Presidiário adestra cão na prisão, mas acaba se apaixonando e transformando sua vida

Conhecer Sugar Mama foi uma experiência transformadora para Bertrand

Por Andrew Thomas, Epoch Times

Mais de uma década de encarceramento pode fazer um homem se sentir isolado, e pode deixá-lo desumano. No entanto, antes que ele fosse libertado, ele conheceu um improvável amigo que o fez se sentir humano novamente.

Jason Bertrand cresceu na Flórida sob circunstâncias difíceis que o prepararam para enfrentar problemas. Sua mãe o abandonou e às suas duas irmãs mais novas quando ele tinha cerca de seis anos. Seu pai tinha um sério vício em drogas e não cuidava dele como devia, logo ele acabou indo parar na prisão.

Crescendo sem ter modelos positivos, Bertrand tropeçou em uma vida criminosa e acabou sendo condenado por roubo. Ele passou 15 anos na prisão na Flórida. Encarcerado aos 19 anos, ele só foi libertado ao completar 34 anos.

A prisão teve um efeito prejudicial sobre Bertrand.

(Pixabay)

Ele se viu se tornando uma pessoa mais violenta e dura para sobreviver. Ele se sentiu sozinho e reprimiu seus sentimentos sobre a ausência de sua família em sua vida.

“Por muito tempo eu usei uma máscara para mostrar que eu não me importava que a minha família não estivesse lá para mim, que isso não importava”, explicou Bertrand.

Durante toda a sua vida ele teve pouca oportunidade de formar relacionamentos positivos com outras pessoas. Ele não se sentia mais humano.

Quando o fim de sua sentença se aproximava, Bertrand foi transferido para o Centro de Lançamento da Comunidade de Jacksonville Bridge para ajudar a prepará-lo para se juntar à sociedade.

Lá, ele teve a oportunidade de participar de um programa de transição chamado TAILS, que significa Teaching Animals and Inmates Life Skills (ensinando habilidades cotidianas a detentos e animais).

O objetivo da TAILS é trazer valores positivos como responsabilidade e compaixão para ex-detentos, fazendo com que eles treinem pitbulls resgatados.

Os presos treinam os cães para que eles possam se tornar adotáveis.

(Cortesia de Judy Klym)

Bertrand foi escolhido para treinar um pit bull resgatado chamado Sugar Mama em 20 de abril de 2016.

Sugar Mama tinha sido resgatada de um ringue de luta de cachorro. Enjaulada e forçada a lutar contra outros cães, Sugar Mama estava se recuperando de uma cirurgia nas costas quando ela e Bertrand se conheceram.

Apesar do abuso, Sugar Mama ficou imediatamente atraída por Bertrand.

“Foi uma experiência totalmente nova. Ela era brincalhona, ela era exuberante, ela estava amando. Apesar de tudo o que ela passou, ela estava muito feliz ”, disse Bertrand ao Epoch Times.

Bertrand e Sugar Mama sofreram adversidades semelhantes em suas vidas, e ele se viu nela.
“Ela tem uma sábia personalidade — nós somos do mesmo tipo. Nós sempre quisemos amar. Sempre quisemos ser gentis e nunca machucar ninguém”, disse Bertrand.

Ambos perderam a liberdade e foram forçados a uma situação em que precisavam lutar para sobreviver.

No entanto, embora tenham vivido uma experiência semelhante, Bertrand sabe que foram suas próprias escolhas que o colocaram nessas circunstâncias. Sugar Mama, por outro lado, não teve escolha.

“Eu fiz algo que resultou em meu estilo de vida. Ela foi pega por algum indivíduo que não deu nenhuma escolha para ela. Ela sofreu muito por causa disso”, disse Bertrand.

Conhecer Sugar Mama foi uma experiência transformadora para Bertrand.

(Cortesia de Judy Klym)

A vida na prisão o forçou a desenvolver uma personalidade difícil para não parecer vulnerável, e ele lutou para abandonar essa mentalidade quando estava sendo libertado.

“Eu saí daquela minha situação mas ainda ouvia as mesmas mentiras que ouvia na prisão: você tem que ser durão. Você tem que ser um gangster. É isso que você precisa fazer”, lembrou Bertrand.

Mas o que ele viu em Sugar Mama foi exatamente o oposto.

“Para ela, ela saiu da situação e estava tentando ser feliz. Isso me fez pensar sobre mim mesmo e como eu precisava reagir à vida. Eu escolhi começar a ter compaixão e amor porque se eu mereci o que eu recebi e ela não, e ela pôde fazer a coisa certa, então como eu não poderia?”, disse ele.

Toda a desumanidade que ele experimentou começou a desaparecer. Sugar Mama fez com que ele se sentisse humano novamente.

Sua tarefa era treinar Sugar Mama para que ela pudesse ser adotada. Ele a ensinou a sentar, deitar, parar e andar com a coleira. Ele também teve que treiná-la para que ela se comportasse em um ambiente normal e se tornasse um cão social. Ela ensinou-lhe virtudes como paciência, determinação e responsabilidade.

No final do programa, os cães são colocados para adoção.

A aquela altura, Bertrand já tinha desenvolvido uma afeição profunda por Sugar Mama.

(Cortesia de Judy Klym)

Sugar Mama o ajudou a encontrar sua humanidade, e ele não podia deixá-la ir.

TAILS percebeu que Bertrand era a melhor pessoa para Sugar Mama, e ele passou quatro meses extras cuidando dela até que fosse libertado.

Eles estão juntos há dois anos e Sugar Mama ajudou Jason quando ele reconstruiu sua vida. Ele está trabalhando em tempo integral como técnico de AVAC e desde então se casou.

“O cachorro mudou minha vida. Ela tem sido minha graça salvadora ”, Bertrand frequentemente diz.

Veja Bertrand contando sua comovente história no vídeo abaixo:

 
Matérias Relacionadas