Publicado em - Atualizado em 15/08/2017 às 12:50

Procuradores desistem de reajuste salarial de 16,7%

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e futura procuradora-geral, Raquel Dodge (Arquivo/ABr)

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e futura procuradora-geral, Raquel Dodge (Arquivo/ABr)

No dia seguinte à decisão do Supremo Tribunal de Federal (STF) de retirar o reajuste salarial do orçamento, o Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) reconsiderou e decidiu não incluir na proposta orçamentária um reajuste salarial de 16,7% para procuradores da República em 2018.

A proposta recebeu aprovação de todos os conselheiros, bem como da futura procuradora-geral, Raquel Dodge, uma das responsáveis pela inclusão do reajuste no orçamento. O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Robalinho Cavalcanti, aprovou a decisão.

Os conselheiros concluíram que, se os ministros do STF não reajustassem seus vencimentos, os procuradores não poderiam reajustar os seus, considerando-se que a remuneração de ministros do STF representa o teto do serviço público.

A exclusão do reajuste foi decidida em reunião extraordinária do conselho convocada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Para Janot, após a decisão do STF, o conselho seria responsável por reanalisar se excluiria ou não a proposta de aumentar o próprio orçamento.

Leia também:
Fachin suspende inquérito contra Michel Temer no STF
Mensalão: MPF desarquiva inquérito e Lula volta a ser investigado
Reforma política: comissão especial da Câmara aprova “distritão” para próximas eleições

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016