde em tomar antibióticos depois de uma cirurgia no quadril ou substituição do joelho”?

Um relatório da Cleveland Clinic afirma: “Acreditamos que a evidência disponível não suporta a profilaxia antibiótica de rotina antes de procedimentos odontológicos em pacientes que foram submetidos à substituição total da articulação, embora a prática seja muito comum e, apesar dos profissionais de saúde a recomendarem em pacientes com alto risco ou mesmo em todos os pacientes”.

O que prova que eles têm de apoiar essa afirmação? Pesquisadores apontam que a bactéria staphylococcus aureus é a principal culpada em causar infecções articulares pós-operatórias. Mas este organismo raramente está presente na cavidade oral. Além disso, também é raramente encontrado na corrente sanguínea após procedimentos dentários.

Pelo contrário, são as bactérias estreptococos do grupo viridans, os principais habitantes da boca. É comum que essas bactérias entrem na corrente sanguínea temporariamente após um trauma nos dentes ou na gengiva. Esse grupo bacteriano corresponde a apenas 2% das infecções comuns no pós-operatório.

O relatório cita Cleveland outras provas. Um estudo feito com 1.000 pacientes que tiveram substituição total da articulação foi acompanhado durante o período de seis anos. Deste grupo, 226 foram submetidos a procedimentos odontológicos sem receber antibióticos e nenhum desenvolveu uma infecção de prótese articular.

A invasão bacteriana de baixo grau no sangue não ocorre apenas com um procedimento odontológico, mas também com as atividades diárias comuns, como a mastigação, escovar os dentes e usar fio dental. Além disso, esta exposição cumulativa a invasão bacteriana transitória do sangue é várias vezes maior do que a única exposição que os pacientes recebem durante a limpeza dos dentes.

Também é bom considerar o papel desempenhado pela higiene dental. Já examinei milhares de bocas ao longo dos anos e algumas pessoas têm nota “zero” para os cuidados de boca. Eles são preguiçosos ou ocupados demais para escovar os dentes após cada refeição.

Nem eles aprenderam o simples fato de não usar fio dental, alimentos e bactérias estarão sempre ocupando os espaços entre os dentes. Isso resulta em mau hálito ou doença dental.

Então, quem está certo? Infelizmente, não há uma resposta definitiva. Mas esse debate me lembra da época em que era heresia se os pacientes com uma válvula cardíaca disquete não fossem tratados com antibióticos antes de passarem por uma limpeza dos dentes. O medo era de que, sem os antibióticos, as bactérias que infectam essas válvulas, causassem endocardite bacteriana. Agora, os especialistas dizem que essa precaução não é mais necessária.

Parece prudente receitar antibióticos para aqueles que tiveram infecções prévias conjuntas, como diabetes tipo 1 ou doenças inflamatórias, além de doenças de alto risco, caso do HIV.

Mas submeter aqueles que sempre tiveram boa higiene dental aos antibióticos pode ser o mesmo que usar uma arma de grande calibre para matar um rato. Particularmente, os antibióticos podem causar complicações ao mesmo tempo em que estamos tentando diminuir sua utilização.

Fiz um teste e liguei para vários consultórios odontológicos: 90% deles disseram que o uso de antibióticos é necessário para a limpeza dos dentes.

Dr. Gifford Jones é jornalista e médico que atua em Toronto. Seu site é o DocGiff.com

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas