Primeiro caso de reinfecção do vírus do PCC é confirmado em Hong Kong, afirmam pesquisadores

Pacientes em recuperação da COVID-19 ainda são vulneráveis

Por Eva Fu

Um homem de Hong Kong de 33 anos se tornou o primeiro paciente de COVID-19 do mundo a ser infectado novamente com uma cepa mutada do vírus do PCC, de acordo com os pesquisadores, que disseram que a descoberta pode ter implicações significativas para os sobreviventes da doença respiratória.

O paciente, um profissional de TI sem condições de saúde subjacentes, testou positivo para o vírus pela segunda vez em 15 de agosto durante um exame de admissão no aeroporto de Hong Kong, após viajar para a Espanha e o Reino Unido.

Quando adoeceu há cerca de quatro meses e meio, o homem estava com tosse, dor de garganta, febre e dor de cabeça e foi hospitalizado em 26 de março, de acordo com um relatório de pesquisadores da Universidade de Hong Kong.

Ele finalmente se recuperou em 14 de abril. Não está claro quando ou como ele foi reinfectado, mas ele permaneceu assintomático durante a segunda infecção.

Após análise genética, os pesquisadores descobriram pelo menos 24 diferenças entre os genomas de duas cepas do vírus SARS-CoV-2 (nome científico do novo coronavírus), sugerindo que os pacientes em recuperação da COVID-19 ainda são vulneráveis.

A segunda cepa está mais associada a amostras coletadas na Suíça e no Reino Unido de julho a agosto, de acordo com o estudo dos pesquisadores, que foi aceito para publicação na revista médica Clinical Infectious Diseases.

Embora casos de pacientes recidivantes na China e em outros países tenham sido citados anteriormente, o caso de Hong Kong é a primeira reinfecção comprovada com sequenciamento genético. Os resultados servem como um lembrete de que a imunidade, após a recuperação e vacinação contra o vírus, não pode proteger permanentemente uma pessoa dos danos do vírus, de acordo com os pesquisadores. Eles também observaram que é provável que o vírus permaneça, algo semelhante ao resfriado comum, e que os pacientes recuperados devem continuar a aderir às diretrizes de saúde, como usar máscara, seguir regras de distanciamento social e considerar opções de vacinação.

O indivíduo recebeu alta de um hospital de Hong Kong em 21 de agosto, de acordo com relatos da mídia local.

“Este paciente tem a sorte de não apresentar quaisquer sintomas durante a segunda infecção, mas não podemos presumir que a segunda infecção de todas será leve”, disse Kelvin Kai-wang To, professor clínico associado do departamento de microbiologia da universidade e co-autor do estudo, para a imprensa em 24 de agosto.

“Pode haver uma segunda infecção, e mesmo uma terceira, uma quarta pode não ser surpreendente, o que torna mais difícil conter o surto.”

Os vírus costumam sofrer mutações genéticas à medida que se reproduzem e se adaptam ao ambiente do corpo hospedeiro, o que pode tornar o patógeno mais ou menos perigoso.

A mutação, chamada D614G, que se proliferou na Europa e nos Estados Unidos, resulta em mais 4 ou 5 picos do vírus SARS-CoV-2 que aumentou significativamente sua infectividade, de acordo com um estudo recente do Scripps Research, um instituto de pesquisa médica sem fins lucrativos.

Depois que os vírus atacam o corpo, o sistema imunológico produz anticorpos para neutralizar o patógeno, ao mesmo tempo que oferece alguma proteção contra infecções futuras. Mas essa imunidade diminui com o tempo, especialmente para aqueles com sintomas mais leves, de acordo com um estudo de julho da Universidade da Califórnia-Los Angeles.

David Strain, professor clínico da Escola de Medicina da Universidade de Exeter do Reino Unido, disse que o caso de Hong Kong foi uma “descoberta perturbadora”.

“As vacinas funcionam simulando uma infecção no corpo, o que permite que o corpo desenvolva anticorpos. Se os anticorpos não fornecerem proteção duradoura, teremos que voltar a uma estratégia de redução drástica viral para voltar a uma vida mais normal”, disse ele.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas