Presidente do Senado estima que julgamento de Dilma levará quatro dias

Conforme declarou hoje (17) o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a expectativa é de que o julgamento definitivo do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado seja finalizado em quatro dias.

Por enquanto, só o que já está decidido é que o primeiro dia será na quinta-feira, 25 de agosto, às 9h. Renan conversou ontem (16) à noite no Supremo Tribunal Federal (STF) com o ministro Ricardo Lewandowski, que vai presidir a sessão, e concluiu, não considerando o final de semana, que o julgamento deverá durar quatro dias com o término da sessão na terça-feira, 30 de agosto.

“Temos que otimizar ao máximo as sessões de quinta, sexta, segunda e terça de modo que finalizemos no mais tardar em quatro dias. Ninguém aguenta mais essa delonga”, declarou o senador.

Leia também:
‘Operação Lava Jato trata um câncer’, diz Dallagnol
Comissão deve votar MP que reduz cargos comissionados do Executivo
Recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário desagrada ruralistas

Votação final

Dilma Rousseff só poderá ser afastada definitivamente do mandato se houver, desta vez, dois terços dos votos, o que significa o apoio de pelo menos 54 dos 81 senadores. Em se concretizando essa tendência, o presidente interino Michel Temer assume o cargo definitivamente e a petista não poderá ser eleita por oito anos. Caso não se obtenha o número mínimo de votos exigidos para o impeachment, Dilma reassume o mandato e o processo no Senado é arquivado.

Investigação

Ontem o ministro do STF, Teori Zavascki, autorizou a abertura de inquérito para investigação de Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quanto à presumida tentativa de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. A investigação foi pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Indagado sobre a decisão do ministro, Renan não deu muita importância ao assunto. “Não acho que abertura de inquérito significa muito, apenas uma oportunidade para as pessoas se defenderem. A grande diferença entre os investigados é entre aqueles que têm o que dizer e aqueles que absolutamente não têm o que dizer”, declarou.

O presidente do Senado, que também é investigado, exemplificou o caso citando sua própria experiência. “Da minha parte, todo inquérito aberto para investigar alguma coisa contra mim ou citação de terceiros é oportunidade para desfazer qualquer maledicência, qualquer tentativa de acusação, como já vimos em vários processos”, afirmou.

 
Matérias Relacionadas