Presidente da Itália repreende jogos políticos dos populistas

"A Itália encontrou novamente suas fronteiras, sua segurança", disse Matteo Salvini

Por Bloomberg

O presidente Sergio Mattarella, que tentou controlar os líderes populistas da Itália, criticou duramente o governo por forçar planos de gastos por meio do parlamento e advertiu que a montanha da dívida do país penaliza os cidadãos comuns.

O chefe de Estado usou seu discurso televisivo de final de ano em 31 de dezembro, para emitir reprimendas veladas à coalizão dominada pelos Vice Premiers eurocéticos Matteo Salvini e Luigi Di Maio, pedindo que as medidas prometidas no orçamento de 2019 fossem “verificadas atentamente” dada a falta de debate.

Mattarella criticou a redução das discussões parlamentares, enquanto o governo se apressou em cumprir o prazo de 31 de dezembro, após um confronto de semanas com a Comissão Europeia. “Espero fortemente que o parlamento, o governo e os partidos políticos possam encontrar uma maneira de manter uma discussão construtiva sobre o que aconteceu e assegurar um debate adequado no futuro”, disse Mattarella.

Ex-ministro e juiz siciliano, Mattarella, de 77 anos, trabalhou nos bastidores com aliados pró-europeus no governo para garantir que Salvini e Di Maio não só concordassem em negociar o orçamento de 2019 com a comissão, mas também concordassem, relutantemente, em cortar gastos.

Até o equilíbrio

O presidente está tentando manter as finanças e as relações do Estado com a União Europeia em equilíbrio. Essa é uma tarefa delicada depois que os eleitores abandonaram o establishment que Mattarella sintetiza nas eleições gerais de março, exasperados pela estagnação econômica e pela imigração.

Em seu discurso no palácio presidencial do Quirinale, Mattarella ecoou as preocupações dos investidores sobre o impacto da economia populista na dívida da Itália, a mais alta da zona do euro em termos reais. “A alta dívida pública penaliza o Estado e os cidadãos e coloca um fardo pesado no futuro dos jovens”, disse Mattarella.

Em contraste com os desafios populistas para Bruxelas, o chefe de Estado insistiu que “a Itália escolheu investir e viver o seu próprio futuro na dimensão europeia”. Ele também fez questão de desejar um feliz ano novo “a cinco milhões de imigrantes que vivem, trabalham, vão à escola e praticam esportes em nosso país”. Salvini fez uma campanha violenta contra a imigração.

“A Itália encontrou novamente suas fronteiras, sua segurança”, disse Salvini, defendendo suas políticas em um vídeo no Facebook postado uma hora após o discurso de Mattarella. Ele também falou a favor de sua reforma previdenciária e redução de impostos para as empresas e disse que as eleições parlamentares europeias em maio serão fundamentais para levar sua “revolução pacífica” a toda a Europa.

Pró-europeus

Em seus esforços para refrear os impulsos mais extremos dos populistas, Mattarella tem apoio pró-europeu no governo: o primeiro-ministro Giuseppe Conte, o ministro das Finanças, Giovanni Tria, e o ministro das Relações Exteriores, Enzo Moavero Milanesi.

“Mattarella tem sido uma influência atenuante em Salvini e Di Maio, na composição do orçamento e nas relações com Bruxelas”, disse Roberto D’Alimonte, professor de ciência política na Universidade Luiss, em Roma. “Mattarella foi determinante, decisivo, sem nunca buscar um confronto direto”.

Mas os esforços do presidente se tornarão mais árduos, pois Salvini, da Liga Anti-Migrações e Di Maio, do Movimento de Cinco Estrelas, contra o establishment, inicia suas campanhas para as eleições do Parlamento Europeu em maio. Os dois parceiros estão dispostos a agradar seus diferentes eleitorados com medidas do governo, incluindo uma menor idade de aposentadoria e benefícios sociais.

Di Maio disse que “ainda há muitas coisas por fazer, estamos apenas no final do começo”, falando no Facebook a partir de uma pista de esqui no dia 1º de janeiro.

O líder populista reiterou a promessa de cortar o pagamento para os legisladores italianos e trabalhar em questões ambientais, acrescentando que foi um prazer lutar contra aqueles que “usaram dinheiro público e leis nacionais para tirar proveito de uma série de direitos aos quais não estavam autorizados”.

Mattarella havia flexionado seus músculos constitucionais antes mesmo de o governo populista nascer. Ele vetou a nomeação de um eurocético, Paolo Savona, como ministro da Fazenda. O próprio Savona sugeriu Tria, que foi aceito pela Cinco Estrelas e pela Liga, abrindo caminho para que o governo fosse empossado em 1º de junho.

O presidente tem poderes significativos para recorrer. Suas funções incluem assegurar um orçamento equilibrado, com financiamento adequado para novas leis e respeito pelos compromissos internacionais. Ele nomeia o primeiro-ministro, nomeia os ministros por sugestão do premier e dissolve o parlamento antes que as eleições sejam realizadas.

Mattarella, em uma mensagem escrita ao Papa Francisco para o 52º Dia Mundial da Paz, disse que a política deveria ter como objetivo justiça, equidade, respeito por si mesmo e pelos outros e criar a paz.

“Com esse entendimento, a política torna-se um desafio permanente de serviço que também pode exigir decisões difíceis, escolhas impopulares, capacidade de sacrifício e renúncia pessoal”, escreveu Mattarella na mensagem datada de 1º de janeiro.

De John Follain

 
Matérias Relacionadas