Presa esposa de advogado de direitos humanos chinês ao viajar para Tianjin à procura do marido

"Meu marido está preso há mais de 1.000 dias e não sei se está vivo ou morto"

Por Anastasia Gubin, Epoch Times

Autoridades chinesas interromperam a marcha de protesto de Li Wenzu, esposa do advogado de direitos humanos na China Wang Quazhang, e a estão mantendo presa em casa, conforme divulgado hoje pela agência Reuters.

Li não vê o marido desde agosto de 2015, depois que ele assumiu a investigação de casos de denúncias de tortura policial e defendeu cidadãos praticantes do Falun Gong, uma disciplina conhecida internacionalmente por seus benefícios à saúde e por ter como base os princípios de Verdade, Benevolência e Tolerância.

Colegas de Quazhang presos em julho de 2015 já foram libertados. Li queria percorrer os 100 quilômetros até a cidade de Tianjin, onde ela acredita que seu marido está sendo mantido.

“Li Wenzu está sendo mantido em prisão domiciliar, com agentes de segurança do Estado bloqueando sua porta, disse Wang Qiaoling à Reuters, amiga de Li cujo marido também é advogado de direitos humanos, que foi preso e depois liberado.

Reuters observa que, na ausência de informação pública sobre as atividades chinesas, buscou mas não obteve comentários oficiais sobre a prisão.

“Meu marido está preso há mais de 1.000 dias e não sei se está vivo ou morto. Eu fui procurar meu marido, o que eu fiz de errado?”, disse Li atrás da grade de sua pequena varanda, de acordo com uma comunicação recebida pela Reuters.

Li Winzu com seu marido, Wang Quanzhang, — desaparecido — e seu filho (SCMP)
Li Winzu com seu marido, Wang Quanzhang, — desaparecido — e seu filho (SCMP)

Kwok Ka-Ki, legislador de Hong Kong, organizou um protesto na terça-feira (10) contra a situação de Li e Wang, em frente ao escritório de representação de Pequim em Hong Kong, segundo o The Guardian.

“Xi Jinping sempre diz ao mundo que o regime chinês está governando segundo a lei. Que tipo de lei permite que um país prenda um advogado de direitos humanos sem uma razão aparente?”, disse Kwok.

O legislador divulgou uma declaração em denúncia ao regime comunista chinês pelo que está acontecendo com o advogado Wang e sua família, e afirmou que sua família está entrando com uma petição pacífica. “Eles não violaram a lei”, disse ele em seu Facebook.

王全璋失蹤千日 妻被帶走抗議中共無法無天在「#709事件」中被捕的維權律師 #王全璋,失蹤至今逾一千日。#李文足 與多名維權人士的家屬及支持者,組成「徒步尋夫團」,由4月4日開始,由北京市朝陽區起步,徒步至天津市第二中級人民法院抗議。據報道,李文足一行人當他們進入天津範圍後,發現有國保車輛尾隨跟蹤,昨日更於酒店被數十名國保人員強行帶走。其後李獲釋,消息指自稱國保的人員,要求李文足馬上坐車離開天津返回北京。對於內地打壓維權人士,更一度帶走無違反任何法例的維權人士家屬、干涉他們和平的請願行動,公民黨對此表示憤怒。就此,#公民黨 立法會議員 #郭家麒,今日下午與黨友聯同 社會民主連線 成員,一同由西區警署遊行到中聯辦抗議。郭家麒指,中共為了維護營造和諧,不斷打壓異見聲音。對於維權人士及維權律師,更是無理拘捕、以言入罪,甚至欺壓他們的家人。郭家麒指,既然國家主席習近平以經常自詡作風開明,就應善待維權人士,呼籲中共立即停止打壓維權人士,釋放「709大搜捕」被捕者及其他維權人士。Leung Kwok Hung

Posted by Kwok Ka Ki 郭家麒 on Monday, April 9, 2018

De acordo com a Organização Minghui, em 2013 o advogado Wang ficou preso durante 10 dias, depois que ele aceitou o caso do Sr. Zhu, um praticante do Falun Gong. Ele o fez a pedido da filha.

Ele se queixou à justiça porque, antes da audiência, queria se reunir com seu cliente muitas vezes e os pedidos foram negados pelos oficiais da Divisão de Segurança Nacional. O Tribunal de Jingiang condenou-o à prisão por “falar muito alto” e “prejudicar a ordem no tribunal”.

 
Matérias Relacionadas