Presidente da Samarco afirma que barragem de Mariana não será reconstruída

A barragem com rejeitos de mineração que se rompeu em 5 de novembro do ano passado, matando 17 pessoas com uma torrente de lama, não será reconstruída, segundo o presidente da empresa Samarco, dona da instalação.

Ricardo Vescovi, em uma entrevista publicada no sábado (26/12) pelo jornal Folha de São Paulo, disse que não há intenção de reconstruir o lugar, considerando tudo o que o acidente representa para a população e para a empresa em seus 38 anos de existência.

O presidente calcula que levará pelo menos seis meses ou até um ano para saber exatamente o que aconteceu no dia da tragédia.

Vescovi negou que resíduos de mineração da Vale – acumulados junto à barragem de Fundão, que se rompeu – tenham contribuído para desestabilizá-la. Afirmou que esta probabilidade é pequena, já que a pilha de rejeitos está intacta, assegurando que os resíduos não continham metais pesados.

Ele acrescentou que os resíduos de minério de ferro não são tratados com metais pesado, por isso a lama da Samarco pode ser considerada não tóxica e inerte. A ONU, porém, sustenta que os rejeitos são tóxicos.

Leia também:
A história de Luiz Claudio, um talentoso morador de rua
Estudo do IPEA aponta causas da desigualdade de renda no Brasil
Retração econômica brasileira faz despencar lucros de empresas em todo país

Vescovi também negou que as barragens do Fundão e sua vizinha Germano estivessem unificadas, ao contrário do que disse o responsável da Samarco pelo meio ambiente, Euzimar Rosado, no dia do acidente, especificando que foram autorizados a levantar as paredes de 920-940 metros. No dia da tragédia, Fundão operava a 898 metros.

O deslizamento de terra que soterrou a cidade de Bento Rodrigues é considerado a maior catástrofe ambiental da história do Brasil, segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

A torrente de lama e resíduos de mineração percorreu mais de 650 km no leito do rio Doce, através dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, antes de desaguar no Oceano Atlântico, onde também causou danos ambientais.

Na quinta-feira (24/12), a Samarco anunciou que irá pagar 25.600 dólares para cada família dos 17 falecidos, como uma antecipação de sua indenização, até chegar a um acordo com os fiscais de Minas Gerais.

 
Matérias Relacionadas