Professora de Yale que ‘analisou’ Trump não é licenciada e violou regras éticas

Uma professora de Yale, que informou os legisladores em Washington sobre a aptidão mental do presidente estadunidense Donald Trump, não tem licença para praticar psiquiatria em seu estado de Connecticut e recentemente violou a orientação ética emitida pela Associação Americana de Psiquiatria.

A licença para prática médica de Bandy X. Lee em Connecticut, o estado de origem da Universidade de Yale, onde ela trabalha, expirou em maio de 2015, de acordo com registros oficiais do website de licenciamento do estado. Uma requisição de restauração ainda está pendente.

Lee eliminou sua conta do Twitter depois que capturas de tela emergiram sobre sua licença expirada.

EUA, Trump, Barry Goldwater - (Captura de tela/www.elicense.ct.gov)
(Captura de tela/www.elicense.ct.gov)

Lee também violou uma orientação ética emitida pela Associação Americana de Psiquiatria (APA, na sigla em inglês), composta de 37 mil membros, que aconselha que “os psiquiatras não devem dar opiniões profissionais sobre o estado mental de alguém que eles não avaliaram pessoalmente”.

Essa orientação reafirmou o apoio da APA à “Regra de Goldwater”, que cada psiquiatra membro tem de seguir desde 1973. A regra afirma que “não é ético oferecer uma opinião profissional sobre um indivíduo sem realizar um exame”.

A regra foi criada depois que a revista Fact consultou 2.417 psiquiatras em 1964 e perguntou se o senador Barry Goldwater, candidato presidencial na época, estava apto a servir como presidente. Um total de 1.189 psiquiatras respondeu que Goldwater não estava capacitado para servir. Goldwater posteriormente ganhou um processo de difamação contra a revista Fact.

EUA, Trump, Barry Goldwater - O então candidato presidencial Barry Goldwater (dir.) com seu parceiro eleitoral William Miller em 1964. Goldwater é um ex-senador pelo Arizona e ‘pai’ do conservadorismo moderno nos EUA (AFP/Getty Images)
O então candidato presidencial Barry Goldwater (dir.) com seu parceiro eleitoral William Miller em 1964. Goldwater é um ex-senador pelo Arizona e ‘pai’ do conservadorismo moderno nos EUA (AFP/Getty Images)

“A complexidade do ambiente de mídia hoje exige que tenhamos especial cuidado quando falamos publicamente sobre questões de saúde mental, particularmente quando o que dizemos pode prejudicar não apenas a nossa integridade profissional, mas a confiança que compartilhamos com nossos pacientes e sua confiança em nossas habilidades como médicos”, escreveu a Dra. Maria Oquendo, a presidente da APA, numa postagem no blogue da APA que acompanhou a orientação.

A CNN relatou em 5 de janeiro que Lee informou uma dúzia de legisladores no Capitólio no início de dezembro sobre a aptidão de Trump para ser presidente. A CNN revelou que os comentários de Lee são contrários à orientação da APA, mas não especificou que Lee não estava licenciada para praticar em seu estado nativo e onde trabalha.

Lee disse à CNN que pelo menos um dos legisladores era republicano.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, comentou que os questionamentos sobre a aptidão do presidente para servir eram “vergonhosos”.

Leia também:
• Opinião: A última tentativa de ataque contra Trump e por que irá falhar
• Colunista conhecido por fofocas maliciosas ataca Trump em novo livro
• Índice de aprovação de Trump é igual ao de Obama no final do primeiro ano

“Se ele não fosse apto, ele provavelmente não estaria sentado lá, não teria derrotado o grupo de candidatos mais qualificados que o Partido Republicano já viu”, disse Sanders, antes de defender Trump como um líder “incrivelmente forte”.

Trump rejeitou os comentários em três mensagens no Twitter.

Apesar de possuir credenciais para praticar psiquiatria e medicina em Connecticut, Lee tem uma lista de conquistas listadas em sua página biográfica no website da Yale.

De acordo com sua biografia, Lee prestou consultoria aos governos da Irlanda e da França, bem como ao da Califórnia, Connecticut, Massachusetts e Nova York, “sobre programação de prevenção da violência nas prisões e na comunidade”.

“Ela atuou como consultora do Departamento de Prevenção da Violência e Maus-Tratos da Organização Mundial da Saúde, UNESCO e outros órgãos das Nações Unidas, e como palestrante do Fórum Econômico Mundial”, afirma sua biografia.

NTD Television

 
Matérias Relacionadas